Mude de ideia


“Idéia” ou “ideia”?

No Brasil, a grafia pedia o acento agudo, mas ele caiu com a última reforma ortográfica que entrou em vigor em janeiro de 2009.

A regra é simples:

Não se usará mais acento agudo nos ditongos abertos “ei” e “oi” de palavras paroxítonas, como “assembléia”, “idéia”, “heróica” e “jibóia”.

Portanto, mude de ideia.

Anúncios

Reforma Ortográfica no Brasil


O objetivo* do Acordo Ortográfico que entrou em vigor no Brasil em janeiro desse ano, é padronizar a língua.

Na prática, isso é possível? Oralmente, impossível. Ortograficamente, mais ou menos, o que acaba ficando tudo na mesma, porque se duas formas gráficas sao aceitas(BR)/aceites(PT), entao o que muda na prática afinal?Alguns poucos acentos e muito dinheiro gasto com as novas ediçoes corrigidas.

Perguntei  recentemente à uma amiga professora de português no Brasil como andava a nova ortografia na sua sala de aula. E ela me respondeu: “Que nova ortografia?!” Choque. Quase 9 meses que o Acordo está em vigor e essa professora continua com a “velha” ortografia. Pior, nem sabia da existência da nova…

E Portugal será ainda mais resistente às mudanças. Os países europeus sao mais conservadores que os americanos em relaçao aos seus idiomas. Vai hacer resistência. Vamos ver o que acontece quando o Acordo começar em janeiro de 2010  (segundo o Ministro da Educaçao) em terras lusas. Isto é, se isso chegar a acontecer. Em Lisboa nem se toca nesse assunto, como se nao existisse.

*Nunca se sabe se é isso mesmo ou se é algo que fica oculto para a populaçao, algum outro tipo de interesse, como o financeiro, que nos tempos atuais é o que move o mundo.

Saramago no Brasil e a reforma ortográfica


José Saramago vai estar no Teatro Folha em São Paulo, na próxima sexta- feira, para uma entrevista (entradas esgotadas). Ele é defensor da nova reforma ortográfica da língua portuguesa, acredita que a diversidade enriquece o idioma. (Folha)

Acredito que muitos literatos portugueses, a exceção de Saramago, estão mais em desacordo com a nova ortografia do português que os brasileiros. Muita gente está arraigada na tradição e custa mais se adaptarem à demanda dos novos tempos, também por uma questão prática, pois custa aprender as novas regras; outros são mais flexíveis e acreditam que as mudanças são boas e que serão facilmente absorvidas. Abaixo alguns links com opiniões favoráveis e outras em contra à nova ortografia do português:

“O indivíduo”, acha que a reforma é “tecnogracia lingüistica”.

Escritores portugueses, africanos e brasileiros emitem suas opiniões.