“Tanto querer”, de Geraldo Azevedo


Do romantismo singelo, verdadeiro, popular brasileiro:

lua_no_sertao-6930

Anúncios

Livros


Composição: Caetano Veloso

Tropeçavas nos astros desastrada
Quase não tínhamos livros em casa
E a cidade não tinha livraria
Mas os livros que em nossa vida entraram
São como a radiação de um corpo negro
Apontando pra a expansão do Universo
Porque a frase, o conceito, o enredo, o verso
(E, sem dúvida, sobretudo o verso)
É o que pode lançar mundos no mundo.

Tropeçavas nos astros desastrada
Sem saber que a ventura e a desventura
Dessa estrada que vai do nada ao nada
São livros e o luar contra a cultura.

Os livros são objetos transcendentes
Mas podemos amá-los do amor táctil
Que votamos aos maços de cigarro
Domá-los, cultivá-los em aquários,
Em estantes, gaiolas, em fogueiras
Ou lançá-los pra fora das janelas
(Talvez isso nos livre de lançarmo-nos)
Ou ­ o que é muito pior ­ por odiarmo-los
Podemos simplesmente escrever um:

Encher de vãs palavras muitas páginas
E de mais confusão as prateleiras.
Tropeçavas nos astros desastrada
Mas pra mim foste a estrela entre as estrelas.

Lô Borges, atemporal


Esses meninos mineiros e suas músicas maravilhosas.

A geraçao Clube da Esquina (leia- se entre outros Milton Nascimento, Flávio Venturini e Beto Guedes)  levou poesia em forma de música para todo o Brasil,  mostrando desde a década de 70, que a música pode ser refinada, poética, metafórica, de bom gosto e cair no gosto popular.

Lô Borges (o Salomao Borges Filho) com 35 anos de carreira, mais letra que voz, uma estrela da MPB mostrou- nos seu Universo Paralelo “que tudo pode virar cançao na curva de um rio”. E assim, “lá se vai mais um dia” com encanto e poesia:

Lô  e seus acordes mágicos canta  um Girassol da Cor do Seu Cabelo, como um pedido, uma súplica, uma mensagem “você ainda quer dançar comigo?”, e o piano chora “Será tarde demais?”:

Seu mais recente trabalho é o cd “Bhanda” de 2007 em uma clara referência à capital mineira de Belo Horizonte.

O melhor professor de língua portuguesa do mundo


Caetano Veloso. Dá uma olhada no blog dele, “Obra em processo“, uma alusão muito acertada ao lema da bandeira do Brasil: “Ordem e progresso”.

“Enquanto os homens exercem seus podres poderes”; Caetano nos vai deixando obras- primas em forma de letras de música, “Trem das cores”:

Só quem tem um conhecimento profundo da língua é que pode escrever preciosidades assim (alguma exceçao é pura casualidade).

Música dos 80 (Brasil)


Eu continuo gostando de coisas que gostava quando tinha 12, 14 anos. Incrível como existem coisas que sao inexoráveis. Continuo gostando do rock brasileiro dos 80. Graças ao Youtube, posso rever e ouvir cantores e músicas que provavelmente nunca mais veria. Algumas bandas nao foram tao duradouras, algumas já acabaram, mas a obra fica:

“Pros que estao em casa”, da banda Hojerizah:

“Quadrinhos”, Picassos falsos:

Faleceu Dorival Caymmi


“É bom
Passar uma tarde em Itapuã
Ao sol que arde em Itapuã
Ouvindo o mar de Itapuã
Falar de amor em Itapuã”

Ele que imortalizou esses versos do poeta Vinícius, com sua voz pura-poesia, com ar de maresia da Bahia, decidiu ir embora no Rio de Janeiro.

Ele que cantou todas as meninas, as Marinas Morenas, que embalou a minha juventude de amar-mar-sonhar e que nunca esqueceu da sua terra natal com a música “Saudades da Bahia”; também mostrou pro Brasil (e pro mundo) “o que é que a baiana tem?”:

Como dizer adeus a Dorival Caymmi?

Gente assim nunca morre.

Acervo de obras digitalizadas de domínio público


O site do governo brasileiro “Domínio público” é uma biblioteca virtual com e-books completamente gratuitos que vc pode copiar no seu computador. O acervo é muito rico e possui obras dos maiores escritores brasileiros  e estrangeiros falecidos há mais de 70 anos (de acordo com a lei de domínio público). Nao só livros, mas o site disponibiliza também arquivos de som e imagens, como música erudita brasileira e vídeos nos diversos ramos da ciência, letras e artes.

Veja o site Domínio Público aqui.