Resenha, “Banguê”, de José Lins do Rego

A ideia da morte como renascimento, Bangüê, de José Lins do Rego. Um dos livros mais completos em termos técnicos e argumentativos, a descrição fiel do Brasil dos engenhos de cana- de – açúcar na visão do fazendeiro, do dono da Casa- Grande; a narrativa contundente convence e nos transporta aos latifúndios do interior do Brasil. Tempo e espaço do romance: a fazenda Santa Rosa na época pós- colonial brasileira, o personagem Carlos chega à fazenda a qual estava ausente há dez anos. A fazenda do avô Zé Paulino e o estranhamento aos olhos do jovem advogado:  a casa- grande … Continuar lendo Resenha, “Banguê”, de José Lins do Rego

Dia dos namorados de 1987- 2010

Um anúncio da Apple mostra vários Ipods Touch formando um coração, com o apelo publicitário: “Amor é coisa de dois (toques). O presente perfeito para São Valentim!”.  Isso na Apple Espanha. A partir dessa imagem lembrei dos meus tempos de “namorada”. Quando eu tinha 15, 16 anos lá pelos ano de 86, 87,  que presentes disponíveis e bacanas haviam para presentear aos namorados (no caso das meninas)? Fitas- cassete, discos de vinil, perfumes do Boticário, calculadoras científicas, camisas, carteiras, livros, relógios, tênis (nem coloquei o Atari, porque era tão caro que a maioria não ia dar isso mesmo). Ter um … Continuar lendo Dia dos namorados de 1987- 2010

Ruas de outono

Ana Carolina, cantora brasileira, Ruas de Outono”: Nas ruas de outono Os meus passos vão ficar E todo abandono que eu sentia vai passar As folhas pelo chão Que um dia o vento vai levar Meus olhos só verão que tudo poderá mudar Eu voltei por entre as flores da estrada Pra dizer que sem você não há mais nada Quero ter você bem mais que perto Com você eu sinto o céu aberto Daria pra escrever um livro Se eu fosse contar Tudo que passei antes de te encontrar Pego sua mão e peço pra me escutar Seu olhar … Continuar lendo Ruas de outono

Hoje sairá o Prêmio Nobel de Literatura 2009

Hoje sairá o ganhador do Nobel de Literatura que será revelado ao vivo de Estocolmo, via Youtube. Segundo o jornal espanhol El País, os dois favoritos sao o americano Philip Roth e o israelense Amos Oz. Nao há na lista nenhum escritor de língua portuguesa. Continuar lendo Hoje sairá o Prêmio Nobel de Literatura 2009

Grupo de música celta: Luar na Lubre

“Luar na lubre” é um grupo musical da Galícia (Espanha, onde fala- se galego- português) que toca um estilo raro, antigo, culto e belo, a música celta. A voz é de Sara Louraço Vidal, mas nesse vídeo canta Rosa Cedrón, sua predecessora. “Chove en Santiago”: Os celtas viveram na Galícia, em outras províncias da Espanha e chegaram até Coimbra em Portugal no ano VI a. C. Mais música celta: Carlos Nuñez, Milladoiro e a francesa Gwendal. “Luar na lubre” foi- me apresentada por Alessandra Mattos que é Flickrer, ilustradora, designer e apaixonada pela banda: Veja o trabalho dela aqui. Update: … Continuar lendo Grupo de música celta: Luar na Lubre

Identidade Perdida

“Identidade Perdida” é um curta- metragem escrito por André Parish Bamberg e o protagonista é Kadu Veiga (Carlos Eduardo Veiga Araújo), veja sinopse: “A questão da perda de documentos é encarada como um dos grandes entraves junto aos órgãos públicos responsáveis pelo setor: aumenta as demandas de trabalho, provoca a superlotação nos estabelecimentos competentes, além de causar sérios transtornos de ordem legal, a exemplo dos crimes de falsidade ideológica, estelionato e clonagem. Partindo desta abordagem, o filme conta a história de Paulo Soares, um cidadão brasileiro de aproximadamente 30 anos, que resolve renovar sua carteira de identidade. Ao se deparar … Continuar lendo Identidade Perdida

Novo livro do Saramago: “Caim”

Sinceramente, cheguei a pensar que “A viagem do elefante” seria o último livro do escritor português, mas ainda bem que nao e vai ser lançado no próximo mês de outubro “Caim”, um livro contra Deus e as escrituras: Veja o vídeo oficial da apresentaçao da obra: E nesse outro ele  fala do novo livro: Saramago escreveu um post de despedida no seu Blog “O caderno de Saramago”: Diz o refrão que não há bem que sempre dure nem mal que ature, o que vem assentar como uma luva no trabalho de escrita que acaba aqui e em quem o fez. … Continuar lendo Novo livro do Saramago: “Caim”

Lô Borges, atemporal

Esses meninos mineiros e suas músicas maravilhosas. A geraçao Clube da Esquina (leia- se entre outros Milton Nascimento, Flávio Venturini e Beto Guedes)  levou poesia em forma de música para todo o Brasil,  mostrando desde a década de 70, que a música pode ser refinada, poética, metafórica, de bom gosto e cair no gosto popular. Lô Borges (o Salomao Borges Filho) com 35 anos de carreira, mais letra que voz, uma estrela da MPB mostrou- nos seu Universo Paralelo “que tudo pode virar cançao na curva de um rio”. E assim, “lá se vai mais um dia” com encanto e … Continuar lendo Lô Borges, atemporal

O melhor professor de língua portuguesa do mundo

Caetano Veloso. Dá uma olhada no blog dele, “Obra em processo“, uma alusão muito acertada ao lema da bandeira do Brasil: “Ordem e progresso”. “Enquanto os homens exercem seus podres poderes”; Caetano nos vai deixando obras- primas em forma de letras de música, “Trem das cores”: Só quem tem um conhecimento profundo da língua é que pode escrever preciosidades assim (alguma exceçao é pura casualidade). Continuar lendo O melhor professor de língua portuguesa do mundo

Música dos 80 (Brasil)

Eu continuo gostando de coisas que gostava quando tinha 12, 14 anos. Incrível como existem coisas que sao inexoráveis. Continuo gostando do rock brasileiro dos 80. Graças ao Youtube, posso rever e ouvir cantores e músicas que provavelmente nunca mais veria. Algumas bandas nao foram tao duradouras, algumas já acabaram, mas a obra fica: “Pros que estao em casa”, da banda Hojerizah: “Quadrinhos”, Picassos falsos: Continuar lendo Música dos 80 (Brasil)

Centenário da morte de Machado de Assis

Esse ano completa cem anos da morte de um dos escritores mais consagrados da língua portuguesa: Joaquim Maria Machado de Assis é um escritor brasileiro (21/06/1839, Rio de Janeiro- 29/09/1908, Rio de Janeiro). Era gago, sofria ataques epiléticos, com uma saúde frágil e de uma família humilde, filho de um descendente de africanos e de uma portuguesa, conseguiu transformar- se num profundo conhecedor da língua portuguesa de uma maneira autodidata, pois frequentou apenas o curso primário. Gostava de aprender e se empenhava nisso: aprendeu francês com uma senhora francesa dona de uma padaria e tinha o apoio da madrinha “D. … Continuar lendo Centenário da morte de Machado de Assis

Qual a trilha sonora da sua vida?

Eu tive várias que me acompanharam durante as diferentes fases da minha vida: Da infância eu lembro de muitas músicas, em especial uma que o pai de um dos meus melhores amigos tocava no violão: “No woman no cry”, Bob Marley. No woman no cry. Eu adoro Bob Marley, adoro mesmo. Sempre ouvi, sempre gostei. Esteve presente em todas as fases da minha vida, lembro do Morro do São Paulo, da praia do Conde, Itacaré, São Paulo…O Bob é tudo de bom! Aos 13: Careless Whisper, George Michael, início de adolescência em São Paulo, época inesquecível com as minhas amigas … Continuar lendo Qual a trilha sonora da sua vida?

Amor de índio

Eu acho muito bonita essa música, “Amor de índio”, do Beto Guedes. Há vários intérpretes da cançao: Maria Bethania, Ana Carolina, Djavan, Milton Nascimento e uma das versoes que eu mais gosto é a do Djavan e Beto Guedes cantando juntos, mas como nao achei, deixo o vídeo do Milton cantando “Amor de índio”: Eu acho todos os versos lindos: Amor de Índio (Beto Guedes) Tudo que move é sagrado e remove as montanhas com todo cuidado, meu amor enquanto a chama arder todo dia te ver passar Tudo viver ao seu lado com o arco da promessa no azul … Continuar lendo Amor de índio

Paulo Coelho, 20 anos de “O alquimista”

Paulo Coelho é um escritor brasileiro, nascido no Rio de Janeiro em 1947, casado com Christina Oiticica, vive num pequeno povoado perto dos Pirineus franceses, num moinho antigo e reformado para virar uma residência. Antes de escrever livros, ele dedicava- … Continuar lendo Paulo Coelho, 20 anos de “O alquimista”

Com quê sonhas?

“Lágrima”, Dulce Pontes: Lágrima Cheia de penas Cheia de penas me deito E com mais penas Com mais penas me levanto No meu peito Já me ficou no meu peito Este jeito O jeito de querer tanto Desespero Tenho por meu desespero Dentro de mim Dentro de mim o castigo Eu não te quero Eu digo que não te quero E de noite De noite sonho contigo Se considero Que um dia hei-de morrer No desespero Que tenho de te não ver Estendo o meu xaile Estendo o meu xaile no chão estando o meu xaile E deixo-me adormecer Se … Continuar lendo Com quê sonhas?