Livrarias de Madri (2): “La Central de Callao”

A primeira livraria La Central foi inaugurada em Barcelona em 1995 e foram abertas mais cinco lojas, duas em Barcelona e três em Madri. A de hoje fica no centro, no bairro Callao em uma casa- palácio de 1.200 m2, possui mais de … Continuar lendo Livrarias de Madri (2): “La Central de Callao”

“A sociologia do corpo”, David Le Breton- PDF grátis

  “A sociologia do corpo” é um livro muito bom para os estudos de investigação do corpo para o pessoal de Letras e Ciências Humanas. Estava tentando comprá- lo pela internet e está esgotado, achei esse PDF e compartilho com … Continuar lendo “A sociologia do corpo”, David Le Breton- PDF grátis

Os principais erros dos escritores novatos

“Ninguém nasce sabendo. Todos aprendem a ler e a escrever na escola, inclusive nos ensinaram as regras básicas de redação. Como na caligrafia e na gramática, no início da narrativa é comum cometer falhas muito elementais. Com o tempo, você vai aprendendo a escrever com poucas falhas ortográficas e o mesmo pode acontecer com o estilo do seu texto. Observe estes três erros ao escrever aos que todo narrador caiu quando iniciou suas escrituras  e comece a detectá-los: Erro #1: excesso de advérbios acabados em “-mente” Que simples é abusar dos advérbios terminados em “-mente”. É cômodo, prático, eficiente… e feio. Delatam duas características principais … Continuar lendo Os principais erros dos escritores novatos

“Requiem: uma alucinação”, do italiano Antonio Tabucchi

réquiem ré.qui.em sm (lat requiem) 1 Repouso. 2 Liturg Ofício que se faz pelos mortos: Missa de réquiem. 3 Cantochão ou música do ofício de defuntos. (Michaelis) Antonio Tabucchi (Vecchiano, Pisa, Itália 24/ 09/ 1943 – Lisboa, Portugal 25/ 03/ 2012) foi o italiano mais português que existiu (ele nacionalizou- se português). Tabucchi faleceu no ano passado … Continuar lendo “Requiem: uma alucinação”, do italiano Antonio Tabucchi

Português de Portugal X Português do Brasil (4)

Apesar de Margarida Rebelo Pinto escrever em um português mais “neutro”, digamos assim, sem tantas expressões lusas, retirei alguns vocábulos do seu livro “O dia em que te esqueci”, que seriam escritos diferentes em português brasileiro: Portugal   X    Brasil 1. Piroso – brega 2. Pilinha- pintinho (pênis) 3. Espaguerte- espaguete 4. Alcunha- apelido 5. Forreta- pão- duro 6. Pucarinho- na cara-de-pau, na ponga (ser hospedado e alimentado na casa de alguém grátis, por exemplo) 7. Jeans ruços- jeans velhos, desgastados 8. Engodo- isca, armadilha 9. Bonomia- humildade Você pode consultar outras listas aqui, aqui e aqui.   Continuar lendo Português de Portugal X Português do Brasil (4)

Morre José Saramago aos 87 anos

O meu ídolo maior das letras portuguesas, José Saramago, foi “embora” hoje na sua residência situada na Ilha de Lanzarote,  Espanha. Acompanhava cada lançamento literário seu com grande ansiedade: “Caim”, o último. Saramago também escrevia um blog, seus posts foram reunidos em dois volumes: “O cadernos” e O caderno 2″. com prefácio de Umberto Eco. Saramago na Ilha espanhola de Lanzarote, onde viveu até os seu último dia. (foto Pedro Walter) Hoje a literatura portuguesa perdeu um dos seus maiores e mais originais escritores- Portugal, que muitas vezes não o entendeu, não soube aceitar as críticas, a ironia desse escritor … Continuar lendo Morre José Saramago aos 87 anos

Polén

A primavera na Espanha, sem dúvida, é a época mais bonita do ano por suas cores e temperatura agradável; contudo, as alergias provocadas pelo pólen suspenso no ar é um desagradável inconveniente dessa colorida estação do ano. O pólen que fecunda e dá vida às flores, também faz com que muita gente passe mal com as alergias respiratórias e cutâneas. Inclusive há gente que anda pelas ruas com máscara para evitar o pólen. Esse ano a cidade de Madri está coberta com tulipas no centro da cidade e no Jardim Botânico: A palavra pólen (do grego “pales” = “farinha” ou … Continuar lendo Polén

Palácio Nacional de Mafra, Portugal

Hoje eu conheci Mafra, uma cidadezinha encantadora que fica a 25km da cidade de  Lisboa. Nela está o Palácio Nacional de Mafra e o Convento de Nossa Senhora e Santo Antonio de Mafra construídos em 1717 pelo rei dom João V, edificações consideradas obras- primas do barroco português. É proibido tirar fotos no interior, mas transgredi por uma boa causa: para mostrar arte, beleza, cultura e história pra quem quiser ver: A biblioteca do Palácio de Mafra é impressionante, grandiosa, imponente com seu piso de mármore em três cores diferentes, estantes de madeira ao estilo rococó repletas com 40.000 livros … Continuar lendo Palácio Nacional de Mafra, Portugal

A língua portuguesa, ” última flor do Lácio”

Língua Portuguesa (Olavo Bilac) Última flor do Lácio, inculta e bela, És, a um tempo, esplendor e sepultura: Ouro nativo, que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela… Amo-te assim, desconhecida e obscura. Tuba de alto clangor, lira singela, Que tens o trom e o silvo da procela, E o arrolo da saudade e da ternura! Amo o teu viço agreste e o teu aroma De virgens selvas e de oceano largo! Amo-te, ó rude e doloroso idioma, em que da voz materna ouvi: “meu filho!”, E em que Camões chorou, no exílio amargo, O gênio sem … Continuar lendo A língua portuguesa, ” última flor do Lácio”

“Coito”

Minha filha de seis anos: “Mãe, que significa coito?” ” (…) “- susto! “Aonde você ouviu essa palavra filha?” “Quando os miúdos brincam de “apanhada” (esconde- esconde) eles gritam “coito” quando estão salvos.” Ufffffff… Coito no Brasil é usado  para referir- se ao ato sexual; já em Portugal, vocês já viram… a palavra “coito” (ou “couto”) é usada também  numa brincadeira infantil com o significado de refúgio, local privado, proibido passar… Continuar lendo “Coito”

Saramago no Brasil e a reforma ortográfica

José Saramago vai estar no Teatro Folha em São Paulo, na próxima sexta- feira, para uma entrevista (entradas esgotadas). Ele é defensor da nova reforma ortográfica da língua portuguesa, acredita que a diversidade enriquece o idioma. (Folha) Acredito que muitos … Continuar lendo Saramago no Brasil e a reforma ortográfica

” A viagem do elefante”, José Saramago

Vi no blog da Rosana Hermann que o novo livro do Saramago já está pronto. Nesse vídeo (clique aqui), a esposa do autor explica um pouco sobre o livro. Os dois últimos livros do autor “As intermitências da morte” e … Continuar lendo ” A viagem do elefante”, José Saramago

Carlos Heitor Cony

Uma das personalidades da literatura brasileira mais interessantes que existem na atualidade é o carioca Carlos Heitor Cony. foto: Folha de SP Cony passou a ser conhecido do grande público brasileiro, quando a apresentadora do Mais Você, Ana Maria Braga, lia suas crônicas ao iniciar o programa. Ainda não terminei de ler o livro “Quase memórias (quase novela)”, o que é um mal sinal, pois quando demoro demais para ler um livro é porque não está conseguindo prender a minha atenção. Estou lendo a versão em espanhol (prefiro ler o original, também é verdade; as traduções geralmente são muito ruins) “Casi memorias (casi … Continuar lendo Carlos Heitor Cony

A transformação dos pronomes o(s)/a(s) em lo(s)/la(s)

Os verbos terminados em -r, como amar, o pronome adequado a ser utilizado seria o lo (amá-lo, amá-las, é um exemplo,) com supressão do -r. Nos verbos conjugados acabados em s, como amas, fica também lo (tu ama-lo, nós amamo–lo, tu faze–la), igualmente sem o -s. Se a forma verbal tem z no fim, este desaparece e utiliza-se à mesma lo (trá-lo). O que se passou realmente foi a transformação de lo em o, e não o contrário, dado que as formas mais antigas são lo, la, los, las, que transformaram- se em o, os, a, as, devido ao fenómeno fonético … Continuar lendo A transformação dos pronomes o(s)/a(s) em lo(s)/la(s)

Bem- vindos!

Abaixo, o poema do brasileiro Olavo Bilac intitulado “Língua Portuguesa”, dele surgiu o endereço do blog: Última flor do Lácio, inculta e bela, És, a um tempo, esplendor e sepultura: Ouro nativo, que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela… Amo-te assim, desconhecida e obscura, Tuba de alto clangor, lira singela, Que tens o trom e o silvo da procela E o arrolo da saudade e da ternura! Amo o teu viço agreste e o teu aroma De virgens selvas e de oceano largo! Amo-te, ó rude e doloroso idioma, Em que da voz materna ouvi: “meu … Continuar lendo Bem- vindos!