Para quê os homônimos e os parônimos?!

É curiosa essa nossa língua portuguesa, complicada muitas vezes, mas só porque querem. No último livro do Saramago, “A viagem do elefante”, eu notei a palavra “espectadora”  numa frase que fazia referência à “rainha catarina”, escrita assim mesmo em minúscula: “(…) ela participa regularmente nas reuniões de estado, onde nunca se comportou como passiva espectadora“. (p.28)* Falando nele, adoro Saramago justamente porque ele é um transgressor das regras gramaticais, como no caso do nome da rainha citado acima, e dos seus diálogos que não têm pontuação e não fazem falta. Isso prova que há um excesso de regras desnecessárias. Eu … Continuar lendo Para quê os homônimos e os parônimos?!