Antes que eu morra ou esqueça

Este foi o ano que pulamos a primavera. O calor chegou como um abraço na segunda quinzena de maio. Abrir a janela e sentir o mormaço no rosto, fez- me esquecer, por um momento, que só vi os meses de primavera pela janela. Janela esta, meu camarote sem sol, desde o dia 6 de maio.Continuar lendo “Antes que eu morra ou esqueça”

Resenha: “O Buda dos subúrbios”, de Hanif Kureishi

Um dos melhores livros lidos este ano: “O Buda dos subúrbios”, obra clássica contemporânea do inglês Hanif Kureishi. Eu já li outros dois livros do autor “A última palavra” e “Intimidade”, sugiro que você coloque este autor na sua lista de leituras, ele é MUITO bom! Eu tive a oportunidade de estar pessoalmente com HanifContinuar lendo “Resenha: “O Buda dos subúrbios”, de Hanif Kureishi”

O novo romance do espanhol Carlos Ruiz Zafón

Quem ainda não leu “A sombra do vento” do espanhol Carlos Ruiz Zafón, coloque na lista, o livro é muito bacana! A história acontece na primeira metade do século XX, na cidade de Barcelona, a atmosfera é misteriosa, intrigante. O personagem Daniel Sampere entra em uma biblioteca, “O cemitério dos livros esquecidos”, e encontra umContinuar lendo “O novo romance do espanhol Carlos Ruiz Zafón”

Joyce e os Extremos da Exploração dos Dados Biográficos

Por Gerson de Almeida                Assistia a um documentário (não me lembro do nome, mas o Youtube pode informar melhor do que posso explicar minha preguiça de rever vídeo por vídeo) sobre James Joyce (1882 – 1941) e uma das entrevistadas, Brenda Maddox, foi apresentada como biógrafa de NoraContinuar lendo “Joyce e os Extremos da Exploração dos Dados Biográficos”

Resenha: “A República dos Sonhos”, de Nélida Piñón

– Cuidado, Eulália, desconfie das palavras. Elas tanto afirmam quanto desdizem. E isto por conta da nossa vaidade. ( p.14) Ler “A república dos sonhos” é ler uma vida inteira. É ler a saga de uma família, três gerações. É ler a história do Brasil, sua política, usos e costumes. É desvendar o sentimento imigrante nãoContinuar lendo “Resenha: “A República dos Sonhos”, de Nélida Piñón”

Resenha de filme: “O Tempo Não Para”, a história de Cazuza

Uma análise comparada da vida do cantor Cazuza e do nosso colaborador Gerson de Almeida. Embora eu, Fernanda Sampaio, ache que a pobre da mãe não tenha nenhuma culpa, veja o que ele pensa: Cazuza – De Filho a Filho        Tem filmes que não valem a pena ter na videoteca (já é questionável aContinuar lendo “Resenha de filme: “O Tempo Não Para”, a história de Cazuza”

Quer colaborar com o Falando em Literatura?

Tem vontade de publicar, mas não tem coragem? Nós te damos a oportunidade! Resenhas críticas, artigos de opinião, crônicas, notícias, tudo o que envolve o mundo da literatura, cinema e artes em geral, tudo é muito bem- vindo! Escreva para: falandoemliteratura@gmail.com e faça parte da nossa história!

“Olhos nos olhos”, crônica de Ana Maria Machado

Estamos vivendo uma época insana,  pessoas  famosas, anônimas, influentes ou não, estão em pé de guerra para defender as suas ideias. Cadê a retórica, o bom papo, a lucidez? Essa crônica de Ana Maria Machado é bastante pertinente, nos convida ao diálogo: Olhos nos olhos (Ana Maria Machado) A“Pátria Educadora” apregoada nos slogans continua nosContinuar lendo ““Olhos nos olhos”, crônica de Ana Maria Machado”

Marcelino Freire e Dalton Trevisan: O (In)feliz e Controverso Encontro da Concisão

Por Gerson de Almeida Quando o sebo aqui do centro da cidade (Jaraguá do Sul – SC) pensar em premiar seu frequentador mais assíduo, não tenho dúvidas de que serei o escolhido. E ai de quem tentar roubar meu quinhão. Pelo menos uma ou duas vezes por mês, passo lá. Se não compro, leio algumaContinuar lendo “Marcelino Freire e Dalton Trevisan: O (In)feliz e Controverso Encontro da Concisão”

Daqui a 100 anos: a minha cápsula do tempo

Estou pensando em uma questão transcendental e inexorável: eu vou passar e esse blog vai ficar aqui. E eu acho isso genial! Será que no futuro esses blogs terão alguma importância? Formarão  parte do conjunto do pensamento 2.0? Dos anos 2000, digo? Eu vou passar, mas as opiniões sobre todos os livros que li aqui ficarão.Continuar lendo “Daqui a 100 anos: a minha cápsula do tempo”