Resenha: 24 horas na vida de uma mulher”, de Stefan Zweig

Essa é a primeira obra que li de Stefan Zweig (1881- 1942), escritor austríaco, que faleceu em Petrópolis (Rio de Janeiro) junto à esposa Lotte. O casal judeu cometeu suicídio motivado pela guerra (Holocausto) que acontecia na Europa. A obra agradou- me muito, recomendo! Veja a carta  de despedida que o autor deixou: DECLARAÇÃO AntesContinuar lendo “Resenha: 24 horas na vida de uma mulher”, de Stefan Zweig”

Resenha: “Boa noite a todos”, de Edney Silvestre

Em “Boa noite a todos” (2014), o escritor, apresentador e jornalista Edney Silvestre (Valença, Rio de Janeiro, 27/04/1950) conseguiu encontrar um ponto de intersecção importante, onde todos somos iguais, sujeitos despidos de vestes (literalmente), convenções, dinheiro e poder. Nada material importa. O autor resgatou o Humanismo, colocou o ser humano sozinho no palco, na sua essência original,Continuar lendo “Resenha: “Boa noite a todos”, de Edney Silvestre”

“Uma vida filosófica”, Gilles Deleuze- PDF grátis

O filósofo francês Gilles Deleuze morreu o passado sábado em Paris, vítima de lesões causadas ao atirar- se da janela de seu apartamento na Avenida de Niel. Aposentado desde 1987 e professor emérito, Deleuze tinha 70 anos e há tempos sofria de uma grave insuficiência respiratória. Com ele desaparecem um dos mais importantes filósofos franceses desteContinuar lendo ““Uma vida filosófica”, Gilles Deleuze- PDF grátis”

PDF grátis: Florbela Espanca

Florbela Espanca, poetisa portuguesa, nasceu e morreu no mesmo dia 8 de dezembro (Vila Viçosa, 1894- Matosinhos, 1930). Seu nome de batismo: Flor Bela Lobo, filha de Antonia da Conceição Lobo e pai desconhecido. Sofria de neurastenia, casou duas vezes e divorciou- se duas vezes. Perdeu a mãe que sofria de neurose e perdeu também oContinuar lendo “PDF grátis: Florbela Espanca”

Resenha: Uma criatura dócil, Fiódor Dostoiévski

…Enquanto ela estiver aqui, tudo vai bem: a cada instante chego perto para vê- la, mas que será de mim quando a levem amanhã e eu fique sozinho? (p. 15) Esse livro começa com uma nota do próprio Dostoievski explicando um pouco sobre o gênero do relato, que ele classifica de “fantástico”, mas com umContinuar lendo “Resenha: Uma criatura dócil, Fiódor Dostoiévski”

Veronika decide morrer, Paulo Coelho

Paulo Coelho não pode ser considerado um escritor canônico, pois a linguagem utilizada em seus livros é simples, coloquial demais, carece de tropos, linguagem mais elaborada, mas os temas que aborda são sempre interessantes, tocam na alma das pessoas e isso acaba superando a falta de ingênio literário; assim acontece com “Verônica decide morrer”. AContinuar lendo “Veronika decide morrer, Paulo Coelho”