Uma das bibliotecas mais antigas (e lindas!) do mundo


No último sábado (02/12), visitei uma das bibliotecas mais impressionantes do mundo: a Real Biblioteca. Ela fica na cidade de El Escorial e pertence à comunidade de Madri, Espanha. A biblioteca (1584) fica  num complexo de edifícios: há um monastério, uma catedral, o palacete dos Borbóns, e no subterrâneo, há várias salas onde estão sepultados todas as gerações da família real espanhola. Quem criou a biblioteca foi o rei Felipe II. Ele comprou os primeiros livros, um lote com 42 volumes e foi adquirindo raridades pouco a pouco.

A foto abaixo é do Salão Principal, Salão de Impressos (porque estão guardados livros impressos antigos) ou Salão dos Frescos (por causa do teto), pintado por Pellegrino Tibaldi e seus colaboradores.

biblio_edited

A Real Biblioteca, que fica na cidade espanhola “El Escorial”. (Foto: Fernanda Sampaio)

Há tesouros da humanidade guardados nesse biblioteca. Livros raríssimos, únicos, como “O batismo”, um manuscrito de Santo Agostinho ou “Evangelhos gregos” de São João Crisóstomo ou o “Códice áureo” escrito com letras de ouro.

As cinquenta e quatro estantes de madeira foram feitas pelo italiano Giuseppe Freccia e estão organizadas por tema e tamanho.

biblio6

Estantes de madeira (Foto: Fernanda Sampaio)

Uma das peças mais interessantes do salão é uma esfera que que representa o sistema solar, segundo Ptolomeu, e era usada para estudar o sistema solar.

escorial2

O globo de Ptolomeu. (Foto: site da Real Biblioteca)

A biblioteca, como todo o “Sitio Real de San Lorenzo del Escorial” pertence ao governo da Espanha.

biblio3

Uma das vistas da biblioteca com o retrato do rei. (Foto: Fernanda Sampaio)

Essa é uma das vistas do interior do monastério:

IMG_3707 (2)

Monastério onde fica a Real Biblioteca, uma das mais belas e antigas do mundo. Nesse momento caía neve. (Foto: Fernanda Sampaio)

E por último, a fachada exterior principal:

24294449_899714950184066_8540329145852633695_n

Fachada principal (foto: Fernanda Sampaio)

Parte do acervo está digitalizado, você pode consultar aqui.

Anúncios

Os sapatos de lã


Ontem eu peguei a linha 146 de ônibus.  Na minha rua passa de seis em seis minutos e nos deixa no centro. Há restrições de tráfego de carros por causa da poluição e muita dificuldade para estacionar. Transporte público em Madri é uma excelente (e confortável!) escolha. Desci na Praça de Cibele (“Plaza de Cibeles”, em espanhol), a que leva o nome de uma deusa grega, a mãe da Terra. Nessa praça também fica o edifício mais bonito de Madri, funciona nele a prefeitura, é o antigo prédio dos Correios.

Decidi ir caminhando até o Museu Rainha Sofia, apesar do frio polar que anda fazendo esses dias na cidade. Gosto de andar no frio, além do mais, o trajeto é agradável, um quilômetro cruzando o Passeio do Prado. Passei pelo Museu do Prado, o Museu Thyssen, também o da “La Caixa”, dá para ver também o belo edifício da Real Academia de Letras e ainda o Real Jardim Botânico. Tudo muito monárquico por aqui, vocês sabem.

Na altura do Palace Hotel, vi uma mulher pedindo esmola com um copo descartável na mão. Uma cigana romena, dessas típicas com traje negro e lenço na cabeça. Ela era idosa e baixinha, encurvada, o rosto como um leque de rugas bem marcadas. Calculei que tivesse oitenta e cinco para cima. Mas, o que me chamou a atenção não foi o seu rosto: foram os seus pés descalços e inchados. Passei pela mulher (eu não tinha moedas), segui meu caminho, mas aquela imagem ficou martelando na minha cabeça.

Sim, eu sei que gente como ela é pedinte profissional. Normalmente, eles chegam em grupos, trazidos por máfias para fazer esse “trabalho”.  Dormem na rua, comem muito mal, é uma exploração desumana e criminosa. Mas…e a idosa e seus pés descalços nesse frio congelante?! “Como ela está aguentando?!”, pensei.

No Passeio do Prado não há muitas lojas, algumas de souvenires, poucos restaurantes, mas encontrei uma única loja de sapatos. Alpargatas, para ser mais precisa. Havia um par de alpargatas confeccionadas em lã, fechadas e quentinhas. Ao mesmo tempo, maleáveis, assim entrariam e ficariam confortáveis nos seus pés inchados.

Escolhi uma colorida e alegre, pensei que ficariam bonitas nos pés da senhora, até imaginei ela arriscando uns passos da “manele”, uma dança cigana.

24176672_899924460163115_3386350079028324036_n

A loja de alpargatas no Paseo del Prado.

24232169_899924493496445_3448008369307631159_n

O sapato de lã colorido estava nesse balaio da esquerda, o mais quentinho que achei. Não é o da imagem do post, o real eu esqueci de fotografar.

Que boba eu sou. Levei os sapatos dentro da sacola da loja. Cheguei perto da senhora, sabia que ela não entenderia muito bem o espanhol, e disse: “Calce os sapatos, senão a senhora pode ficar doente com esse frio”. Ela abriu a sacola, olhou, fechou e gritou uma espécie de ladainha decorada: “dinheiro, comida, comida, fome!”.

Saí um pouco desiludida com o descaso da mulher com os sapatos de lã. Na volta, três horas mais tarde, passei pelo mesmo lugar, ela não estava mais.

Já em casa, meu marido me disse que é uma tática muito comum dos ciganos romenos, isso de andarem descalços no inverno para provocarem mais compaixão, e assim, ganharem mais moedas. Pensei até que a mulher poderia ter vendido os sapatos.

Mas, vejam… hoje passamos de carro em frente ao Palace. Gritei, surpresa: “Toni, ela está com os sapatos de lã!”. Lá estava a senhora em frente ao restaurante Vip´s com seus sapatos coloridos novos. “Eu disse que eram confortáveis!”

Nós dois… vocês também? Temos a mania de sacramentar as nossas verdades e de prejulgar. Somos cheios de preconceitos. Olhamos o outro como se fosse um pacote fechado, sujeito construído, segundo nossas crenças. Tivemos que refletir e repensar: e se ela não for cigana, não for romena (pode ser russa, croata, eslovaca, etc), e se não for explorada por uma máfia…for só uma mulher idosa, doente, sozinha, uma viúva sem filhos, sem parentes, sem amigos e que não teve muita sorte na vida?! Quem sabe a história dela? Eu perguntei? Não! Quem pergunta? Mas vejam, já “achei” de novo, já inventei uma nova história para a mulher.

Prefiro sempre acreditar nas pessoas, mesmo que me enganem mil vezes.

Há muitos moradores de rua em Madri. Dormem em marquises, em parques, em caixas eletrônicos, em bancos nas ruas. O frio está rigoroso.  Esse é um problema crônico e doído. A maioria é imigrante, aí sim, não é prejulgamento.  Penso sempre neles, essa gente que vem de longe com um sonho…

A felicidade pode ser simples: às vezes, custa só 9,90.