Resenha: “O cérebro e a linguagem”, de Benjamin Bergen


O estudioso americano Benjamin K. Bergen é especialista em linguística e ciência cognitiva. Fez um doutorado na Universidade da Califórnia, onde é professor e diretor do laboratório de Linguagem e Cognição (segundo a biografia nesta obra, 2013).

Benjamin Berger

Veja um vídeo do pesquisador abordando uma questão curiosa: por que há palavras consideradas profanas em certas culturas? Por que há palavras ofensivas, tabus, no mundo “civilizado”? Ele fala sobre seu livro “What the F: What Swearing Reveals About Our Language, Our Brains, and Ourselves”, sobre como os palavrões revelam sobre a nossa linguagem, nosso cérebro e sobre nós mesmos (em inglês): https://youtu.be/rQws2yRfJ7c

Em “O cérebro e a linguagem- Das palavras aos feitos” (“El cerebro y el lenguaje- De las palabras a los hechos”, minha edição), Bergen escreveu onze capítulos sobre como o leitor compreende a linguagem. Ele vai analisando o processo leitor minuciosamente e com exemplos.

Ler é algo complexo, exige muito da nossa cognição, que é a faculdade de processar informações e transformá- las em conhecimento.

Esta obra é fruto de dez anos de investigação que resultou num trabalho interdisciplinar entre a linguística, a psicologia e a neurociência. A pergunta- chave é: quais são os mecanismos, o processo, que a mente cria significados a partir das palavras? Como a gramática nos molda a percepção?

O autor fez vários experimentos e vai nos contando de forma amena, não é um livro pesado, no entanto, creio que é um livro mais interessante para os especialistas das áreas implicadas: a turma de Letras, da Psicologia, Pedagogia e Neurociências.

Bergen comenta situações do cotidiano em que nosso cérebro fica prejudicado, como o uso do telefone celular ao volante. O estado que a pessoa fica é comparável ao uso do entorpecentes, alienada.

Quando mastigamos um chiclete e andamos, o nosso cérebro fica diferente? Fazer duas coisas ao mesmo tempo prejudica a atenção?

O autor comenta sobre coisas interessantes: como o estado mental influi nas ações motoras e também sobre a nossa enorme capacidade para o pensamento abstrato, tanto para o bem quanto para o mal, pode construir e destruir grandes coisas. Imaginar, sonhar e depois realizar, executar, é um feito cotidiano, mas espetacular e muito complexo mentalmente falando.

Você pode comprar este livro em espanhol igual ao meu exemplar clicando aqui .

A imaginação é útil e iluminadora. Mas ao mesmo tempo é uma capacidade cognitiva muito especializada. É intencional; se queremos, podemos ativá- la nós mesmos. É consciente, diferente da maior parte do que faz o nosso cérebro. ( p.66/67)

Anúncios

Qual o futuro da nossa mente?


O cérebro é ainda o grande desconhecido da Ciência, que busca entendê- lo, melhorá- lo e fortalecê- lo. O livro do nipo- americano Michio Kaku, em uma linguagem bastante acessível, com muitas referências literárias e histórias interessantes, repassa as descobertas científicas na obra “O futuro da nossa mente” (minha edição é uma espanhola no final do post). Ele percorre a história das descobertas científicas no campo neurológico com exemplos variados e curiosos.

Os apaixonados e os loucos têm os cérebros em ebulição…

O lunático, o amante e o poeta

vivem todos dominados pela sua imaginação.

(William Shakespeare, “O sonho de uma noite de verão”)

A obra é dividida em três partes: “A mente e a consciência”, “A mente sobre e matéria” e “Consciências alteradas”:

O que é a consciência? A consciência pode ser vista por um físico? Sim, pode, apesar de parecer algo místico, coisa “da alma” ou a própria “alma”. A consciência é feita de matéria, é consequência da sua “anatomia e fisiologia, e de nada mais”. Isto dito por Carl Sagan. Falando nele, anote este nome, foi uma personalidade e cientista interessantíssimo.

Sabe uma expressão popular utilizada principalmente no Nordeste? “Tá broca (ou “broco”) ?!, quando a pessoa quer falar algo e esquece? Pois, os nordestinos não estão enganados com a expressão. Existe um problema cerebral que acontece perto da orelha esquerda, que foi descoberto pelo doutor francês Pierre Paul Broca, a “afasia de Broca” (p.36), que afeta a fala, daí a sábia expressão popular.

O doutor Wilder Penfield descobriu as conexões elétricas entre o cérebro e corpo. Começou a operar pessoas com epilepsia para ajudá- las a livrarem- se das esgotadoras convulsões que podiam ser fatais. Quando o caso era muito grave, ele abria o crâneo e deixava o cérebro descoberto. A cirurgia era sem anestesia geral, só uma local, porque não havia sensores de dor. A pessoa permanecia consciente e ele podia ir descobrindo quais áreas do cérebro conectavam com o corpo. Inclusive, algumas áreas estimulavam memórias esquecidas. Estas descobertas foram uma revolução entre a comunidade científica em 1951. O doutor criou o mapa do córtex motor, que mostra as áreas do cérebro que controlam as diferentes partes do corpo (p.39):

O primeiro encefalograma foi utilizado em 1929. Depois vieram os escâneres de tomografia e o TES: o escâner eletromagnético transcraneal. Também há uma forma de ver o cérebro transparente, a optogenética.

O autor faz uma analogia do cérebro como se fosse uma grande empresa com muita burocracia, autoridades, com enorme fluxo de informação canalizado em diferentes escritórios, mas a informação importante vai para o CEO e é “ele”, que toma as decisões finais. Mas ele não tem consciência das informações que chegam nos outros departamentos. Complicado, não? Parece que o cérebro é um órgão com vários órgãos nele mesmo. E é isso mesmo. As imagens de escâner do cérebro mostram que o órgão não é uma unidade.

Kaku fala das emoções e da razão. As primeiras são imediatas, é como se acendesse uma luz vermelha e acontecessem num nível mais superficial. A razão acontece mais lenta e num nível mais profundo. “Temos pouco controle consciente sobre as emoções” (p.61). Por isso, não diga a alguém que está nervoso para ficar calmo, porque provavelmente vai acontecer o contrário e muito menos peça a um apaixonado que o deixe de estar, porque é impossível.

Sentimento é diferente de emoção. O cientista cita a autora Rita Carter (“O novo mapa do cérebro”):

As emoções não são em absoluto sentimentos, senão um conjunto de mecanismos de sobrevivência arraigados no corpo que desenvolvemos para manter- nos longe de perigos e para nos impulsionar a fazer coisas que podem ser benéficas.

O medo exagerado paralisa. Quando isto acontecer, respira fundo e tenta raciocinar: “O que está me provocando pânico pode me machucar realmente?”.

O cérebro produz energia equivalente a uma lâmpada de baixa intensidade. Tem a temperatura certa para não queimar os tecidos. Os cientistas podem descrever vários desses processos, mas não podem explicar como acontecem.

Quase tudo que a gente vê na realidade é uma imagem distorcida, irreal. O cérebro corrige imprecisões. Incrível, não?! O mundo seria muito pior se não fosse o cérebro em modo Photoshop.

Com a força do cérebro é possível mover objetos, é a telecinésia. E não é ficção científica.

Um cientista, em 1960 na Espanha, controlou um touro bravo, desembestado, apertando só um botão. O bicho freou, travou, na sua frente. José Rodriguez Salgado havia implantado uns elétrodos no cérebro do animal e conseguiu mudar a sua hierarquia cerebral modificando seus movimentos. Este cientista passou dos limites: começou a usar animais como marionetes vivas.

O autor conta diversas histórias interessantíssimas sobre o controle mental na CIA, com uso de drogas, na Guerra Fria…

Na Idade Média, as pessoas esquizofrênicas eram consideradas possuídas pelo demônio. Imagina o que faziam com elas…pobres doentes que ouviam vozes e tinham pensamentos desorganizados. O autor ainda fala das obsessões, do TOC, das alucinações, transtorno bipolar e das doenças mentais de uma forma geral. E o papel da genética em alguns casos.

Kaku comenta sobre a inteligência artificial: computadores, robôs…veja como as emoções são mais impostantes do que a maioria pensa, pois elas nos ajudam a tomar decisões, a fazer juizos de valores, as emoções são imprescindíveis, segundo o cientista:

Os pesquisadores de inteligência artificial começaram a perceber que as emoções podem ser a chave para a consciência. (p.301)

Há um capítulo dedicado à “mente extraterrestre” e sobre o pensamento dos animais. Os animais pensam?

Kaku, Micho, El futuro de nuestra mente. Debate, 2014.

Terminei esta obra fascinada. Só dei pinceladas, porque é uma obra extensa, consta de 479 páginas, uma melhor que a outra.

Às vezes procuramos respostas no exterior, mas está tudo aqui dentro, no nosso cérebro, que é uma obra- prima incompreendida, sem dúvida. Mas eles, os cientistas, e nós, empiricamente, vamos tentando. Recomendadíssimo!

Você pode comprar este livro clicando AQUI (link afiliado)

“Conhecer- se a si mesmo é o princípio da sabedoria.” (Sócrates)

A cultura dos macacos


Quanto mais eu vejo os resultados do que fizeram conosco, mais acho necessária a literatura, que descortina e faz pensar.

Digo “eles”, esses poucos que detém o grande volume de dinheiro e que manipulam “a massa” como bem entendem. “Massa” é uma expressão detestável. Massa não tem forma, é homogênea, sem vontade, sem importância, inanimada, tal como o poder pensa mesmo da sociedade. Massa serve para ser moldada. Nós temos que ter consciência de que somos parte desse processo “invisível”, cruel e imperceptível para uma grande parte da população mundial.

Li recentemente um livro sobre gestão de conhecimento de um cubano radicado nos Estados Unidos, um manual de como os empresários devem proceder para ter êxito no uso e organização do Conhecimento. Até isso (ou principalmente) os capitalistas selvagens conseguiram colocar preço. Eles decidem que tipo de Conhecimento interessa  e o que não. Mas veja: muitos usam a Filosofia para sustentar suas teorias, até o capital precisa das Ciências Humanas muitas vezes ridicularizadas e desvalorizadas por eles mesmos.

52816645_1206677996154425_197931987288195072_n

Empresários em suas escolas de negócios caríssimas, exclusivas para poucos, são programados para a desumanização. Pessoas são números ou siglas,  e são utilizadas para gerar  lucros. “Útil” é a palavra essencial. Um clássico. Desumanizam- se para que nada atrapalhe a sua escalada profissional. Se a mãe ligar: ignore; se o filho cair doente, outra pessoa deve resolver esse “percalço”. Responder amigos? Nem pensar. A história do “time is money” é levada a sério. Você pensa que o mundo é como é, tão violento e desigual, por acaso? Não, isso é trabalhado diariamente.

Este é um assunto complexo. Eu só vim para acender uma faísca, comece a pesquisar sobre o assunto: como o Conhecimento é gerido pelo poder.

Vou deixar um texto retirado deste mesmo livro e que ensina o valor do (mau) hábito. O autor foca como algo negativo, mas no sentido de que tal comportamento empresarial pode barrar a criatividade. Mas eu observei sobre outro ângulo: o do empregado e da passividade da população diante das injustiças. É um texto que serve para a vida de um modo geral:

“Um grupo de cientistas colocou cinco chimpanzés em uma jaula e no centro foi colocada uma escada e, sobre esta, uma penca de bananas.

Quando pela primeira vez um chimpanzé subiu a escada para pegar as bananas, os cientistas jogaram um jorro de água gelada sobre os macacos que ficaram no chão.

Passado algum tempo, quando um chimpanzé subia as escadas, os outros bateram nele.

Depois, nenhum macaco tentou mais subir a escada, apesar da tentação das bananas. Então, os cientistas substituíram um dos macacos.

A primeira coisa que o novo chimpanzé fez foi subir a escada, mas foi rapidamente retirado na base de murros pelos outros.

Depois de mais algumas porradas, o novo macaco não tentou subir mais as escadas.

Um segundo macaco foi substituído e ocorreu a mesma coisa. O primeiro macaco substituído participou com entusiasmo da surra ao novato.

Um terceiro chimpanzé foi substituído e os fatos se repetiram.

Os cientistas chegaram a ter cinco chimpanzés que, ainda que nunca receberam o jato de água fria, continuaram batendo em quem tentasse pegar as bananas. No final, nenhum macaco daquele grupo tentou comer as bananas.

Se fosse possível perguntar aos macacos o porquê de baterem em quem tentasse subir a escada, certamente a resposta seria:

Não sei! Aqui as coisas sempre foram assim!”

Esses macaquinhos fazem coisas mecânicas, repetitivas sem saber o motivo,  porque foram manipulados a fazer isso.

Não seja como esses macacos em nenhuma circunstância da sua vida, porque é perder- se de si mesmo, é não ter personalidade, isso sim é não ser ninguém.

Se te jogarem um balde de água fria para evitar que você suba em algum lugar, não desista, procure outro caminho, não se deixe intimidar. Eles são experts em bloquear o caminho dos macacos ou moldá- los de acordo às suas necessidades, por isso eles têm o poder. Macaco amestrado não pensa e obedece.

Sim, nós podemos fazer diferente e nadar contra a corrente.

 

Quarenta (e um) passos para ser bastante infeliz


Existe muito livro de auto- ajuda e textos pela Internet dando lições sobre como ser feliz. Coisa que eu acho impossível, já que as pessoas são felizes (ou infelizes) de formas muito diferentes. Mas, sobre como ser infeliz ninguém fala. É tão óbvio como cavar a própria infelicidade, mas passa por alto. Hoje estava pensando nas coisas cotidianas que podem tornar as pessoas bastante infelizes sem perceberem; às vezes, entram por caminhos sinuosos e inecessários, apenas com pensamentos recorrentes, ações diárias e a percepção que têm sobre os demais. Eu comecei a escrever e saiu quarenta (e um) itens que devemos evitar a todo custo. Caramba, parece auto- ajuda, mas lá vai:

  1. Pense em todos, menos em você.
  2. Pense só em você, esqueça os demais.
  3. Mantenha relacionamentos que não deseja.
  4. Coloque doses diárias de pessimismo em tudo o que fizer.
  5. Conforme- se, não faça nada, fique parado assistindo TV ou Netflix.
  6. Escute todo mundo, menos o seu coração.
  7. Pense em futilidades e não cultive o seu mundo interior.
  8. Acredite em tudo o que os outros falam.
  9. Trabalhe em algo que detesta.
  10. Não trabalhe ou estude, não faça nada produtivo e que possa te sustentar no presente ou futuro.
  11. Tenha muito medo de errar.
  12. Tenha medos infundados e deixe que te dominem.
  13. Crucifique- se por suas falhas.
  14. Não aprenda nada novo.
  15. Viva no passado.
  16. Culpe os outros por tudo.
  17. Espere que outros façam tudo por você.
  18. Não assuma os seus erros.
  19. Seja invejoso.
  20. Nunca cante e dance.
  21. Viva isolado, seja bastante antissocial.
  22. Não viaje, não conheça outras culturas.
  23. Seja racista e preconceituoso.
  24. Coma muito e de tudo sem se preocupar com amanhã.
  25. Nunca faça revisões médicas.
  26. Viva na sujeira e desordem.
  27. Tenha muitos pensamentos derrotistas.
  28. Olhe a todos como se fossem inimigos.
  29. Seja desconfiado sempre.
  30. Dê muitas facadas pelas costas (cuidado, no sentido figurado!) e cuspa no prato que comeu.
  31. Economize sorrisos. Gargalhadas nem pensar.
  32. Seja perfeccionista e não tolere erros próprios e alheios.
  33. Cobranças são algo que incomodam bastante. Então, incomode muito a sua família, marido, esposa, mãe, pai, irmãos, filhos, com elas.
  34. Não tenha empatia nem solidariedade pela dor alheia, quanto mais frio, melhor.
  35. Julgue muito e, na dúvida, sempre condene.
  36. Nunca beije, muito menos abrace.
  37. Corra dos problemas alheios, vai que precisam de sua ajuda.
  38. Finja muito, nunca seja verdadeiro, nunca diga a verdade.
  39. O ódio é algo a ser cultivado, quanto mais odiar, mais infeliz será.
  40. Sempre queira algo em troca por tudo que fizer.
  41. Essa vai de lambuja: mande bastante indiretas no Facebook, nunca fale abertamente sobre o que te incomoda.

Se você conhecer alguém que se encaixa em dez itens pelo menos…xiiii….compartilha!

 

 

 

O rosto é o espelho da alma?


Há algumas teorias históricas que dizem que sim, que o rosto não só é o “espelho da alma”, como também pode medir a inteligência da pessoa. Uma dessas teorias, espécie de pseudociência, era chamada de “fisiognomia”, definida dessa forma*: “ciência auxiliar da psicologia que pretende determinar o caráter do indivíduo através das feições do seu rosto.

Essa teoria (falida hoje em dia) dizia das sobrancelhas, por exemplo: “as sobrancelhas espessas são símbolo de sabedoria, de força, de ânimo, de critério e talento”.

Na Antiguidade, acreditava- se que o rosto era reflexo da alma e um dos grandes difusores desse pensamento foi um italiano chamado Giambattista Della Porta. Ele era físico e parece que a ele é atribuída a descoberta do telescópio.

Segundo a fisiognomia, podia- se adivinhar o caráter das pessoas e qualidade ética comparando suas particularidades físicas com as de animais.

Mais adiante, um sujeito chamado Franz Joseph Gall, médico alemão nascido em 1758 e falecido em 1828, observou que os mais brilhantes colegas da universidade tinham os olhos esbugalhados (devia ser hipertiroidismo…hahaha). O médico, que era neurologista, achava que pelo tamanho do cérebro e o formato da cabeça era possível descobrir a capacidade intelectual do sujeito, a “frenologia”. Gall foi uma celebridade na sua época. Viajou bastante dando conferências.

Um aluno de Gall ampliou essa teoria  à área da criminologia e a polícia o levou a sério. Segundo Johann Cristoph Spurzheim, era possível saber se alguém era criminoso pela feição do seu rosto.

Outro italiano seguiu essa linha, Cesare Lombroso (1835- 1909). Ele afirmou que era possível descobrir quais eram as características dos criminosos. Ele usou a teoria da evolução de  Darwin e comparou homens e animais. Disse que os assassinos e roedores têm um afundamento da fossa occipital que faz com que o homem regresse à “animalidade”. O cientista concluiu que o comportamento criminoso não é consequência do mundo exterior e sim uma predisposição natural (por evolução) de alguns sujeitos, ou seja, que ser criminoso é característica inata de alguns seres humanos.

Lombroso estudou durante dez anos essa teoria. Juízes utilizaram seu trabalho com fim de avaliar sentenças duvidosas.

A antropologia física é estudada até hoje com objetivo de saber a história da evolução do homem. Os antropólogos tentam reconstruir o curso da evolução humana, mas não só: procuram estudar os processos biológicos e sociais e seus efeitos sobre os seres humanos.

A aparência, portanto, não é uma questão menor. Ainda existe entre nós, no inconsciente coletivo, muito da teoria dos nossos antepassados. Até bem pouco tempo pedia- se pessoas com “boa aparência” nos anúncios de emprego. E parece que persiste o estereótipo de pessoas com “cara de bandido”. Em países violentos, há pessoas que atravessam a rua quando, em sua direção, surge alguém com “aparência ameaçadora”. As pessoas sim são julgadas pela aparência.

Mas…as aparências enganam, não é?

* Gravura e informações retiradas do livro “Como medir o QI”, de Maria Díaz- Alonzo.

 

 

Resenha: “Em busca do tempo perdido- No caminho de Swann”, Marcel Proust


(…) Mas, quando nada subsiste de um passado antigo, após a morte dos seres, após a destruição das coisas, apenas o cheiro e o sabor, mais frágeis mas vivazes, mais imateriais, mais persistentes, mais fiéis, permanecem ainda por muito tempo, como almas, a fazer- se lembrados, à espera sobre a ruína de tudo o resto*, a carregar sem vacilações sobre a sua gotinha quase impalpável o edifício imenso da memória. (p.57)

O francês Marcel Proust (Auteuil10/07/1871 – Paris18/09/1922) era filho do médico Adrien Proust, professor e inspetor de saúde. Adrien tentava ensinar os métodos de higiene naquele tempo, que não eram habituais nem conhecidos. Apesar do pai ser médico patologista, epidemiologista e higienista, isso não o ajudou muito, pois vivia doente, saúde frágil, justamente na área em que seu pai escreveu uma tese: o sistema respiratório. Proust morreu por causa de problemas pulmonares. Ironias da vida. Pela posição privilegiada do seu pai, Proust nunca teve problemas econômicos e sempre circulou pela alta sociedade de Paris (tal como Swann, personagem dessa obra). 

Um pouco da história de Proust em imagens, já que grande parte desse livro é autobiográfico e algumas dessas pessoas são personagens:

marcel_proust_1504290c

Marcel Proust, o escritor de “Em busca do tempo perdido”, obra com mais de três mil páginas.

393px-Adrien_Proust_Nadar

O Dr. Adrien Proust, pai de Marcel Proust.

p;roust.robtdeflers.luciendaudet

Proust (sentado) era homossexual assumido, essa foto escandalizou a sua mãe, pois está com seu amigo Robert de Flers (à esquerda, eles estudaram juntos no Liceo Condorcet ) e seu amante Lucien Daudet (à direita), em 1894.

Jeanne Proust and her sons Marcel and Robert. 1896? FONDS LE MASLE Num豯 411

Proust, sua mãe Jeanne Weil e seu irmão Robert em 1895. Essa família poderia ganhar o título da ‘mais limpinha’ da França, devido aos hábitos de higiene adquiridos pelo pai médico e pouco comuns ainda no século XIX.

blogger-image-685904105

O escritor criança, o mesmo olhar. Essa foto foi usada numa biografia feita do escritor em 1999. Existe uma foto de Proust no seu momento final, que prefiro não publicar aqui, mas quem tiver curiosidade segue o link.

proust2

Adolescente. 

proust.guitar.ca1892

Marcel Proust num momento descontraído com os amigos, simulando “tocar” a raquete de tênis no Boulevard Bineau em 1892, Jeanne Pouquet no centro, um dos seus amores. Nesse momento, dizem, Proust era esnobe e um escalador social.

O livro “Em busca do tempo perdido- Do lado de Swann” (PT) ou “No caminho de Swann” (BR), trata, principalmente, da memória, da família, do amor e de todos os sentimentos, alguns nada nobres. Proust morreu encerrado no seu quarto escrevendo essa obra, que foi escrita nos seus últimos três anos de vida.

Apaixonei- me por sua escritura quando li Os prazeres e os dias e Dias de leitura; agora vou começar a ler essa obra imensa (mais de 3000 páginas) tentando também recuperar o meu tempo perdido. Num total de sete, esse é o primeiro da série: “No caminho de Swann” (original: Du côté de chez Swann). O livro é dividido em três capítulos, “Combray”, depois Um amor de Swann e Nomes de terras: o nome. Esta obra, nas palavras do autor, é “a forma do tempo”, um drama psicológico e de costumes da aristocracia francesa do século XIX. Foi escrita entre 1908- 1922 e publicada entre os anos de 1912 e 1927, sendo que os três últimos,  “A prisioneira”, “A fugitiva- Albertine desaparecida” e “O tempo reencontrado”, publicados depois da morte do escritor.

Abaixo, foto do original de No caminho de Swann, que completou no ano passado 100 anos, o manuscrito de 1910 está custodiado pela Biblioteca Nacional da França:

7. Cahier 28_NAF 16668

Para viver, Combray era um pouco triste, assim como as suas ruas, cujas casas construídas com pedras enegrecidas da região, precedidas de degraus exteriores, encimadas por frontões que faziam descer a sombra à frente delas, eram tão escuras que era preciso, mal o dia começava a declinar, erguer as cortinas nas salas (…) (p.55)

Vamos à obra: no primeiro capítulo, Combray, são quase 200 páginas, o protagonista da história é o narrador- personagem ( alter- ego de Proust) que começa a contar as suas lembranças dentro do seu quarto, onde permanece muitas horas. O tom é poético, nostálgico:

Encostava ternamente as minhas faces às belas faces do travesseiro, que, cheias e frescas, são como as faces da nossa infância (p.10).

Ele tenta dormir, apaga a luz da vela, mas a sua cabeça fica dando voltas, rememorando o que havia acabado de ler. Identifica- se com o livro, parece ter sido escrito para ele.

A narrativa é construída através das recordações, ele relembra os tempos de Combray na casa de sua tia- avó Bathilde, seus avós, Amédée e o avô (sem nome citado), das tias- avó Cèline e Flora, da tia Léonie, onde recebiam sempre a visita de Charles Swann, nariz curvo, de olhos verdes, debaixo de uma testa alta rodeada de cabelo loiro quase ruivo, penteado como o ator Bressant. (p. 21) que levava uma espécie de vida dupla, andava nas mais altas esferas sociais (pela profissão de seu pai, agente de cambio) era um boêmio e célebre bandido; também pintor, amante de arte e da música (como o próprio Proust). Swann era super bem relacionado, amigo do presidente da república (Grévy) e do príncipe de Gales. O narrador aproveita para criticar a sociedade parisina, nota- se um certo ressentimento/ironia/acidez na escritura de Proust, diz que Paris funciona como a sociedade hindu, por castas, se “fulano” for filho de gente importante, já estava numa casta superior, independente do que fosse e de como agisse. Uma crítica bem atual, cai como uma luva para muitas sociedades contemporâneas.

A ignorância em que estávamos daquela brilhante vida mundana que Swann levava tinha que ver em parte com a reserva e com a discrição do seu caráter, mas também com o fato de os burgueses de então fazerem da sociedade uma ideia um pouco hindu, de a considerarem composta por castas fechadas em que cada um se achava colocado, desde o seu nascimento, no nível que os respectivos pais ocupam, e donde nada, salvo os acasos de uma carreira excepcional ou de um casamento inesperado, o podia tirar ou fazer entrar numa casta superior. (p. 22)

Proust recorda a infância. Uma madalena molhada num chá o transporta a Combray (local que ele realmente frequentava quando criança e que tinha familiares)  traz à tona a relação enfermiça que tinha com a sua mãe. Ele esperava ansiosamente o beijo da mãe antes de dormir. Criança, era impedido de participar das tertúlias noturnas com os adultos, obrigavam- no a subir para dormir. A relação dele com a mãe era estranha, obsessiva. Ele detestava o momento da despedida, ansiava o toque dos seus lábios no seu rosto. A impressão que fica é que o narrador é apaixonado pela mãe no sentido incestuoso. Dormir sem um beijo materno é comparado com a morte para o narrador. Proust entrou no psicológico infantil e mostrou como as crianças sentem e pensam livremente sem as convenções religiosas e morais de parentesco. Ele sente ciúme da mãe e a quer só para ele. Isso pode fazer parte da essência original do ser humano (segundo Freud, é assim). Alguns desenvolvem esse sentimento de forma patológica e para outros não traz nenhuma consequência. Essa parte psicológica do livro, sem dúvida, dá uma tese. Proust e Freud foram contemporâneos, mas não se leram, não se conheceram, dizem por aí, ambos falaram do sonho, da memória, do inconsciente e do complexo de Édipo. É o que sofreu o próprio narrador dessa obra (supostamente, o próprio escritor).

O tempo é importantíssimo, Proust jogou muito bem com esse elemento, parece que a memória quebrou com passado, com o futuro, tudo é uma coisa só, o homem e o menino são os mesmos, os mesmos sentimentos, é difícil dissociar um do outro. A narrativa sobre o menino que espera ansioso a resposta de um bilhete que havia enviado à mãe através da criada Françoise, esse menino, na verdade, já é o homem recordando o passado. Na esfera da memória o tempo se desfaz:

(…) mandou- me dizer pela Françoise estas palavras: ‘Não tem resposta, palavras que depois tantas vezes ouvi da boca de porteiros de palaces ou criados de casas de jogo dirigidas a uma pobre moça qualquer que fica admirada: ‘Como? Ele não disse nada?’. (p.38)

Livro é o lugar do “não erro”, onde as pessoas querem aprender, é imperdoável erros ortográficos ou de digitação. Ainda mais sendo uma editora portuguesa grande e reconhecida como a Relógio D’água. Encontre o erro (p.84):

1513780_298353676986866_4774156977172352453_n

Erro de ortografia à parte, a narrativa passa a ser dantesca, a descrição psicológica que o narrador faz de si mesmo na infância sofrendo de amores pela mãe e de remorso, impressiona! A criança vive angustiada com a ausência da mãe, que não é bem pintada na história, parecia ser uma mulher fria, pouco amorosa. O narrador considerava Swann o grande culpado, pois sempre que ele chegava na casa de Combray, a sua mãe não ia dar o seu beijo de boa- noite. Essa época nunca morreu na vida futura do nosso narrador. Bonita a forma em que podemos encontrar com o nosso passado:

Acho muito razoável a crença céltica de que as almas daqueles que perdemos estão cativas em algum ser inferior, num animal, num vegetal, numa coisa inanimada, efetivamente perdidas para nós e, mal as reconhecemos, quebra- se o encanto. Libertadas para nós, venceram a morte e tornaram a viver conosco.

O mesmo acontece com o nosso passado. É trabalho baldado procurarmos evocá-lo, todos os nossos esforços da nossa inteligência são inúteis. Ele está escondido, fora do seu domínio e do seu alcance, em algum objeto material (na sensação que esse objeto material nos daria) de que não suspeitamos. Depende do acaso encontrarmos esse objeto antes de morrermos, ou não o encontrarmos. (p.51)

No caso do narrador- personagem, o passado voltou através do gosto de uma madalena ( bolinho doce parecido com um muffin) molhado no chá. Essa mistura o reportou à infância em Combray.

Na Páscoa ficava na casa da sua tia doente, Léonie, que mal saía da cama depois que enviuvara, doenças do corpo e da alma, essa pessoa tinha o objetivo de nunca dormir. Ela marcou muito a infância de Proust junto com outro tio, Adolphe, um tio- avô aposentado do exército. O senhor havia se afastado da família, por causa de uma desavença provocada pelo escritor ainda menino. Um dia Proust foi fazer uma visita ao tio e esse estava com uma cocotte, nome dado às prostitutas da Belle Époque. O idoso tio pediu ao menino que não contasse aos seus pais nada sobre a presença da mulher, mas o pequeno Proust fez justamente o contrário apenas duas horas depois: não só contou aos pais, mas disse tudo com os mínimos detalhes. Essa história provocou uma briga feia entre o tio- avô, o avô e o pai do menino. Proust encontrou o tio- avô na rua e ficou com remorso e constrangido. O menino retirou o gesto de saudação que iria fazer com seu chapéu e o tio pensou que foi por ordem dos seus pais. O senhor morreu alguns anos depois sem falar mais com a família. Parece que Proust carregou consigo essa dor e culpa. Ele nunca mais conseguiu entrar no gabinete em que ele passava horas com o tio Adolphe.

O escritor quis deixar um retrato pormenorizado dos costumes, objetos, cartografia, arquitetura de Combray, pessoas da família e da sua infância, as mazelas, as doenças, a amizade, o amor e o desamor. As empregadas da casa, Françoise, muito presente e prestativa; e a ajudante de cozinha grávida, que provocava pena no menino Proust, com seu barrigão fazendo todas as tarefas como sempre. A sua casa constava de todas as virtudes e vícios de Giotto. Swann era admirador do pintor Giotto (1266—1337) precursor do Renascimento italiano e deu de presente reproduções dos vícios e virtudes a Proust. As imagens ficavam na sua sala de estudos.

Marcel sempre estava com um livro na mão, principalmente antes de dormir e debaixo do castanheiro dos jardins de Combray. Sua avó sempre exigia que ele estivesse ao ar livre, mesmo em dias de chuva, o que não o agradava. Veja o interessante estado de transe em que ele entrava enquanto lia, ler era uma “viagem”; esses sentimentos de Proust têm a ver com a mimesis aristotélica, a imitação da realidade, e da catarse, também de Aristóteles, que trata da purificação da alma através dos sentimentos provocados por um drama:

(…) enquanto lia, a minha consciência ia erguendo em simultâneo, e que iam das aspirações mais profundamente ocultas dentro de mim mesmo até à visão toda horizonte que, no extremo do jardim, tinha diante dos meus olhos, o que em primeiro lugar havia em mim de mais íntimo, o punho em constante movimento que governava o resto, era a minha crença na riqueza filosófica, na beleza do livro que lia, e o meu desejo de tomar posse delas, fosse qual fosse o livro. (p. 92)

Depois dessa crença central que, durante a minha leitura, executava incessantes movimentos de dentro para fora, para a descoberta da verdade, vinham as emoções que me eram dadas pelas ação em que tomava parte, porque aquelas tardes eram tais cheias de acontecimentos dramáticos do que muitas vezes uma vida inteira. Eram os acontecimentos que surgiam no livro que estava a ler; é verdade que as personagem por eles afetadas não eram ‘reais’, como dizia Françoise. Mas todos os sentimentos que a alegria ou o infortúnio de uma personagem real nos fazem experimentar só acontecem em nós por intermédio de uma imagem dessa alegria ou infortúnio; o engenho do primeiro romancista consistiu em compreender que no aparelho das nossas emoções, como a imagem é o único elemento essencial, a simplificação que consistiria em suprimir pura e simplesmente as personagens reais seria um aperfeiçoamento decisivo. (…) (p. 92-93)

O trecho é longo, intenso, revelador (um deleite, vou levá- lo comigo para o resto da minha existência!),  ele fala do “achado” do romancista que conseguiu descobrir a “fórmula” para a emoção (ele conta qual é). Mas não vou dizer, tá? Leia o livro! 🙂

Já na juventude, Proust cita o escritor Bergotte e seu livro “A noite de outubro”, é um personagem fictício. Bergotte aparece em outros livros de “Em busca do tempo perdido”. Não consegui achar nada a respeito, mas vou tentar descobrir se Bergotte pode ser um pseudônimo de alguém que Marcel não quis revelar o nome. Quem terá sido Bergotte?

Também vemos no livro as origens judaicas da família Proust. O seu avô cantava músicas hebreias e o escritor também tinha amigos dessa religião como o Bloch, que seu pai detestava, o achava “idiota” e “imbecil” (p. 100). A avó também não gostava de Bloch, o achava meio louco. O cara era meio doidão mesmo, chegava para almoçar todo cheio de lama, fazia chacotas das pessoas e irritava a família Proust. O único que não se sentia irritado era Marcel, gostava do amigo justamente porque ele se comportava diferente das convenções sociais da moral burguesa conservadora.

Nesse capítulo, Proust ainda jovenzinho não revela a sua homossexualidade, ao contrário, ele apaixona-se por Gilberte, uma ruivinha que morava nos Campos Elísios em Paris (p. 152).

 Marcel sofria a falta crônica de afeto dos pais na sua infância/adolescência, sentia- se muito sozinho:

(…) Se acabava de pensar nos meus pais com ternura e de tomar decisões mais sensatas e mais adequadas a dar- lhes prazer, eles tinham ocupado o mesmo tempo a informar- se de um pecadilho de que eu me tinha esquecido e de que severamente me censuravam no momento em que eu corria para eles para os beijar. (p. 166)

E essa falta de carinho o fazia sonhar assim, uma mistura de carência e desejo:

Por vezes, à exaltação que a solidão me provocava juntava- se outra que eu não sabia separar nitidamente da primeira causada pelo desejo de ver surgir à minha frente uma camponesa que pudesse apertar nos braços. ( p.166)

A partir desse ponto citado acima, Proust começa a falar da sua sensualidade, que eu interpreto como sexualidade, creio que foi algum problema de tradução. O desejo sem limite, queria a camponesa de Méseglise, de Roussainville, a pescadora de Balbec…

(…) e a minha sensualidade se espalha por todos os domínios da minha imaginação,o meu desejo já não tinha limites. (p.166-167)

Proust afirma que foi por causa dessa época que ele desenvolveu, nos anos vindouros, a impressão que então permaneceu obscura, que saiu, muito depois, a ideia que construí sobre o sadismo. (p.169) Ele presenciou (espiando pela janela) duas moças do povoado numa cena lésbica, e uma delas, a senhorita Vinteuil, cuspiu no retrato do pai morto, que ele considerou um ato sádico, de profanação, o prazer na maldade. Na página 174 ele discorre sobre esse ato de sadismo.

A despedida de Combray era dolorosa para o rapaz, que chorava agarrado aos pinheiros. A tia Leònie, que teve uma importância fundamental nesse capítulo de memórias de Combray, morreu num outono, Françoise tomou conta da patroa até o final.

Swann teve um papel de muito pouco destaque nesse primeiro capítulo.

No segundo capítulo voltado para Swann, não tem nada de autobiográfico, é uma história independente. Mulherengo e interesseiro, Swann usa seus contatos para benefício próprio. Esse é o capítulo que nos conta como Swann apaixonou- se e sofreu por Odette. Fascinante.

No primeiro capítulo Swann já havia se casado. Nesse, vamos saber com quem se casou. Swann é pintado como o típico canalha que não se compromete emocionalmente com ninguém, conquistava as mulheres de qualquer profissão, classe social, criadas ou aristocratas, ricas ou pobres, não se importava se eram bonitas ou feias, mas as deixava igualmente sem nenhuma consideração quando cansava delas. Seria mais uma delas, Odette de Crècy, uma cocote (prostituta), que não agradava a Swann fisicamente, para ele é muito feia, apesar de muito elegante e bem vestida. Ela colocou-se nas mãos de Swann, é gentil, afável, humilde, entregada…e acabou conquistando Swann, quando ele pensa numa mulher, é ela que lhe vem à cabeça:

(…) a imagem de Odette de Crécy acabava por absorver todos esses devaneios, se estes deixavam de ser separáveis de recordação dela, então a imperfeição do seu corpo deixava de ter qualquer importância, assim como o fato de ser mais ou menos que outro corpo conforme ao gosto de Swann, pois, tendo- se tornado o corpo daquela que amava, seria dali em diante o único que lhe poderia causar alegrias e tormentos. (p. 213)

Ainda assim, Swann continuava saindo com outras mulheres, apaixonou- se por uma operária jovenzinha e mantinha encontros furtivos com ela. Odette mora na Rua La Peróuse, atrás do Arco do Triunfo, onde Swann sempre a leva na sua carruagem. Na p. 234 há uma descrição da casa de Odette, que mora sozinha e tem um criado. Odette é muito romântica, depois de uma visita de Swann, alguns minutos depois envia- lhe este bilhetinho:

Se se tivesse esquecido também do coração, não deixaria que o recuperasse. (p. 236)

O problema de Swann com Odette é que ele a acha feia, olha só para as suas maçãs do rosto. Swann a compara com a filha de Jetro, Zéfora, representada na Capela Sistina (Vaticano), fresco de Boticelli, “A vida de Moisés”. Tal semelhança fez mudar o seu parecer sobre ela, da semelhança com uma obra- de- arte nasceu o desejo físico, coisa que antes não acontecia. Realmente apaixonou- se por Odette de corpo e alma.

O favor que Swann queria do avô do narrador era que o apresentasse à uma família proeminente, os “Verdurin”, mas com a negativa do senhor, ele recorreu à Odette, pois essa conhecia a senhora que organiza essas tertúlias. Os Verdurin (um casal, ele médico e a esposa) “iniciavam” as pessoas num meio social privilegiado, artístico, musical, algo liberal e variado, como os Cottard, Saniette, o pianista, a tia deste, Forcheville, o pintor, Brichot, Odette e agora Swann, entre outros. Adotarei esse costume da senhora Verdurin:

(…) O meu marido acredita que eu não gosto de fruta só porque como menos que ele. Mas não, sou mais comilona que vocês todos, só que não preciso de a meter na boca, porque gozo com os olhos. (p.222-223)

O jovem pianista tocou a sonata de Vinteuil na casa da senhora Verdurin. O nome do músico é o mesmo da cidade onde nasceu Proust e também é o mesmo nome da senhorita que Proust adolescente espiou pela janela numa cena lésbica no primeiro capítulo. Swann ficou impressionado, ouça:

Swann não parecia simpático ao senhor Verdurin, que o achava muito “presumido” (p. 242); sobre Odette, pensa que ela não é muito inteligente, nem virtuosa, mas que reside justamente nisso o seu encanto.

O amor de Swann por Odette apareceu como se tivesse despertado de um delírio depois de uma febre, como se acabasse de despertar. (p.243)

Com a desculpa de arrumar uma catleia (orquídea) que Odette levava no decote, finalmente, os dois fizeram amor, “fazer catleia” é a forma carinhosa que passaram a chamar o ato sexual. Todo casal apaixonado fica meio ridículo, não é?

Swann está extremamente feliz, Odette passa a ser o centro do seu mundo:

(…) Usualmente as criaturas são- nos tão indiferentes que, quando atribuímos a uma delas determinadas possibilidades de sofrimento e de alegria para nós, faz da nossa vida como que um espaço comovente onde ela estará mais ou menos próxima de nós. Swann não era capaz de se interrrogar sem perturbação sobre o que Odette viria a ser para ele nos anos que iam seguir- se. (p.250)

Interessantíssimo a narração do estado psicológico de Swann em pleno estado de paixão, esse estado de anestesia geral, onde nada exterior importa, onde tudo foge da racionalidade. Leia na página 251.

Pobre louco do italiano Joseph Tagliafico é a música que Odette queria que tocasse no seu enterro. Odette e Swann ouviam também a Valsa das rosas, executada por Odette ao piano. Música que ela gostava, mas para Swann era de mau gosto, ele preferia Vinteuil, mas não tentava corrigí- la, sabia que era pouco inteligente. Tinha efetiva consciência de que ela não era inteligente. (p. 255). Odette era “burrinha”, mas ele gostava dela mesmo assim. O amor é cego, não é? Swann desistiu de ensinar o que era a beleza artística para Odette com medo de desiludi- la e também perder o seu amor. E com isso, ela também o achava Intelectualmente inferior ao que era de esperar. (p. 256). Às vezes nos jogos de amor nem sempre (ou muitas vezes) se acerta. Eles tinham muitas discordâncias e diferenças na forma de ver o mundo e as pessoas. Odette não entendia porquê Swann morava num lugar indigno dele, perto do Cais de Orleães, rodeado de velharias. Swann é arquiteto, estudou por dez anos. Mas ambos amavam até o que odiavam um do outro. Na minha terra isso chama- se “perder a personalidade”:

(…) desde que amava Odette, simpatizar com ela, tentar ter uma só alma dos dois, era- lhe tão agradável que procurava comprazer- se nas coisas de que ela gostava, e sentia um prazer um tanto mais profundo, não apenas em imitar os seus hábitos, como ainda em adotar opiniões (…) (p. 261)

Swann estreita laços com os Verdurin, os admira profundamente,  considera que são “magnânimos”, é o único salão que passa a frequentar. O saber artístico e literário dava um status superior a quem os possuía nesses salões parisinos. Mas tal admiração não é recíproca, o casal detesta Swann.

Forcheville sente atração física por Odette e quer marcar um jantar com ela escondido de Swann; este, faz de tudo para comprazer a amada, dá dinheiro (muito) todos os meses, compra presentes caros, não sai, não viaja, deixou de frequentar a casa dos amigos habituais, sempre à disposição de Odette. Há gente que pensa que ela é uma interesseira, mas Swann não acreditava. O protagonista desconfia da fidelidade da namorada por alguns olhares e atitudes, começa a sentir um ciúme doentio, a persegui- la escondido. Pega Odette na mentira.

Essa é a fase cujo amor vira dor. Com isso também, a queda social, a hipocrisia cai e começam a aparecer as verdades. Swann simplesmente banido depois de seis meses frequentando assiduamente a casa dos Verdurin:

(…) E não se falou mais de Swann em casa dos Verdurin. (p.304)

Esse salão era um empecilho para os encontros com Odette, ele já não podia ir mais lá e era onde ela estava sempre. Ele começou a decepcionar- se com ela, pois não renunciava nada, nenhum prazer para estar com ele. Odette continuava gentil e sedutora quando o encontrava, mas não envolvia- se emocionalmente e seguia com sua vida, justamente como Swann era antes de conhecê- la. Todos os temores, sofrimentos, medos, ciúme desapareciam quando ele estava com Odette. Depois desses encontros Swann voltava a enviar- lhe belas jóias no dia seguinte. Mas a agonia continuou, veja a descrição do que é o “amor” (ou paixão?) de Swann por Odette:

(…) eis o que ele tentava perguntar a si mesmo o que era; porque existe uma semelhança entre o amor e a morte, mais que aquelas outras vagas, que constantemente repetimos, que nos fazem interrogar mais fundo, com receio de que se escape a sua realidade, o mistério da personalidade. E esta doença, que o amor de Swann era, multiplicara tanto, estava tão estreitamente implicado em todos os hábitos de Swann, em todos os seus atos, no seu pensamento, na sua saúde, no seu sono, na sua vida, mesmo no que desejava para depois da morte, era já de tal modo um só com ele, que não seria possível arrancá- lo dele sem o destruir também quase inteiramente: como se diz em cirurgia, o seu amor já não era operável. (p. 324)

Tenho certeza que você conhece alguém (ou você mesmo) que renunciou tudo voluntariamente por um grande amor. Assim era o de Swann.

A história de Swann encontra- se com a do narrador (alter- ego de Proust) quando Swann fala de seu tio- avô Adolphe (aquele que estava com uma prostituta e pediu a Proust que não contasse à família). O tio Adolphe era amigo de Odette (não esqueçam que ela é prostituta), mas tentou agarrá- la à força. E Swann recusou- se a cumprimentar Adolphe quando soube disso. ( p.328)

Swann ao ouvir a sonata de Vinteuil, foi como Proust quando molhou a madalena no chá, as recordações vieram como um vendaval, lembrou do início, de como Odette era apaixonada e agora tñao desatenta. As dúvidas que tinha em deixá- la entrar na sua vida e quando ela lhe pediu para que se vissem mais vezes e ele falava que tinha “medo de sofrer”. Lembrou de tudo o que viveram. Na pág. 362 acontece um dos trechos mais bonitos, onde Swann recupera a si mesmo, chora, sente saudade de quem ele foi um dia ouvindo aquela música. Foi o momento que ele deixou de ser ela e passou a ser ele mesmo de novo. Percebeu que Odette não poderia mais amá- lo como antes. Recebeu uma carta anônima confirmando que Odette era mesmo prostituta, coisa que ele sempre duvidou. Ela transava com homens e mulheres, inclusive Forcheville que era um dos que Swann mais tinha ciúme e a senhora Verdurin, ela própria contou a Swann. Assim funcionava a alta sociedade de Paris em suas duas faces: o que se via e o que se escondia debaixo do tapete. Odette confessou, finalmente, as infidelidades. Swann estava certo.

A história é tão bem costurada, que só no final, com as recordações dos fatos e diálogos acontecidos, tudo faz sentido e é como um susto! Tudo foi uma grande mentira.

E  Swann perguntou- se o porquê de tanto sofrimento por uma pessoa que nem era o seu tipo.

No terceiro capítulo bem curtinho, apenas 48 páginas, volta o narrador a falar dos próprios sentimentos, sobre a verdade e o valor da essência primeira das coisas, de música, natureza, obras-de-arte, das viagens que gostaria de fazer e, principalmente, pelo seu amor à Gilberte.

(…) Só tinha curiosidade, só tinha avidez de conhecer o que julgava mais verdadeiro que eu próprio, o que tinha para mim o valor de me mostrar um pouco do pensamento de um grande gênio, ou da força ou da graça da natureza tal qual se manifesta a si mesma, sem a intervenção dos homens. (p.402)

(…) Para que a tempestade fosse absolutamente verdadeira queria também que a própria costa fosse uma costa natural, e não um dique recentemente criado por um município. De resto, a natureza, por todos os sentimentos que despertava em mim, parecia- me ser o que havia de mais oposto às produções mecânicas do homem. Quanto menos tinha a marca delas, mais espaço oferecia às expansões do meu coração. (p.402)

O narrador cita vários nomes de cidades que gostaria de visitar e comenta sobre a saúde frágil e limitadora, coisa que sempre acompanhou a vida do escritor:

Se a minha saúde se fortalecesse e os meus pais permitissem, se não ir passar um tempo em Balbec, pelo menos tomar uma vez, para conhecer a arquitetura e as paisagens da Normandia ou da Bretanha, aquele trem da uma e cinte e dois em que embarcara tantas vezes em imaginação (…) (p. 406-407)

Por ordens médicas, Proust ficou proibido de viajar por um ano na juventude, de ir ao teatro, de qualquer coisa que o agitasse. Teve que cancelar uma viagem programada para Veneza e Florença, além dos encontros sociais com os amigos, principalmente a amiga Gilberte Swann, com quem sempre ia brincar nos Campos Elísios e ver o Sena congelado no inverno. Ele apaixona- se pela moça, só pensa em Gilberte, só quer estar com ela, mas não é correspondido. Ambos são crianças ainda, Françoise ainda o busca na escola.

Esse capítulo é cheio de metáforas, analogias e alegorias:

Há dias montanhosos e difíceis que levamos um tempo infinito a transpor e dias em declive que se deixam descer a cantar a toda a velocidade. (p. 409)

Sobre o amor que nasce espontâneo e o amor “provocado” ou “forçado”. Sim, existe qualidades diferentes de amor: aquele que nasce sem esforço, existe sem razão e outro que precisa ser alimentado pela racionalidade ou pela conveniência:

(…) e como todos temos necessidade de encontrar razões para a nossa paixão, mesmo o sermos felizes por reconhecer no ser amado qualidades que a literatura ou a conversa nos ensinaram serem das que são dignas ou transformá- las em razões novas para o nosso amor, ainda que essas qualidades sejam as mais opostas às que esse amor procuraria quando era espontâneo. (p. 428)

Proust revelou só no finalzinho do livro (p. 439) quem é a mãe de Gilberte e com quem Swann casou- se. Não vou contar!

(…) Mas agora, mesmo não me levando a nada, esses momentos pareciam- me ter tido em si mesmos grande encanto. Queria reencontrá- los tais como os recordava. (…) (p. 445)

O narrador queixa- se da deselegância dos carros e mulheres, prefere as lembranças da sua infância.

O fim do capítulo é belo e melancólico. Proust fala do fim das coisas, da memória que tenta reconstruir o que já não existe, da fugacidade da vida e do tempo.

Mais alguns trechos que destaquei do livro:

(…) O Hábito! Acomodador hábil mas muito lento, e que começa por deixar que o nosso espírito sofra durante semanas numa instalação provisória; mas que, apesar de tudo, o nosso espírito fica feliz por encontrar, porque, se não fosse o hábito, e reduzido exclusivamente aos seus próprios meios, seria impotente para nos oferecer uma casa habitável. (p. 14)

(…) mesmo do ponto de vista das coisas mais insignificantes da vida, nós não somos um todo materialmente constituído, idêntico para toda a gente e de quem cada um apenas tenha de tomar conhecimento, coo de um caderno de encargos ou de um testamento; a nossa personalidade social é uma criação do pensamento dos outros. Mesmo o ato tão simples a que chamamos ‘ver uma pessoa conhecida’ é em parte um ato intelectual. Preenchemos a aparência física do ser que vemos com todas as noções que temos sobre ele e, na figura total que imaginamos, essas noções possuem um importante papel. (p. 25)

O que eu censuro nos jornais é obrigarem- nos todos os dias a dar atenção a coisas insignificantes, ao passo que lemos três ou quatro vezes na vida os livros em que há coisas essenciais. Já que rasgamos febrilmente todas as manhãs a cinta do jornal, então devemos mudar as coisas e pôr no jornal, sei lá…os…os Pensamentos de Pascal (…)  ( Swann, p. 32)

Proust cita Eclesiastes pela boca de sua tia: “As pessoas aduladoras sabem bem fazer- se rogadas e arrecadar a massa; mas, paciência, Deus nosso Senhor um belo dia castiga- as”; (…) A felicidade dos maus como torrente corre. (p. 117)

(…) Mas já na idade de poucas ilusões de que Swann se aproximava (…). Nessa época da vida já o amor nos atingiu várias vezes; ele já não evolui sozinho em conformidade com as suas próprias leis desconhecidas e fatais, diante do nosso coração pasmado e passivo. Vamos em seu auxílio, falseamo- lo pela memória, pela sugestão. Ao reconhecermos um dos seus sintomas, recordamo- nos, fazemos renascer os outros. (p. 210)

(…) É verdadeiramente incrível pensar que um ser humano pode não compreender que, ao permitir- se um sorriso a respeito de um semelhante que lhe estendeu lealmente a mão, se degrada até uma abjeção da qual nem a melhor das boas vontades jamais o poderá levantar. (p. 302)

Curiosidades:

  • o primeiro a traduzir essa obra no Brasil foi Mário Quintana em 1948.
  • Marcel Proust é considerado o primeiro escritor clássico do seu tempo.
  • Proust cita bastante George Sand, que é pseudônimo de uma baronesa feminista francesa, Aurore Dupin, que teve uma vida fascinante e lutou pela emancipação feminina no século IXX.
  • O povoado de Combray tem menos de 140 habitantes e acabou virando lugar turístico- literário por causa do primeiro capítulo dessa obra. As pessoas vão a Combray comer madalenas e visitar o sítio do tio de Proust, Jules Amiot, que no livro é propriedade de Swann.
  • A fotografia de Proust morto dois dias depois do seu falecimento foi feita pelo fotógrafo americano Man Ray (Philadelphia, 1890- Paris, 1976), por insistência do seu amigo Jean Cocteau, escritor francês. A foto é considerada objeto de Arte e está exposta no Museu Metropolitano de Arte em Nova York
  • A sobrinha- neta de Proust, Patricia Mante- Proust lançou um livro- álbum sobre o tio ilustre com documentos e fotos familiares nunca vistos antes. Eu consegui esse tesouro e, em breve, falei sobre ele aqui. Chama- se “Proust- a memória recobrada”.
  • Um dos restaurantes preferidos de Swann (p. 311) é o Lapérouse, que realmente existe em Paris. Odette mora numa rua com o mesmo nome do restaurante. O Lapérouse transformou- se em ponto de encontro literário e teve ilustre frequentadores como Guy de Maupassant, Emile Zola, Alexandre Dumas e Victor Hugo, um dos salões leva o nome do escritor desse último .
  • Proust usou seus amigos como inspiração para criar Charles Swann, um deles chamado Charles Hass (Paris- 1833- 1902), foto:

54769_s

Um livro essencial na biblioteca de qualquer bom leitor. Depois dessa leitura decidi aprender francês “de verdade”, uma pena não ler o original. As traduções nunca mostram o que os livros são na realidade, desconfie sempre delas e procure um tradutor de renome para minimizar o “estrago” da tradução. A edição portuguesa com tradução de Pedro Tamen:

9789727087303 Proust, Marcel. Em busca do tempo perdido- Do lado de Swan. Relógio D’água, Lisboa, 2003. Tradução: Pedro Tamen. 448 páginas

Esse livro ajudou- me a entender um pouco mais sobre a vida. O post enorme, inevitavelmente imenso, vai ser mexido e remexido algumas vezes ainda. Não estranhe se encontrar coisas diferentes ao voltar outras vezes. 🙂

* “Tudo o resto” usado em Portugal; para brasileiros, “todo o resto” nos soa melhor.

* *As citas foram corrigidas de acordo com o último acordo ortográfico, e quando facultativa, a versão escolhida foi a brasileira.