Resenha: “A cidade Sitiada”, de Clarice Lispector

Perder- se também é caminho (p.138) Na minha conversa diária com os escritores através de suas vivas literaturas, é onde encontro respostas para as minhas diversas inquietações. Há mais diálogo produtivo e interessante com os mortos, do que com os vivos. Estado de sítio, segundo a Constituição do Brasil: Art. 137 – O Presidente daContinuar lendo “Resenha: “A cidade Sitiada”, de Clarice Lispector”

Resenha: “A casa da paixão”, de Nélida Piñón

Eu me sacrificarei ao sol. Meu corpo está impregnado de musgos, ervas antigas, fizeram mazelas e chá do meu suor, todos da minha casa. (p. 49) Esse é um trabalho fino de escritura. A obra “A casa da paixão” fala sobre sexualidade e erotismo, mas contada figurativamente (longe da pornografia) e até um certo hermetismo, umContinuar lendo “Resenha: “A casa da paixão”, de Nélida Piñón”