O novo romance do espanhol Carlos Ruiz Zafón


Quem ainda não leu “A sombra do vento” do espanhol Carlos Ruiz Zafón, coloque na lista, o livro é muito bacana!

A história acontece na primeira metade do século XX, na cidade de Barcelona, a atmosfera é misteriosa, intrigante. O personagem Daniel Sampere entra em uma biblioteca, “O cemitério dos livros esquecidos”, e encontra um livro maldito que vai mudar a sua vida. O romance foi lançado em 2001, eu li em 2002, quando cheguei na Espanha, nem tinha esse blog ainda. Vou reler (espero que em breve) para deixar a resenha aqui.

Na sequência, Zafón lançou em 2008 “O jogo do anjo”, que é a segunda parte de “A sombra do vento”.

Depois, em 2012, a história continuou com “O prisioneiro do céu”, e no próximo dia 17 de novembro, virá a quarta sequência, ” O labirinto dos espíritos”, livro muito esperado pelos fãs.

Abaixo, a edição espanhola que será lançada pela editora Planeta:

14183823_1363793190316940_4840548737841620453_n

No site  da editora Planeta Brasil não há ainda notícia sobre o lançamento do livro no país, mas suponho que não vai demorar muito.

Anúncios

Resenha: “A República dos Sonhos”, de Nélida Piñón


– Cuidado, Eulália, desconfie das palavras. Elas tanto afirmam quanto desdizem. E isto por conta da nossa vaidade. ( p.14)

Ler “A república dos sonhos” é ler uma vida inteira. É ler a saga de uma família, três gerações. É ler a história do Brasil, sua política, usos e costumes. É desvendar o sentimento imigrante não importando a nacionalidade, há um sentimento comum a todos. É ler a história da Galiza, suas gentes, lendas e superstições. É descobrir que a família pode ser amor e ódio.

Ler esse livro mostrou- me que o Brasil já está errando há tempo demais. A leitura do Brasil nação é atual e acaba sendo triste. Não evoluímos, o tempo não jogou a nosso favor. Ainda falta muito pra melhorar em todos os setores e temo que esteja muito distante.

De que me vale a riqueza de ter duas pátrias, se as duas me querem dividir, ambas me fazem sentir que não pertenço a lugar nenhum. (p. 182)

A memória, as vozes do passado, raízes, família, pátria, amor e ódio dão o tom da narrativa.

Com esse livro, Nélida Piñon alcançou o nível máximo na excelência da arte literária. Não se pode escrever melhor! Eu havia lido seus contos e “A casa da paixão”, mas essa narrativa prolixa e excepcional, me conquistou completamente! Posso compará- la e colocá- la no mesmo patamar de Marcel Proust, Machado de Assis ou Dostoiévski, nível A. Nélida Piñón é a Proust brasileira! Fiquei muito impressionada com essa obra.  Ah, também lembra “Cem anos de solidão”, de Gabo. Nélida Piñón tem uma escritura fina, rica e elegante. Veja como começa:

Eulália começou a morrer na terça- feira. Esquecida do último almoço de domingo, quando a família se reunira em torno da longa mesa especialmente armada para receber filhos e netos. (…) (p.7)

O primeiro capítulo serve como apresentação do casal protagonista, já idoso, que prepara- se para o final de Eulália, que pressente a morte e prepara- se para tal. Essa obra trata da história dessa família de imigrantes galegos que foram para o Brasil em busca de um sonho. O povo da Galiza tem essa vocação imigrante, na própria Espanha são conhecidos assim. Essas terras galegas não oferecem (até hoje) as melhores condições de vida e trabalho, o tempo inclemente, muita gente vive do mar e da terra, ofícios duros e sem boas  expectativas de futuro, o que os empurra a sair da sua terra. A neta Breta tenta reconstruir a saga da sua família.

– O mar é a minha memória, Venâncio. (…) (Madruga, p. 11)

Alguns personagens:

Eulália: imigrante galega (espanhola), casada com Madruga. Muito religiosa, mãe dedicada, submissa ao marido, resignada, misteriosa. Forte e frágil ao mesmo tempo. Preparou caixinhas com recordações para cada um dos filhos.

Madruga: imigrante galego (espanhol), casado com Eulália. Imigrou adolescente para  Rio de Janeiro com muita força e ganância. Teve sorte, começou a trabalhar em um hotel de um espanhol e logo passou a ser sócio do negócio. Assim começou o seu império. Machista, frio com os filhos e a esposa, os filhos o consideram um déspota.

Venâncio: velho amigo de Madruga e Eulália, chegaram juntos no Brasil em um navio inglês, no ano de 1913. Ao contrário de Madruga, não teve êxito financeiro, era seu empregado. Seus valores e sentimentos eram muito diferentes, mas mantiveram- se unidos até o final. Escreveu um diário, dessa forma podemos conhecer quem é e o que pensa.

Dom Miguel: pai de Eulália

Odete: a servente de Eulália. Apesar da abolição da escravatura em meados do século XIX, a escravidão no Brasil continuou no século XX. Até hoje vemos e sentimos as consequências.

Breta: neta de Eulália e Madruga, filha de Esperança, que morre (“spoilerzinho”!)

Xan: avô de Madruga, distante, mas sempre presente

Urcesina: mãe de Madruga

Ceferino: pai de Madruga

Antônia: filha de Madruga e Eulália

Tobias: o filho mais velho de Madruga e Eulália.

Amália: esposa de Tobias

Esperança: filha de Madruga e Eulália

Bento: filho de Madruga e Eulália

Miguel: filho de Madruga e Eulália

Luís Filho: genro de Madruga e Eulália, casado com Antônia

Tio Justo: irmão de Madruga

Dona Aquilina: a bruxa, uma “meiga” da Galiza

Maria e Viriato, imigrantes portugueses, pais de Cláudio, soldado brasileiro na Itália na II Guerra Mundial. Ele volta, mas sofre problemas mentais provocados pela guerra.


O segundo capítulo começa com a história da família contada em 1º pessoa por Madruga, que nasceu em Sobreira, Pontevedra (Espanha). Com 13 anos, planeja a viagem ao Brasil, a América é o seu sonho, acha que não tem o que fazer naquele povoado, mata virtualmente os pais, tenta retirar todo o vínculo emocional, só assim poderia sobreviver na nova terra. Quem vai e fica emocionalmente dependente dos que ficam, não consegue enfrentar a dor da separação. Ele pede ajuda financeira (a passagem de navio) ao tio Justo, um sujeito solitário e irascível, que migrou para o Brasil, mas retornou, não deu certo.

O livro inteiro é destacável, são 705 páginas magistrais, por motivos óbvios, não vou poder destacar tudo o que eu gostaria. O trecho abaixo, tão atual (a obra foi escrita em 1984, mas poderia ser hoje) dito pelo filho de Madruga, é advogado e está muito insatisfeito com a falta de valores nobres que rege o país:

“– As nossas franquias institucionais sempre representaram uma farsa, padrinho. Começando pelo aparato jurídico que é capenga, amolece diante dos regimes fortes. Por isso nos tornamos todos tiranos. Da estirpe de Getúlio, Médici e outros mais. Oferecemos cafezinho às visitas, que mal nos chegam na soleira da porta, com a chibata na mão. Não temos feito outra coisa que dilapidar um patrimônio que uns chamam de nação, outros de país, ou de pátria. O Brasil vem mentindo para si mesmo a cada hora. E não existe pior elite que a nossa. Ela condena os fracos e os miseráveis ao extermínio ou ao exílio. O exílio do silêncio e da não participação social. Da privação dos direitos humanos.”
(Tobias ao padrinho Venâncio, p. 36)

O advogado Tobias defende as pessoas sem recursos contra a ditadura. Tem muitos problemas econômicos, enfrenta a mulher, pede empréstimos bancários, vai contra o pai, com quem não se dá bem, não gosta do seu autoritarismo, o considera um déspota. Tobias ia na contra- mão dos seus irmãos que acatavam as ordens do pai, que trabalhavam nos negócios dele junto com o genro puxa- saco Luís Filho. Madruga fez fortuna no Brasil.

No entanto, ser imigrante não é nada fácil, uma verdade transportada à ficção de Nélida:

Ganhar a vida, em um país estrangeiro, equivalia no início a dolorosas amputações. A perda da alma e da língua ao mesmo tempo. (p.67)

Essa obra nos conta costumes brasileiros e espanhóis, sob a ótica dos galegos (nascidos na Galiza). O sentimento imigrante é muito parecido, não importa a nacionalidade. Em muitos momentos identifiquei- me, infelizmente, com algumas coisas que não são muito agradáveis de sentir na própria pele, trechos da página 173:

O peso:

“(…) Parecia, então, estar arrastando Espanha às costas, como se fosse uma mochila de couro. Enquanto o Brasil, a despeito do seu conteúdo jovem e falsamente lírico, igualava- se em peso a uma pedra que devesse deslocar sozinho do chão.”

Só o esquecimento salva do mal- estar diário:

“– Não se pode conviver intensamente com dois países mortíferos como o Brasil e a Espanha. Você terá que abrandar um deles dentro da alma. De outro jeito, eles terminam por mata- lo (…)

A sensação de ser um forasteiro, ainda que morando há muitos anos fora:

“(…) Pondo os pés num país que, em movimentos díspares, retinha- o e expulsava- o seguidamente. Somos e não pudesse esquecer que o Brasil não fora a sua primeira manjedoura.”

Venâncio imigrou junto com Madruga. Ele era empregado deste, que enriqueceu com um hotel. Sorte de um e falta da mesma para outro. Venâncio é melancólico, não acaba de arraigar- se no Brasil e sofre. Não tem família, não tem riqueza, parece viver sem esperança. Madruga tem o consolo do dinheiro, do êxito, do sonho cumprido e a ainda família numerosa para completar.

A história acontece na década de 30, períodos políticos complicados, tanto no Brasil quanto na Espanha. No Brasil, o suicida e ditador Getúlio Vargas teve quatro mandatos como presidente que duraram 15 anos. Um golpe militar depôs o então presidente Washington Luiz para entrar Getúlio. Anos de revoltas e assassinatos da oposição, uma história confusa e complexa; na Espanha, também acontecia uma guerra civil (1936- 1939). Ganhou a pior parte, o ditador Francisco Franco, que governou o país durante 36 anos, até a sua morte em 1975. Um longo período em que a Espanha não teve liberdade de expressão, não teve imigração, também não existiam homossexuais e nenhum opositor, já que esses eram eliminados. O mundo estava em pé- de- guerra, em 1939, também explodiu a II Guerra Mundial. Veja (p.176):

13501693_622183117937252_8372127748385535776_n

Quem quiser conhecer melhor a história de Olga Benário leia “Olga”, de Fernando Morais. Esse é um livro que ainda quero fazer uma resenha. A história trágica dessa mulher (e de muitos outros) foi promovida por Getúlio Vargas.

A diferença entre o Brasil e a Espanha? O brasileiro parece desconhecer a história do próprio país. Uma das principais ruas da cidade que eu morava em Feira de Santana, adivinha? “Avenida Getúlio Vargas”. Tenho certeza que a população pensa que foi algum herói. Já na Espanha, os símbolos franquistas da ditadura foram retirados das ruas, praças, cidades.

Os personagens estão inseridos nesse contexto político- social e suas vidas, medos, condutas são influenciados por esses fatos. Venâncio temia que a ditadura brasileira o expulsasse para a ditadura espanhola.

Passado e presente vão intercalando- se entre os cenário do Rio de Janeiro e de Sobreira, na Galiza.

Merece destaque a relação da galega Eulália com a sua fiel empregada Odete, negra, órfã, pobre e totalmente serviçal, sem vida própria. Vivia entregada a servir a patroa sem horários e direitos, muito menos comer à mesa com os patrões. Em 2016, continua igual em muitos lares do Brasil. Na realidade baiana que conheço mais, afirmo sem medo de errar, que muitas faxineiras, cozinheiras, babás, lavadeiras e passadeiras são tratadas praticamente como se não fossem seres humanos. O lugar delas é na cozinha, a relação não é como a de outro profissional qualquer, são tratadas de cima pra baixo, como era a relação do senhor da Casa Grande e do escravo da senzala, de Brasil Colônia. Eu vi, presenciei, ninguém me contou. Espero que algum com essa doença psicológica/social/moral leia isto e caia a cara de vergonha.

Outra coisa: “pegar pra criar” alguma criança pobre, como se fosse um favor, para usá- la como escrava na sua casa, para fazer todas as tarefas domésticas não é ser “irmão ou irmã de criação”, isso tem outro nome: ESCRAVIDÃO! Pois é, na Bahia isso ainda acontece. Irmão é irmão, não é escravo.

Eulália mantinha- se alheia aos acontecimentos políticos brasileiros e do mundo, centrava- se nos afazeres domésticos: “(…) Nada escraviza mais que a devoção integral às panelas, à roda de fiar, aos utensílios, que põem uma tela escura à vista.” (p.376)

A relação entre Madruga, a esposa Eulália e o amigo Venâncio era estranha. Fiquei desconfiada que Venâncio era apaixonado por Eulália e vice- versa, e que o filho mais velho de Eulália era dele, não de Madruga. Venâncio não casou, era muito reservado, solitário e muito preocupado com a situação política da Espanha, não conseguia esquecer da terra natal. Madruga o recriminava o tempo todo,  achava que isso o impedia de ser feliz no Brasil, queria que arranjasse uma mulher, tivesse família, mas Eulália desculpava o amigo e colocava panos quentes. Madruga acabou descobrindo que o amigo adoeceu. Quando o sonho se transforma em pesadelo, Venâncio (p. 183):

– Será que não existe na terra um só lugar que acalme um homem ferido?

Nem todo mundo tem estrutura emocional para ser imigrante. Já vi brasileiros na Espanha perderem a paz, a saúde, o juízo diante do fracasso, seja qual for. Muitos ficam prisioneiros das próprias decisões, não podem ir e nem ficar, mesmo porquê, muitos já nem têm para onde ir. Conheci brasileiros que ficaram com depressão, que se auto- mutilavam, que tiveram derrame, que entristeceram tanto afundando na depressão, que já nem sabiam quem eram. O lado B da imigração que ninguém conta. Se olhar nas redes sociais, parece que todos são ricos e felizes, enquanto carregam uma mochila de fracassos. E presta atenção: nem sempre é questão de dinheiro. Vi gente enlouquecer com a conta bancária recheada. Imigração é assunto complexo que mexe com perdas, como a convivência com a família. Uma ruptura com o passado e todo o conhecido, entre muitas outras coisas, que as pessoas mais sensíveis podem não suportar. Venâncio internou- se na Beneficência Espanhola (p. 185):

– Não estou louco, Eulália. Só preciso adaptar- me à realidade feita por homens como Madruga.

Esse livro fez- me pensar sobre a minha própria condição. A conclusão foi muito positiva. Eu venho de uma tradição imigrante, pais e avós, não somos de criar limo; aliás, a hera, o musgo me remete sempre à sujeira, parasitas, grude, feiúra. Eu deixo o musgo para as pedras, que acumulam taturanas, escorpiões, aranhas e lacraias. Descobri- me uma imigrante orgulhosa. A única coisa que me arrependo é de não ter mudado mais. Além das mudanças interiores, que devem ser constantes, como a de escolher quem deve estar ao meu lado.  A vida é movimento desde que o mundo é mundo; o contrário é a morte.

A história pula para 1969, o golpe militar no Brasil. Breta era militante e teve que exilar- se na Europa. Primeiro na Espanha com o avô, depois foi para a França.

A obra é contada sob várias perspectivas, em primeira e terceira pessoa. “É preciso sentir para saber”. O outro que vê de fora, julga e vê sem conhecimento de causa. Pode mudar a história inteira! As verdades mudam, depende de quem conta.

Há muitos trechos que desvendam a conduta sexual dos personagens, que tem relação direta com suas condutas sociais, psicológicas. Inclusive, daria uma tese interessante “A sexualidade na obra de Nélida Piñón”. Nesse livro e em “A casa da paixão”, já dá um bom material. Deixo como sugestão para quem tiver interesse na área.

A relação entre os irmãos é complicadíssima, amor e ódio. A relação entre os filhos e Madruga, idem. Não é uma história alegre, é triste e complexa. O que me fez chegar à conclusão: a família pode ser a pior inimiga.

O que senti falta nesse livro é uma mais descrição física mais detalhada dos personagens, houve pinceladas, mas tive dificuldade em imaginar a maioria deles. Venâncio magro e de nariz adunco; Madruga, encorpado, de olhos azuis, bonito, o mais bonito da família. Miguel, o mais bonito dos filhos, e pouco mais, não há muitos detalhes para ajudar na visualização dos personagens.

A dificuldade com a nossa língua, do diário de Venâncio, que serve como reflexão (p. 376):

A conquista desta língua portuguesa me é penosa. Trava- me a língua, quando falo. Ela é tirânica e traiçoeira, e não basta conhecê- la. sobretudo devo vencer aqueles sentimentos subalternos, disciplinares e canónicos, de que ela se reveste. Esta língua lusa, como todas as outras, organizou- se de forma a impedir que o povo tome a si e rompa- lhe os grilhões. Os senhores da língua sempre temeram que o povo convivesse com aquela camada subjacente da língua, capaz de conduzi-lo à apostasia do imaginário. À liberdade.

O Brasil tem um “karma”, uma sorte, destino ruim, não pelo seu início, mas porque ainda não se redimiu dos seus pecados. Estagnou. Os ricos de sempre, as famílias tradicionais, conquistaram a sua riqueza com sangue e exploração dos escravizados, mais frágeis e desvalidos; os novos ricos, idem, exploram a riqueza e mão-de-obra barata. Sempre desconfio dos que fazem fortuna, porque essa sempre depende da pobreza alheia. Infelizmente, isso está instituído. O Brasil não é um país justo. O abismo social e financeiro, o apartheid  continua no ano 2016. Tais diferenças são mais notórias ainda no norte- nordeste do país.

Tobias considera Venâncio o seu pai, na verdade, o seu padrinho. Ele não gosta, tal como Venâncio, de como Madruga fez a sua fortuna. Eles têm consciência dos problemas do Brasil e de como foi construído.

(…) O Brasil era todos nós. Desgarrados e melancólicos. Seríamos, em conjunto, as falências e aspirações desta nação. (p.385)

 Temos a sensação de que o brasileiro estende tapete vermelho para os estrangeiros, mas não é bem assim. Depende. Depende do bolso do estrangeiro. Se for recheado é bem aceito. Vemos a imigração pobre que chega da América do Sul e os haitianos, depois do terremoto, serem desprezados, mal recebidos. O mito do brasileiro “acolhedor e gente boa”, é isso, só um mito, já que é seletiva. Venâncio (p. 574):

– Quando desembarquei no Rio de Janeiro, lá pelos idos de 1913, fui recebido com suspeitas. Como se fosse um salteador, um assassino. O Brasil tinha vergonha da própria origem. E demonstrava um sentimento de oposição ao estrangeiro.

Esse livro me fez pensar sobre a história do nosso país. Quem somos? De quantas nacionalidades somos feitos? O Brasil composto de imigrantes de todas as raças, privilegiando umas mais que outras. O resultado não está sendo bom. O Brasil está em dívida, uma dívida muito alta e difícil de saldar. Viramos o século, mas parece que certas coisas nunca mudam.

A obra também vai te levar até a Galiza. Para quem se interessa por essa região da Espanha (ou não) é muito interessante.

A sina do imigrante, sair de onde saiu, mas não saber aonde irá terminar:

nelid

Parece que a república dos nossos sonhos, de estrangeiros e nacionais, ainda é um projeto para as futuras gerações.


Nélida Piñón (Rio de Janeiro, 03/05/1937) é filha de Lino Piñon Muiños e Olivia Carmen Cuiñas Piñon, galegos. A sua origem foi o motivo da escritura dessa obra. Nélida entrou para a Academia Brasileira de Letras em 1989 e foi a primeira mulher a presidi- la. Ganhou prêmios importantes como o Jabuti no Brasil e o Príncipe de Astúrias na Espanha.

Veja aqui a resenha de “O calor das coisas”, contos de Nélida e “A casa da paixão”.

A autora com sua cadelinha Susi (ela tem outro chamado “Gravetinho”. A escritora é solteira e não tem filhos, optou pela liberdade (inteligente e esperta!). As fotos foram tiradas na sua casa no Rio de Janeiro com vistas à Lagoa.

img-645725-nelida-pinon20141125151416937505

img-645729-nelida-pinon20141125151416937558Fotos de Cadu Pilotto para a revista Caras


Nélida é uma das escritoras brasileiras mais lidas na Espanha. Aqui é possível encontrar sua obra em português e espanhol. Veja aqui nessa livraria em Madri seus livros na estante.

Eu tive o privilégio e  orgulho de entrevistar a autora para a Revista BrazilcomZ, no último mês de março. Linda entrevista, Nélida deu uma aula de literatura, de vida e humildade, realmente uma pessoa e escritora muito especial! Você pode ler online a revista (páginas 13-17):

2

1

Eu sempre me sinto realizada depois de ler um livro assim, uma obra “master blaster”. A edição lida foi essa, da editora portuguesa Círculo de Leitores, que precisa ser revisada, há erros, não da autora, mas de quem diagramou o livro. Há palavras separadas inadequadamente, deslizes de revisão.

pinonPiñón, Nélida. A república dos sonhos. Círculo de Leitores, Lisboa, 2014. 705 páginas

Ps: Estou de férias e escrevi esse post do celular. De antemão, peço desculpas pelos eventuais erros no texto. Quando chegar em casa irei revisar.

Quer colaborar com o Falando em Literatura?


Tem vontade de publicar, mas não tem coragem? Nós te damos a oportunidade!

Resenhas críticas, artigos de opinião, crônicas, notícias, tudo o que envolve o mundo da literatura, cinema e artes em geral, tudo é muito bem- vindo!

Escreva para: falandoemliteratura@gmail.com e faça parte da nossa história!

Portrait of diligent pupil sitting on pile of books and looking at camera

“Olhos nos olhos”, crônica de Ana Maria Machado


A“Pátria Educadora” apregoada nos slogans continua nos dando lições. E não apenas com oportunos lembretes sobre a herança greco-romana, neste momento em que historiadores protestam contra a alarmante notícia de que a nova Base Nacional Comum Curricular pretende abolir de vez o estudo da antiguidade ocidental, da Idade Média, do Renascimento e do Iluminismo, além de promover uma degola geral em outros temas. Para salvar um pouco da influência clássica, o Ministério Público e a Polícia Federal vão batizando suas ações de modo a nos lembrar alguns pontos dessa rica contribuição cultural. A Operação Erga Omnes sublinhava que a lei se aplica a todos e ninguém a ela está imune, nem mesmo poderosos empreiteiros. A Operação Catilinárias trouxe à memória os discursos de Cícero contra o corrupto conspirador Catilina no Senado romano. Também em dezembro, com seu nome a se referir aos bem situados e bem postos em cargos estratégicos, a Operação Positus foi deflagrada para apurar fraudes e desvios de milhões do fundo de pensão dos Correios, o Postalis.

Mas nem só de latim vive a educação.

Entre as lições que recebemos nesta Pátria Educadora, uma das mais recentes e necessárias nos foi dada em dezembro pelos ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes, no STF, por ocasião do julgamento do rito do impeachment: pessoas consideradas de campos totalmente opostos podem estar de acordo, em assuntos fundamentais e da maior importância, com argumentos poderosos. Foi o que se viu nos votos dos dois na ocasião. Por mais surpreendente que pudesse parecer. Quem não concordava com a opinião deles nesse momento, como a maioria dos juízes que seguiu o voto do ministro Barroso, podia se basear também em um raciocínio igualmente lógico, convincente, bem fundamentado e respeitável. Ou seja, ninguém é dono da verdade. Conversar com amigos (ou mesmo desconhecidos) pode nos mostrar outro ângulo da questão. Não precisamos de um Fla-Flu simplório e redutor, repetindo posições previsíveis, frases feitas e xingamentos, como o que nos últimos tempos parece dominar qualquer possibilidade de troca de ideias e entendimento de outros pontos de vista, diferentes dos nossos.

Esse fenômeno não é novo. O “nós contra eles” se acentua a cada campanha eleitoral, insuflado pela estratégia marqueteira de transformar adversário em inimigo. Piora muito com o uso de redes sociais em reações exacerbadas e imediatas, muitas vezes manipuladas. Piora mais ainda quando políticos se esquecem de que poderiam, ao menos, pensar no país em primeiro lugar e ter como meta alguma imagem de estadista — mesmo como simples modelo remoto.

Precisamos interromper esse abandono da velha e boa conversa, agora substituída por agressões e ameaças. Não querer impor nossa visão. Ouvir os argumentos alheios. E, se não nos convencem, argumentar de volta, em vez de desqualificar o outro. Mais razão e menos paixão.

Sabemos que, ao se eleger por pequena diferença, a presidente não fez o gesto de estender a mão aos adversários. Mas também o adversário, que elegantemente soube reconhecer a derrota e cumprimentar a vencedora, em pouco tempo estava mudando, em busca de atalhos fáceis (como sugestões de recontagem de votos e alianças diabólicas em busca de impeachment). Foi uma pena não ter se mantido fiel a sua promessa inicial após a eleição — a ideia de que a oposição iria constituir um shadow cabinet e que esses especialistas, ministros na sombra, produziriam um projeto alternativo para o país, enquanto não chegasse sua hora de ocupar o poder. Teria sido útil.

Quem acabou propondo possíveis saídas, com “Uma ponte para o futuro”, foi o PMDB, da base aliada. Sua Excelência, o Fato, traz a lógica ao debate. E algumas reformas estruturais inevitáveis, como idade mínima para a aposentadoria, o fim de privilégios inaceitáveis na área de pensões e flexibilização de regras trabalhistas vão aos poucos sendo ventiladas pelo próprio governo — que chega a admitir erros, pela boca do ministro da Casa Civil. Agora até mesmo a presidente reconheceu que não soube avaliar as consequências de sua política econômica. Antes tarde do que nunca.

Pode-se, por exemplo, debater o parlamentarismo, tema levantado logo no início da crise por Eduardo Jorge, do PV, e, em seguida, mantido em foco por políticos de um espectro variado, de José Serra a Roberto Freire, passando por formas híbridas de semipresidencialismo e semiparlamentarismo, lembradas por outros. Não para mudar as regras no meio do jogo e reduzir os poderes de alguém eleito segundo outro modelo. Mas para o futuro, a fim de que o assunto deixe de ser tabu ou remédio mágico, lembrado apenas quando se evidencia que o sistema de pesos e contrapesos não está funcionando a contento e faz falta a garantia constitucional de uma função moderadora.

E no plano pessoal, em vez de hostilidade e ameaça de olho por olho, ainda é bom ouvir Chico: “Olhos nos olhos quero ver o que você diz”.

O Globo, 09/01/2016

Daqui a 100 anos: a minha cápsula do tempo


Estou pensando em uma questão transcendental e inexorável: eu vou passar e esse blog vai ficar aqui. E eu acho isso genial! Será que no futuro esses blogs terão alguma importância? Formarão  parte do conjunto do pensamento 2.0? Dos anos 2000, digo?

Eu vou passar, mas as opiniões sobre todos os livros que li aqui ficarão. Pelo menos para que a minha filha leia. Oi, filha, será que você está lendo isso? E os meus netos? Oi, queridos netos, vovó já os amava antes mesmo de serem projeto de gente! hahaha.

Que importância isso pode ter? Não sei. Nenhuma, provavelmente, a não ser para deixar uma marca pública da minha passagem pela Terra. Gosto da ideia de deixar algum pensamento meu plantado para o futuro. Isso é um livro virtual. É sim.

É legal dialogar com o futuro. Durante uma fase eu pensava mais no passado do que no futuro, isso era meio deprimente e nostálgico; pensar no futuro é mais interessante, porque tudo é possibilidade e sonho. Tudo pode acontecer. O passado já está sacramentado, nada pode ser diferente, cristalizou. A única coisa ruim do tempo é que a gente vai tendo menos tempo. Morrer só é ruim, porque dá pena deixar as pessoas e coisas que amamos. “Coisas”, como tomar um café gostoso ao acordar, ler um bom livro, caminhar ouvindo minhas músicas preferidas, olhar as estrelas…  esse tipo de “coisa”, nada material. A morte em si não é ruim, deve ser uma aventura, uma viagem onde a alma viaja livre, sem a limitação do corpo. Eu acredito na imortalidade da alma. A morte deveria ser matéria na escola e ninguém deveria sentir medo. Deveriam preparar- nos pra morrer e para perder quem amamos. E isso não é nada mórbido, evitaria muito sofrimento inútil. Por que falar de morte é tabu?

Daqui a 100 anos, creio que tudo vai estar muito parecido, algumas coisas melhores outras piores, mas algumas serão geniais. A Ciência e a Tecnologia irão evoluir bastante, mas as desigualdades sociais, catástrofes naturais e meio ambiente, estarão piores. O homem, o mundo,  são feitos mesmo de contrastes.

Acho que ninguém irá morrer por causa de câncer, mesmo em estágios avançados, porque a regeneração celular será possível em qualquer tempo; a natureza estará muito mais deteriorada e algumas pessoas irão morrer de calor ou de frio, as temperaturas serão extremas no verão ou inverno. Haverá mais catástrofes naturais.

As guerras no Oriente Médio serão as mesmas; a fome na África, idem. Os ricos estarão mais ricos que nunca e os pobres, já sabem.

Novas profissões irão surgir, como os “coaches” mentais, que ensinarão as pessoas o domínio próprio e alheio das forças da mente. Será possível mover objetos e controlar doenças psicológicas como as depressões e ansiedade, porque os cientistas irão descobrir o ponto exato do cérebro, poderemos dominar essas esferas. A alma será cada vez mais paupável.

O catolicismo estará agonizando e o Brasil será uma grande maioria evangélica.

Todos os carros serão elétricos. Sou mais realista que Marty MacFly (do filme “De volta para o futuro”) que pensou que em 21 de outubro de 2015 existiria carros voadores, skates voadores e afins.

Veneza estará abaixo do mar.

Livro em papel será objeto de museu.

Daqui a 3, 4 gerações (mais de 100 anos), metade da população mundial terá sangue chinês.

O Brasil terá outra moeda, o real será coisa do passado.

Mas, agora vou parar de falar de como acho que será o futuro e vou falar como é o presente para que os nossos descendentes não repitam os mesmos erros.

Um dos piores problemas do nosso tempo é a solidão e o desamor. Tentem não ficar sozinhos e cultivem amores, de todos os tipos.

Aqui no nosso tempo, todo mundo só pensa em dinheiro. Todos, sem exceção. Dinheiro é o início, meio e fim de tudo. E ninguém é feliz.

O consumismo impera, não existe consciência ecológica.

Ainda existe petróleo e pouco pensa- se em energias renováveis. A água anda escassa em vários lugares do mundo. Ninguém está preocupado, exceto os cientistas sem voz.

Não existe pensamento de bem-estar  comum. O ser humano e seu umbigo.

O político corrupto é problema generalizado no mundo.

A honestidade vira notícia  de jornal.

Mata- se e rouba- se por muito pouco.

O casamento é uma instituição falida. A maioria finge que é feliz, conforma- se, leva dupla vida ou empurra com a barriga. Ah, e mais da metade acaba em divórcio pra casar de novo e ser infeliz mais uma vez. Espero que vocês aí do futuro tenham encontrado alguma forma de relacionamento mais honesta e sincera, sem papéis, prisões e promessas impossíveis de serem cumpridas.

O funcionalismo público no mundo funciona mal por causa da burocracia e incompetência.

As pessoas estudam pouco, lêem pouco e muitas fingem que o fazem. O mesmo serve para o trabalho.

A vida cotidiana é tremendamente injusta; alguns terão tudo sem fazer nada, nem merecer. Merecimento aqui no nosso tempo não vale muita coisa.

As pessoas trabalham muito, divertem- se pouco, dormem pouco. Em contrapartida, muita gente está desempregada.

Todas as coisas, as mais importantes, são conseguidas por uma rede de amizade e de favores.

A sinceridade é considerada falta de educação.

O otimismo está em baixa. Mas a esperança ainda continua firme e forte.

As relações virtuais substituíram as reais. As crianças, principalmente nas grandes cidades, brincam mais com máquinas, que com outras crianças, desde muito cedo.

O sintético e a estética são mais importantes que a ética.

Espero que vocês aí no ano 2115 sejam mais espertos, mais humanos, mais saudáveis, que as estruturas sociais sejam mais justas e que não impeçam ninguém de serem quem são e que tudo de ruim que eu comentei aqui seja só coisa do passado.

Entrevista com Edney Silvestre


Originalmente publicada na revista impressa BrazilcomZ (Espanha), nº93,  julho de 2015. Leia a revista online.


EDNEY SILVESTRE

Sou testemunha do sofrimento, do isolamento, da solidão, das dores e tristezas de quem foi obrigado, seja por que razão for, a viver fora de sua terra.

Entrevista exclusiva com o grande jornalista da Rede Globo, Edney Silvestre (Valença, Rio de janeiro, 24/04/1950), que publicou sua primeira obra “Se eu fechar os olhos agora” (2010) depois dos 50 anos, “como Henry Miller e Cervantes”, livro premiado com o Jabuti. O autor revelou que está trabalhando em um novo livro de contos. Mostrou- se incômodo com a visão de alguns franceses sobre os brasileiros no Salão do Livro de Paris: Os franceses, muitos deles, ainda nos vêm – nós, os criadores de cultura no Brasil e na América Latina – como papagaios exóticos. Quanto mais coloridos e barulhentos formos, mais eles consideram que se trata de “autêntica literatura latino-americana”. E também comenta sobre a questão da imigração, da solidão, da leitura no Brasil e alguns temas polêmicos. Leia a entrevista completa:

ed

O escritor e jornalista Edney Silvestre de 65 anos, de origem humilde, forjou uma bela e sólida carreira no competitivo mercado de trabalho brasileiro. (foto: Leo Aversa)

(F.S.) No seu último livro, “Boa noite a todos”, a capa sugere um personagem suicida, o leitor já tem essa informação prévia. Com a leitura da obra, certamente vai perceber que Maggie não tem saída. O que você diria ao leitor que pode pensar que você foi excessivamente pessimista?

(E.S.) Maggie tentou todas as saídas que lhe eram possíveis. Desde o começo da sua vida, porém, o destino, ou que nome se dê aos acontecimentos que nos formam, foi cruel com ela. Sua mãe, prostrada pela depressão, a ignorava. Seu pai foi-se para outro país, onde se casou com uma mulher igualmente alheia às necessidades da menina Maggie. Harry poderia ter sido seu porto seguro. Entretanto ela, jovem demais para entender a complexidade do rapaz, afastou-se dele. E por aí foi, abraçando o mundo glamoroso e vazio das celebridades. Não fui pessimista. Ao final Maggie ganha o alívio na memória e na arte – no caso a música de Richard Strauss.

(F.S.) Além de ser um escritor que conseguiu o respeito da crítica especializada conquistando um lugar de destaque na literatura contemporânea, com vários prêmios, antes você já era jornalista de primeiro escalão. Atualmente, apresenta o Globo News Literatura e é repórter especial da TV Globo. Você pretende transformar algum dia a literatura na sua principal atividade?

(E.S.) Gosto de chegar à redação e estar com os colegas jornalistas, gosto de sair para fazer reportagens na rua, gosto de escrever reportagens, gosto de editar imagens e textos de reportagens. Quando penso no meu futuro – e penso pouco, minha preocupação é com o aqui e agora – não me vejo fora do jornalismo. Quando, finalmente, publiquei meu primeiro romance, “Se eu fechar os olhos agora”, eu era jornalista há mais de 3 décadas. Continuo. É uma profissão que me permite estar sempre em contato com o real, que vem me dando a chance de conhecer profundamente o meu país e os brasileiros, assim como me leva a entender melhor as contradições da história contemporânea ao me fazer testemunha de acontecimentos como os atentados terroristas em Nova York em 11 de setembro de 2001, o horror sofrido pelo povo no Iraque, a dor das vítimas de furacões em Honduras, o desencanto e a esperança na vida de Cuba.

ed2

No lançamento de “Boa noite a todos”, seu último romance. (Foto: Vera Donato)

(F.S.) Vender muitos livros é sinônimo de sucesso? O que é o sucesso pra você?

(E.S.) Gabriel García Márquez vendia muitos livros. Salinger vendeu muito, também. Jorge Amado foi um autor best-seller. Um colombiano, um americano, um brasileiro. São apenas três, dos muitos exemplos, de escritores de qualidade com obras acatadas por um grande público. Sucesso, sem dúvida. A permanência deste sucesso, no entanto, é outra história. A morte, em geral, apaga alguns escritores da lembrança dos leitores. Falo no sentido do grande público, aquele que transforma um romance como “Amor em tempo de cólera” em fenômeno de vendas. Ainda que este trio Amado-Salinger-Marques não se encontre hoje nas listas dos mais vendidos, continua sendo cânone, continua sendo referência, como continuam os menos lembrados e outrora escritores de enorme sucesso, como Rachel de Queiroz e João Ubaldo Ribeiro.

(F.S.) A pós- modernidade lançou diversos escritores midiáticos, que exercem profissões paralelas (atores, cantores, humoristas e padres), o que gera muita desconfiança na crítica, a maioria com fundamento, já que são obras inexpressivas e sem valor artístico- literário. Edney Silvestre, jornalista e um rosto conhecido no Brasil. Com a publicação do seu primeiro livro, como viveu esse período de prova? Sofreu algum estigma, mesmo sendo jornalista e tendo familiaridade com a escritura? Com expectativa, ansiedade ou não te afetou?

(E.S.) Eu não era uma celebridade quando lancei meu primeiro romance, nem o sou agora, portanto não me encaixaria na categoria “escritor midiático. Sempre escrevi textos de ficção, apenas publiquei meu primeiro romance depois dos 50 anos. Cervantes também publicou depois dos 50. Henry Miller foi outro. Sou, fui e serei meu crítico mais atento. Se, mesmo com os prêmios literários que ganhei, eu ainda tivesse dúvidas se me acolhiam porque eu era jornalista de televisão, essas dúvidas teriam se dirimido com a publicação de meus romances na França, na Grã-Bretanha, na Sérvia, na Holanda, em Portugal, na Itália e na Alemanha – onde ninguém tinha a menor ideia de quem eu era. E, aliás, continua não tendo. E ainda assim leem minha obra.

(F.S.) Você já entrevistou diversos escritores consagrados, como é estar do outro lado, ser o entrevistado? Sente- se confortável falando de si?

(E.S.) Eu tenho muito prazer em conversar – e ouvir – pessoas inteligentes, como José Saramago, João Ubaldo Ribeiro, Adélia Prado, Nardine Gordimer, Milton Hatoun. Aprendi e aprendo com essas pessoas. Quando estou do outro lado, e estou sendo entrevistado por alguém que se preparou, pesquisou, estudou, leu minha obra, tenho a chance de repensar e analisar o que fiz, porque fiz, como fiz. É um prazer, também, de outro tipo. Mesmo que eu não consiga responder a essas questões.

(F.S.) Em “Vidas provisórias”, você narra a vida de imigrantes brasileiros no exterior. Você também já esteve nesta situação. O que emprestou das suas experiências aos personagens do livro? É verdade que os seus personagens viveram situações pessoais extremas e difíceis, mas você acredita que exista um ponto de intersecção entre todos? Você também sentiu em algum momento a sensação de perda de identidade? De ter que se reinventar? E a solidão?

(E.S.) Sou testemunha do sofrimento, do isolamento, da solidão, das dores e tristezas de quem foi obrigado, seja por que razão for, a viver fora de sua terra. É muito, muito duro. É claro que não me refiro aos ricos empresários ou artistas que se divertem em temporadas passadas em suas belas e confortáveis casas e apartamentos em Paris ou Miami, indo a bons restaurantes e assistindo a espetáculos bacanas. Falo das pessoas que ralam, que trabalham duro, que se sentem discriminadas. Fui morar nos Estados Unidos com visto de trabalho, o que fazia de mim um privilegiado. Mas convivi com gente que temia ser pego pela imigração e deportado, aquelas pessoas que precisam trabalhar, seja no que for que aparecer, para não apenas se sustentarem, mas também mandarem dinheiro para suas famílias que ficaram no Brasil. Nunca senti que perdia a identidade pois creio que o brasileiro não a perde, de forma alguma. Quanto à solidão… Essa eu conheci desde muito cedo, com pouco mais de 15 anos, quando me mudei de minha cidade no interior para o Rio de Janeiro.

(F.S.) A crítica negativa incomoda? Você lê tudo o que escrevem sobre seus livros? Acompanha o retorno dos leitores? Lê as resenhas dos “blogueiros”?

(E.S.) Tem uma frase ótima que o dramaturgo Edward Albee me falou numa entrevista, quando eu comparei as boas críticas que tinha recebido na época da peça “Quem tem medo de Virginia Woolf”, das ruins que deram à sua peça mais recente (então), “A cabra”. Ele me disse mais ou menos assim: “Se elogia, eu considero (o crítico) inteligente por ter percebido minhas intenções; se fala mal, é porque trata-se de um tolo”.
aaaaa

O amor à literatura chegou muito cedo, ainda menino, quando sofria de anemia profunda e ficava na lendo na cama. O escritor em Paris com a tradução francesa de “A felicidade é fácil”.

(F.S.) Os seus livros ganharam traduções em vários idiomas. Como está sendo a recepção da sua obra pelo leitor estrangeiro?

Muito além do que eu jamais poderia imaginar. Na França o jornal Le Monde e a revista L’Express aplaudiram meus dois romances publicados ali, em Portugal e na Holanda idem, o inglês The Guardian e o alemão Stern me deram página inteira nas resenhas elogiosas a “Se eu fechar os olhos agora” e, no ano passado, “A felicidade é fácil” foi considerado um dos dez melhores romances policiais do ano na Inglaterra. Ano que vem “A felicidade é fácil” sai na Alemanha.

(F.S.) Você acha que já escreveu a sua obra- prima ou esta ainda está para ser escrita?

(E. S.) Será que um escritor com um mínimo de senso crítico, mesmo aquele com ego gigantesco, acha mesmo que escreveu, ou está escrevendo, ou acabará por escrever uma obra-prima? Nos estados unidos eles, os autores, sempre se referem à tentação de escrever “o grande romance americano” que estaria por vir. Isso os esmaga. Não acredito que Saramago pretendeu, jamais, escrever uma obra- prima. Entretanto deixou-nos seu Evangelho. Drummond deixou-nos várias obras- primas – e sempre se disse um aprendiz.

(F.S.) Está escrevendo algum livro? Já tem o título da sua próxima obra?

(E.S.) Estou construindo em um livro de contos onde tenho a chance de experimentar temas e linguagens. É possível que venha a publicar no ano que vem. Ainda não tenho um título definitivo, embora eu venha trabalhando desde o ano passado com um.

rrrrrr

O escritor na biblioteca do seu apartamento no Leblon, no Rio de Janeiro (foto: Revista Quem)

(F.S.) Edney leitor. Quais são os seus livros favoritos? Quais autores são essenciais na sua biblioteca?

(E.S.) Não tenho favoritos, Fernanda. Gosto de ler, ponto. Leio de tudo, inclusive quadrinhos, quadrinhos mesmo, tipo Tio Patinhas e Asterix. Se tomar como guia os livros que tenho em minhas estantes: toda a obra de Drummond, toda a obra de Graciliano Ramos, toda a obra de Guimarães Rosa, toda a obra de José Saramago, muita coisa de Eugene O’Neil e Tennessee Williams, muita coisa de Fernando Pessoa, a obra completa de Machado de Assis, todo Cervantes, quase tudo do teatro de Nelson Rodrigues, um tanto de Marguerite Duras, outro tanto de Camus, praticamente tudo o que se conhece de Shakespeare (nao lido na maior parte), Elizabeth Bishop, muitos livros de Patricia Highsmith, Georges Simenon e F. Scott Fitzgerald.

(F.S.) Edney escritor. A alteridade, viver outros “alguéns” provoca desconforto, angústia, alívio, salvação, redenção? Como é o seu processo criativo?

(E.S.) Um escritor é um canal para transmitir vozes, desejos, ânsias, frustrações, esperanças de seu tempo. E tenta ser o canal mais limpo e aberto possível. Eu tento.

(F.S.) Livro tradicional ou livro digital? Você aderiu aos e- books?

(E.S.) Livro, ponto. Leio em ambas as formas. Digital é mais prático, sem dúvida. Mas nem vale a pena comentar, pois está afundando no mundo inteiro.

(F.S.) Brasileiro ainda lê muito pouco, mesmo na era digital com muita literatura gratuita na rede (muitos ainda não têm acesso à Internet). Como formar leitores no nosso país que, infelizmente, ainda não tem como prioridade a Educação?

(E.S.) Os números mostram que o brasileiro lê cada vez mais. Basta ver as pesquisas da SNEL. De onde você tirou essa conclusão que lê pouco? Educação tem que ser política pública. De que adianta comentar aqui? É política pública, não pessoal.

ed5

No Salão do Livro de Paris (2015)

(F.S.) Como foi participar do Salão do Livro de Paris 2015 como autor convidado?

Os franceses, muitos deles, ainda nos vêm – nós, os criadores de cultura no Brasil e na América Latina – como papagaios exóticos. Quanto mais coloridos e barulhentos formos, mais eles consideram que se trata de “autêntica literatura latino-americana”. A culpa é do Gabriel Garcia Marques, que escrevia esplendidamente tramas que jamais poderiam se passar senão em selvas, cidades perdidas, verdejantes, habitadas por personagens peculiares, carregando amores ao longo de séculos. Ele era uma força original. Nada tinha de “papagaio exótico”. Mas aqueles que encaram superficialmente nossa cultura não entendem isso. E só querem reconhecer, no caso do Brasil, o “soft power” de samba, mulatas e futebol. Falei contra isso o tempo todo. Espero ter aberto a cabeça de alguns. Outros se irritaram. Incitei-os a lerem o que me parece a literatura mais original e diversificado do mundo neste momento, a brasileira, que reúne autores tão diversos quanto Milton Hatoun, Luiz Ruffatto, Alberto Mussa, Nélida Piñón, para citar apenas quatro contemporâneos.

(F.S.) Você ganhou o prêmio Jabuti em 2010 com “Se eu fechar os olhos agora”, sua obra de estreia, com os votos da crítica especializada e depois perdeu para Chico Buarque, que foi votado pelo público, mas continua sendo o ganhador moral. Existe algum constrangimento entre você e Chico por causa dessa história?

(E.S.) Não conheço Chico Buarque pessoalmente, não frequentamos os mesmos lugares, não temos amigos em comum. Ele é uma instituição, autor de clássicos da MPB como “A banda” e “Sabiá˜, vencedor de vários prêmios literários. Chico Buarque nunca disse uma palavra desabonadora a meu respeito, mesmo tendo perdido o Jabuti de Melhor Romance para mim, um autor estreante, mesmo depois de toda a campanha que reuniu mais de 15 mil assinaturas . Tem sido elegante, espero me comportar da mesma maneira.

eeeee

Edney foi correspondente internacional da Globo em Nova York, foi o primeiro repórter a chegar no local do atentado terrorista às Torres Gêmeas em 2001.

(F.S.) Você é muito ativo nas redes sociais, usa Facebook, Instagram, Twitter. O que essas redes trouxeram de bom e de ruim? Qual o saldo?

Gosto de conhecer pessoas, gosto de papear, nós do interior somos assim, colocamos a cadeira na calçada e falamos com quem passa. É como vejo as redes sociais. Saí do Messenger recentemente, por conta de assédio de quem só se aproximava porque queria ser entrevistado no programa de literatura da Globonews. Passei anos explicando cordialmente que aquela era uma página pessoal, que a página a procurar era a do Globonews Literatura. Porém, após algumas agressões gratuitas e exibições de vaidade, entendi que era melhor cair fora. Muito do aumento da leitura de livros, hoje, deve-se ao incentivo trazido pelas redes sociais. Particularmente para leitores com menos de 35 anos.

(F.S.) Sobre o Acordo Ortográfico entre os países lusófonos. Contra ou a favor? Já aderiu à nova ortografia?

(E.S.) Não fui chamado a opinar antes da decisão. Ninguém é consultado. A decisão fica numa esfera totalmente fora do alcance. Depois dela, os livros didáticos têm que ser impressos novamente, milhões deles. Todos os livros, enfim. A quem isso beneficia? Mas já foi, está feito. Não adianta nada comentar agora.

(F.S.) E qual a sua relação com a Espanha? Conhece bem o país? Quando vem nos visitar?!

(E.S.) Gostarei muito quando meus livros forem publicados na Espanha, o que ainda não aconteceu. Sinto uma grande identificação com a cultura iconoclasta que deu origem a Gaudi, a Buñuel, a Cervantes, a Garcia Lorca, a Picasso, a Almodóvar.

(F.S.) Dá para definir o que é a literatura na sua vida em três palavras?

(E.S.) Acho que não. (risos) Tem três palavras na frase, não é mesmo?        

                                                                                                        

Exclusivo para o Falando em Literatura: Lúcio Autran


O escritor Lúcio Autran (Rio de Janeiro, 1957) é poeta e filho do grande e saudoso Autran Dourado (Patos de Minas, 18/01/1926 – Rio de Janeiro, 30/09/2012). Lúcio escreveu este artigo, “Práticas  editoriais no Brasil: no fio da inconstitucionalidade e da ilegalidade”, extremamente necessário, uma chamada de atenção sobre a edição no Brasil. Qual o seu poder, direitos, deveres e conduta?


11350195_902292486504390_374422240_n

Lúcio Autran na Espanha há seis anos (Arquivo do autor)

Você sabia que as editoras não pagam impostos, têm isenção fiscal, mas não estão cumprindo suficientemente bem com o seu papel, o retorno social que tal isenção lhes obriga?  Leia:


PRÁTICAS EDITORIAIS NO BRASIL: NO FIO DA INCONSTITUCIONALIDADE E DA ILEGALIDADE

Tratarei de um tema que, no Brasil, embora pouco falado, bem menos do que mereceria, tem se limitado ao terreno da ética ou mesmo da boa vontade do chamado “mercado editorial”. Todavia, pretendo dar aqui um enfoque com alguns fundamentos jurídicos, para um maior questionamento institucional e subsídios para um discurso mais consciente e consistente.

Como é assunto que não interessa apenas à chamada “comunidade jurídica”, advogados e estudantes, mas a escritores, poetas, leitores e todos aqueles que se interessam por literatura e artes em geral, não publicarei apenas no blog que ora inauguro, voltado para aquela área, mas também no que escrevo, mais direcionado para a poesia e para a ensaística (ah, essa esquizofrenia de ser poeta em nosso país), e, justo por isso, cuidarei de, senão evitar, pois existem algumas tecnicalidades difíceis de serem contornadas, se quiser abordar o problema com alguma profundidade, não abusar dos termos excessivamente técnico-jurídicos, o popularmente conhecido “jurudiquês”, e, pelos mesmos motivos, tentarei ser o mais didático possível, tentando ilustrar com exemplos. E não pretendo esgotar o tema, muito ao contrário, o que desejo é levantar a discussão, oferecendo fundamentos jurídicos. A ver se serei bem sucedido.

Como disse acima, a questão do nosso mercado editorial tem sido abordada a partir de uma conduta (a)ética, por parte de nossos editores, o que além de ser perda de tempo, é terreno por demais subjetivo, e que tende a se tornar essencialmente emocional, logo, mais tempo perdido. Há algum tempo escrevi um livro de ensaios sobre a questão da autopublicação, a pirataria e os direitos autorais em nosso tempo, óbvio que ali abordei a questão também do ponto de vista jurídico e mais profundamente. Mas alguns episódios recentes, fartamente noticiados, me fazem voltar ao assunto.

Dois deles, dentre tantos que me têm irritado, reavivaram a discussão que havia deixado de lado, dedicado que estou a assuntos outros. Como prometi trabalhar com exemplos, ficam os dois, mas há mais, muito mais.

Recentemente, vi que uma grande editora publicaria, com alarde, um livro de poemas de um recém-condenado por corrupção, formação de quadrilha e crime contra o patrimônio público, a tão conhecida como vilipendiada “coisa pública” (res publica). Nada a objetar, ao menos em princípio, afinal, Jean Genet produziu prodigiosa literatura a partir das margens gradeadas da sociedade, embora não com patrimônio público, além de um exemplo mais próximo a nós, as “Memórias do Cárcere”, de Graciliano Ramos, igualmente ao largo da coisa pública.

Entretanto, o que me exasperou foi que essa publicação claramente se devia, não ao conteúdo poético da obra e a alguma tardia vocação literária, enfim, a qualidade estética das poesias do autor, ou mesmo, um perdoável, embora não muito recomendável, senso de oportunidade do dinâmico empresário das letras. Não, o que havia ali era o mais puro, deslavado e ausente de caráter oportunismo. Importante frisar aqui que esse meu comentário (ó tempos politicamente difíceis!) passa ao largo de qualquer conotação ideológico-partidária, antes que seja crucificado pelos que chamo de “teo-ideológicos”, a empobrecedora tendência de tratar a política como se religião fosse, embora sabendo que fatalmente sentirei os cravos. Fazer o quê?

Ora, o fazer poético passa ao largo das emoções, sinceras talvez, de um presidiário, tão-só pelo fato de ter passado alguns meses na cadeia. Poesia não se faz disso, que, quando muito, se presta a diários de pré-adolescentes, e, como disse Baudelaire, “poesia não se faz de ideias”. A poesia constrói-se com cuidadoso trabalho, como um esforço de delimitar o espaço delirante, com a ourivesaria meticulosa, e tudo isso demanda tempo, paciência, elaboração e vivência literária, algo como uma dedicação de querer ver triunfar Dionísio sem prescindir de Apolo. Enfim, poesia é arte, se é que isso ainda existe, não confessionário, divã ou fanfarra de passeatas.

Fosse um caso esporádico, menos mal, muito pouco tempo depois, li, numa revista semanal, uma crônica de uma dessas mocinhas – ou já nem tanto, nem tanto – midiáticas que resolveram se tornar romancistas, para deleite de nossas criteriosas editoras (que também andam adorando fazer livrinhos para colorir para, digamos, adultos), e vi que a moça cometeu por lá: “Só sobraram a calçada pelada, a reta, os carros”. Com um cacófato desses, senhora, quem soçobrou foi sua crônica, afortunadamente me dispensando de ler seu romance.

Mas esse não é um problema exclusivo do Brasil, a chamada “profissionalização” do escritor, mais do que uma profissionalização razoável, transformou os autores em brutais mercadorias, e reféns do “mercado”, onde só triunfa o que supostamente vende. Mas, o que vende?

A ignorância se retroalimenta incessantemente na cultura de massas (que nada tem a ver com cultura popular). Pesquisa-se para saber o gosto público médio, etimologia de medíocre, para vender-se àquele gosto o que ele já esperava consumir, o que, ao mesmo tempo, o realimenta para querer cada vez mais do mesmo e menos em qualidade e em gosto apurado, num círculo vicioso e viciado, obeso estética e artisticamente (e, para que não acredita em juízo de gosto, recomenda-se a leitura, se conseguir, da “Crítica do Juízo”, de Kant).

A verdade é que esse mesmo público consume qualidade, se lhe for oferecida qualidade, e lixo, se apenas este lhe for ofertado, é uma questão meramente educacional e de oportunidades. O provaremos logo ali adiante.

Mas voltemos ao Brasil, leitor, afinal, feliz ou infelizmente, é aqui que vivemos, regidos pelas nossas leis e pela nossa Constituição, que é, afinal, do que tratamos por aqui.

Claro que, e isso está fora de discussão, é inquestionável a legitimidade da pretensão de buscarem os editores um plantel de autores que os sustentem economicamente, afinal, são sociedades empresárias que visam ao lucro, é pacífico, a questão é: isso basta?

Eticamente, claro que não. E juridicamente?

Nosso mercado editorial, enfrentando a questão de fundo, mais para mercado do que para editorial, namora perigosamente com a ilegalidade, e, pior, deita-se com a inconstitucionalidade, se quisermos fugir do térreo da ética, como já disse, areia quase sempre movediçamente subjetiva.

O menos grave, talvez, embora não irrelevante, é a falta de critério, ou melhor, a adoção de critérios ilegítimos de admissão de autores. A poesia, por exemplo, essa pária social (que inveja de Horácio!), é tratada a pontapés, só sendo publicada sob condições eticamente quase pornográficas: o pagamento da edição por parte dos autores, assunto que pretendo abordar em outro artigo.

Ora, João Cabral, numa de suas últimas entrevistas, disse que a poesia “é o laboratório da língua”. Que imagem feliz! Se o povo faz a língua, acrescento, se os escritores a depuram, dando a ela rigor estético, se os teóricos a consolidam, é na pena dos poetas que a língua ganha contornos de experimento, de levar a palavra ao limite do invento, da sonoridade, esticando e tencionando o interior de seu significante, criando novos significados.

Ótimo, mas até aí, dirão, ainda estamos no terreno da ética e da “boa vontade” dos editores, porque, insistirão, o comportamento das editoras seria ilegal e mesmo inconstitucional? Afinal, já ouvi muitas vezes, “ah, são empresários… visam ao lucro!”. Claro, e é legítimo que o façam, não fosse um relevante detalhe, local onde Mefisto costuma pernoitar.

Nossa Constituição (art. 5º, XIII) e nosso Código Civil (art. 421 e 2.035, PU) determinam que a propriedade deve “cumprir a sua função social”. E o que vem a ser isso: “cumprir a sua função social”?

Cuida-se de um passo adiante na direção da pós-modernidade, dentro de uma concepção jurídica pós-liberal. Nosso ordenamento jurídico repudia que a propriedade tenha, como única função, atender às necessidades e utilidades (ou futilidades) individualistas de seu proprietário, mas ao contrário, sem negar, todavia, essa mesma propriedade privada, já que, historicamente, provou-se ser um equívoco o sonho de eliminá-la, mas a propriedade deve atender ao interesse de todos.

A propriedade só se justifica juridicamente na exata medida em que contribui para a nação (no sentido de país e povo) como um todo, gerando riquezas, mas não só, contribuindo para uma sociedade mais justa. E foi exatamente a partir dessas ideia que se progrediu para a valorização da posse em detrimento da propriedade ociosa, que não cumpre seu papel, sua “função social”.

Numa breve pincelada histórica, a ideia de “função social” da posse, conforme hoje a conhecemos, remonta ao início do século XX, a partir de León Duguit, que dizia que a propriedade é um fato jurídico como qualquer outro, e que só se justificaria se tivesse uma destinação econômica, dando ao possuidor (legítimo) um direito subjetivo, em contraposição, sublinhe-se, ao proprietário, o que conduzirá ao conhecidíssimo instituto jurídico chamado usucapião, que aqui, embora pudesse nos interessar, passarei ao largo, por uma questão de espaço e oportunidade.

Evoluindo nessa linha, fácil concluir que “cumprir a sua função social” não se limita, é óbvio, a gerar empregos, riquezas e pagar tributos, ideia puramente economicista, mas, necessariamente, passa pelo entendimento que a função social está intrinsecamente ligada, não só a incremento da economia, mas também à sua destinação, sem o que não fará sentido.

E aqui o ponto: nossas editoras cumprem a sua função social?

Antes de responder, já que falei em pagar riquezas tributos, mesmo se me ativesse a uma visão estreita e conservadora do que vem a ser cumprir a função social, devo sublinhar que a editoração de livros quase não os paga, pois gozam da chamada imunidade tributária constitucional. Assim, antes de abordar a questão da destinação, tratarei brevemente, por necessário, dessa imunidade e sua relação com a função social, eis que acentua fortemente esse descumprimento da Constituição e da lei.

DO DEVER DE CUMPRIR A FUNÇÃO SOCIAL COMO RETRIBUIÇÃO À IMUNIDADE CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIA.

Não bastasse o dito, há outro dado que torna ainda mais cogente, no caso da editoras, o cumprimento desse princípio, só justificando a propriedade, ou melhor, e mais incisivamente, só existindo a propriedade da sociedade empresária e o direito à remuneração pela propriedade material e imaterial da obra, ainda que temporária e limitadamente, na exata medida em que cumprem a sua função social, na forma de seu objeto social.

A nossa Constituição, em seu artigo Art.150, VI, diz que é vedado aos entes da Federação: “instituir impostos sobre: (…) d) livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão”.

Qual foi o motivo pelo qual o Constituinte originário inseriu esse dispositivo na Constituição? Toda imunidade tributária, afirma a melhor doutrina de Direito Tributário, dentre eles o professor Ricardo Lobo Torres, só foi inserida no texto constitucional exatamente e sempre para tutelar algum direito fundamental, no caso o direito à liberdade de expressão, manifestação e, principalmente, acrescento, à livre circulação de ideias, leia-se, o fomento à circulação e divulgação da cultura.

Deixando de recolher vultosas quantias que seriam revertidas para a sociedade e para a população em geral, parece elementar que os editores, sem prejuízo, é fundamental ressaltar, da edição de livros que incrementem a sua receita, devolvam ao país e à população ideias e trabalhos de autores cuja preocupação única ou principal não seja a pecúnia, o modismo e a fama, mas a qualidade artística, a pesquisa e a experimentação estética.

Ante tal benesse constitucional, que se traduz inexoravelmente em financiamento público indireto das editoras, não é mais aceitável a dificuldade de publicar que tiveram em vida autores como, por exemplo, Fernando Pessoa, ou para ficarmos por aqui, no Brasil, Lima Barreto, e tantos outros escritores que morreram à míngua e anônimos, por produzirem uma literatura voltada exclusivamente para a estética, ou mesmo, no caso do brasileiro, na feliz expressão de Luciana Hidalgo, uma “literatura de urgência”.

Não pagando impostos sobre papel ,tinta, etc., o mínimo que se esperaria seria devolver ao povo, dono desse dinheiro, parte desse financiamento público indireto, fomentando a cultura de qualidade, e não lixo. Afinal, não foi por outro motivo que o Constituinte originário lhes deu a imunidade tributária.

Resumidamente: a imunidade tributária só se justificará, e assim a propriedade privada, na exata medida em que, minimamente que seja, a editoras devolvam ao país o que deixaram de recolher aos cofres públicos na forma de uma literatura de qualidade, ainda que vendam pouco.

Note-se, é importante para provarmos o que dissemos acima, que, quando querem, os editores, vendem de tudo e para todos, até Kant. Basta-nos lembrar da maravilhosa série “Os Pensadores”, vendida e, ao que consta, muito bem – pasmem mais jovens – nas bancas de jornais, que publicou do filósofo alemão à Spinoza, passando por Santo Agostinho, Marx e Wittgenstein, e outros, muitos outros, e não apenas lixo e esse rebotalho que hoje encontramos nas livrarias, nas bancas e nas páginas dos jornais.

É, enfim, a ignorância e a burrice, uma a serviço da outra e mutuamente se retroalimentando, isso que presenciamos em nossos dias.

FUNÇÃO SOCIAL, NÃO COMO LIMITAÇÃO, MAS COMO ELEMENTO DA PROPRIEDADE

Perdoando-me pela pequena digressão, a “função social”, eu dizia, é um pouco mais do que tudo o que foi dito. Em termos bem claros, para finalizar: só se tem propriedade se a esta é dada uma função social, do contrário, saindo do século XIX, é abuso de direito.

É o caso das nossas grandes editoras (falo, principalmente, delas, das “grandes”), nesses casos, “função social” não é apenas dar destinação econômica à propriedade, mas focar e fazer valer o objeto da sociedade empresarial, logo, da propriedade, sua destinação fática e jurídica: a divulgação e a formação da cultura de um povo, do contrário a propriedade estará em desacordo com a Carta Magna, logo, não deverá gozar de proteção jurídica.

Ao contrário do que pensam alguns mais apressados, mesmo não sendo exatamente leigos, não se trata, a “função social da propriedade”, de uma limitação ao direito de propriedade. Como lembram alguns de nossos juristas da linhagem de Nelson Rosenvald, na esteira de Stefano Rodotá, civilista italiano, professor da Universidade de Roma, a função social da propriedade não a restringe, antes a conforma, cuida-se, simplesmente, de um requisito, ou melhor, um elemento da propriedade, logo, não há um conteúdo prévio de propriedade, o que não está de acordo com a função social não é objeto de proteção pelo direito de propriedade, enfim, a função social distingue o que é direito de propriedade daquilo que não o é. Stefano Rodotà ensina, de forma definitiva, que não há conflito entre a estrutura do direito de propriedade e a sua função social, “pois esta é um aspecto interno daquele, compõe sua própria estrutura.”

CONCLUSÃO:

Fica fácil concluir que não se cuida aqui de proselitismo de um poeta que acordou mal disposto, nem de um operador do Direito com pendores socializantes, ao contrário, cuida-se de elemento mínimo da propriedade, dentro de uma visão pós-moderna, pós-positivista e pós-individualista do Direito, que desde o Século XIX perdeu a sua razão de ser, com a superação do Código Civil napoleônico e da hiperdimensionalização do direito privado, ao contrário, cuida-se da submissão da atividade empresarial da edição de livros à lei e, mais enfaticamente, à Constituição da República e ao ordenamento jurídico como um todo.

Na medida em que a propriedade empresarial da atividade editorial deixa de justificar-se ante o ordenamento jurídico constitucional, ela, simplesmente, perde a sua razão de ser, inclusive, tensionando mais um pouco, no que respeita aos direitos autorais que lhe pertençam por contrato e cessão temporária, e, ainda mais grave, àqueles que já caíram em domínio público, dando azo a que se conclua que se tornará ilegítima, inclusive, qualquer ação sua contra a chamada “pirataria”, porque, tendo em vista a ausência do substrato mínimo da propriedade, quer seja, o cumprimento de sua função social, aos editores faleceriam, processualmente falando, as necessárias condições para o exercício do direito de ação, tanto do ponto de vista da legitimidade, pois seriam partes ilegítimas para a proteção de direitos que não lhes pertencem por definição constitucional e legal, quanto do interesse de agir, pois lhes faltaria interesse na tutela jurisdicional de um bem que não lhes pertence, quer seja, a propriedade material e imaterial do livro, sendo, caso a obra ainda não tenha caído em domínio público, seu autor o único processualmente legitimado para tal.

Sendo assim, por descumprirem as determinações constitucionais, não poderão figurar no pólo ativo em demandas dessa natureza, devendo o processo ser totalmente extinto sem julgamento do mérito, no caso de figurarem isoladamente no pólo ativo ou quando a obra já estiver em “domínio público”, ou parcialmente, nos casos de litisconsórcios ativos com os autores, devendo o feito prosseguir somente no que pertine a estes, únicos legais e legítimos proprietários do direito em litígio.

Todavia, conquanto interessante, aprofundarmos isso em outro artigo, já que foge um pouco às fronteiras aqui pretendidas: um artigo a se publicado em um “blog”, ficando para outra ocasião que, prometemos, será em breve.

Lúcio Autran, Resende, 26 de maio de 2015.


11301499_902292619837710_571720314_nLúcio Autran na belíssima Alhambra, Granada, Espanha. (Arquivo do escritor)


Bibliografia poética de Lúcio Autran:

Veja o blog de Lúcio Autran e o Facebook do autor.