Mario Vargas Llosa plagiou Euclides da Cunha? Crônica de Pablo del Barco


O escritor, tradutor, artista plástico e editor espanhol Pablo del Barco, no dia 11 de abril, escreveu uma crônica sobre o Panamá  Papers, intitulada (livre tradução): “O caminhão da limpeza- Somos um país ou festa de personalidades canalhas?”, onde critica a sociedade espanhola, hipócrita, que cria empresas em paraísos fiscais para a evasão de impostos. Desde a monarquia, a jogadores de futebol, artistas e escritores, como peruano nacionalizado espanhol, Mario Vargas Llosa, prêmio Nobel da Literatura. Essa parte é a que irei destacar. O trecho abaixo nos faz desacreditar mais um pouco na vida e nas pessoas. Parece que nada nem ninguém escapa aos vários tipos de corrupção e desonestidade.

Vargas Llosa foi acusado de plágio por várias pessoas diferentes (procure no Google: “Vargas Llosa plágio”) e, uma dessas pessoas, foi Pablo del Barco, pessoa que entrevistei, que conheci pessoalmente e que confio. A denúncia de Pablo foi corroborada por José Saramago na época. Leia:

e97193b9-c398-453b-bc7f-3b4b12d2fc48_1024_512Mario Vargas Llosa

Na literatura, o Nobel Vargas Llosa, bom trapaceiro literário. Recordo que quando publicou “La guerra del fin del mundo” eu o denunciei por plágio do romance do escritor Euclides da Cunha, autor de Os sertões, epopeia básica na literatura de Brasil. Estava eu com José Saramago em um debate sobre Espanha e Portugal na “La Rábida de Huelva”. Saramago confirmou, aplaudiu e me acompanhou na denúncia. Aos poucos dias, o peruano tentou desmentir aproveitando suas boas relações com o El País. Isto eu sei por mim mesmo, sem entrar na parte dos ‘ghost writers’ que dizem que ele tem e que trabalham duro. Copio a informação: “Segundo as teses da acusação, Vargas Llosa parece ter na folha de pagamento  18 escritores que, periodicamente, lhe enviam rascunhos do que poderiam  ser diferentes obras que ele, quem sabe agora não tão genial romancista, daria carta branca, para depois ir dando forma ou inclusive fazendo correções à medida que os trabalhos fossem avançando”. Há cinco espanhóis na folha de pagamento. A Academia sueca anda atrás de retirar- lhe o prêmio Nobel pela sua evidente suposta desonestidade.

img_6149Pablo del Barco- pablodelbarco.blogspot.com  www.factoriadelbarco.com


Ficaram chocados? Eu também! Não dá pra confiar nem em um Nobel da Literatura! Eu estava alheia a esta história, inocente; inclusive comprei o último livro desse “suposto” plagiador.

Comprove você mesmo: se não leu “Os sertões”, veja a sinopse e faça igual com o livro de Llosa. Resultado? Idênticos! É uma vergonha, um escândalo! Coisa que odeio é copiadores descarados!

plagio

Claro que esse Nobel fuleiro sairá da minha biblioteca!

Leia aqui o texto completo de Pablo del Barco (em espanhol).

Anúncios

¿Sabias que Vargas Llosa fue denunciado por plagio? Crónica de Pablo del Barco


La crónica del escritor, traductor, artista y editor español Pablo del Barco no tiene desperdicio! Además de comentar la vergüenza que denunció los papeles de Panamá sobre personalidades de España, Pablo nos cuenta una “curiosidad” acerca de una denuncia que puso contra Mario Vargas Llosa corroborada por José Saramago en su momento. Vea:

EL CARRO DE LA LEJÍA, 11 de abril, 2016

¿Somos un país o una verbena de personalidades sinvergüenzas?

La detención de Mario Conde –aquel personaje de la “alta sociedad española” con el que todos querían hacerse fotos y las universidades competían por nombrarle doctor “honoris causa”, (ay, lo que a mi, ciudadano de a pie, me costó ser doctor), facilita la respuesta: lo que no somos es un país decente. Miren el panorama, de arriba abajo, apuntalado por los últimos descubrimientos de los llamados “papeles de Panamá”, cueva de los multicuarenta ladrones de Ali-babá.

Lo iniciamos en la más alta esfera: monarquía. Pillada la hermana del rey viejo con un sociedad evasiva, haciendo patria, claro. Lo niega, por supuesto; como niegan su sobrina infanta y su amante esposo los supuestos fraudes y ganancias ilegítimas que han cometido impunemente. Del rey viejo no se dice nada; del rey que antes de ser príncipe coronado andaba con una mano delante y otra detrás (tenían que pagarle las cervezas; las lagartonas, a las que estaba tan acostumbrado, según me cuenta algún compañero de academia militar, quizás las pagara él o se lo hacían gratis). Llegar a la fortuna que hoy tiene es cosa de magia. También lo es que el borrado de su hermana de la sociedad evasiva panameña coincida con el día de la abdicación del hermano. Serán cosas de la sangre azul, que es más transparente, según la leyenda histórica.

También han cazado con lazo panameño a los Albertos (Alcocer y Cortina) tan glamorosos ellos, tan cercanos a la familia real, a la “alta clase” y a los grandes banqueros. Y al banquero de banqueros, Miguel Blesa, más banquero porque nada sabía de banca y sí de bancos; ser compañero de banco opositor para ser Inspector de Hacienda con el Sr. Aznar le otorgó esa distinción. Quizás lo de cazar elefantes le llegó por ciencia infusa.

Hoy ha caído en la ciénaga informativa un ministro del Gobierno, José Manuel Soria, superdenunciado en Canarias por casos de cohecho y otros, tan afortunado que conseguía habitaciones en hoteles de lujo a todo lujo y camarero privado por 70 euros la noche. El bello ministro lo niega, reniega de si mismo, de su nombre y de su firma, concitándonos a la pena, que no la hay mayor que renegar de uno.

Del mundo del arte, algunos guardianes y teóricos protectores, que se llevan buena tajada del Estado español por cesión de obra: los Thyssen, especialmente la baronesa, que de la nada llegó a donde entre ella y los demás la han puesto.

En la literatura el nobel Vargas Llosa, buen truhán literario. Recuerdo que cuando publicó La guerra del fin del mundo le denuncié por plagio de la novela del escritor Euclides da Cunha, autor de Os sertões, novela epopéyica básica en la literatura de Brasil. Estaba yo con José Saramago en un debate sobre España y Portugal en La Rábida de Huelva. Saramago lo confirmó, aplaudió y me acompañó en la denuncia. A los pocos días el peruano lo intentó desmentir aprovechando sus buena relaciones con El País. Esto lo sé por mí mismo, sin entrar en los nombres de los negros que dicen que tiene y le trabajan duro. Copio la información: “Según las tesis de la Fiscalía, Vargas Llosa parece tener en nómina a 18 escritores que, periódicamente, le envían bocetos de lo que podrían ser diferentes obras que el quizás ahora no tan genial novelista daría el visto bueno, para luego ir dándole forma a medias, o incluso corrigiéndoles a medida de que los trabajos fueran avanzando” Hay cinco españoles en la nómina. La Academia sueca anda tras desposeerle del premio Nobel por su evidente presunta deshonestidad.

Entre los deportistas, Messi, que me parece solo tiene cabeza para usar los pies. El cineasta Almodóvar; a mí me dice bien poco; ancla su éxito en nuestra mediocridad estética. Actores, como Imanol Arias, que también anda en la función de borrarse de sí mismo. Miguel Arias Cañete, tocado por aproximación nuestro representante en Europa, que ya tuvo que apearse de la titularidad de alguna empresa, trata de esconder su oronda figura tras su esposa, la señorita jerezana Micaela Domecq. También hay algún muertovivo, como el espía Francisco Paesa, que tantos quebraderos de cabeza dio al jefe de Guardia Civil, Juan Roldán.

La lista es larga y estamos en el principio de conocerla entera. Cuando acabe, si acaba, esto será una casa de la Troya de desvergüenza y más corrupción de la que soportamos en la actualidad.

img_6149Pablo del Barco

PABLO DEL BARCO

Pablo del Barco
San Juan de la Palma, 26
41003 SEVILLA
Tf. 0034. 607540408
pablodelbarco.blogspot.com
http://www.factoriadelbarco.com


Vargas Llosa ha sido acusado muchas veces por personas distintas.

Vea aqui. 

También aqui.

Y aqui.

Jamás veré a Vargas Llosa con los mismos ojos. ¿Es posible que un Nobel de Literatura sea un fraude?! Parece que sí, me fío 100% de la palabra de Saramago y de Pablo del Barco, además, como denunciado en el texto de Pablo, hay gente que escribe por el, presuntamente. Ahora voy a leer “La guerra del fin del mundo” para ver con mis propios ojos la “semejanza” com “Los sermones”, de Euclides da Cunha.  Solo por el resumen, veo que es clavada a la historia del brasileño.

A finales del siglo XX, en las tierras paupérrimas del noreste de Brasil, el chispazo de las arengas del Consejero, personaje mesiánico y enigmático, prenderá la insurrección de los desheredados. En circunstancias extremas como aquéllas, la consecución de la dignidad vital sólo podrá venir de la exaltación religiosa – el convencimiento fanático de la elección divina de los marginados del mundo- y del quebranto radical de las reglas que rigen el mundo de los poderosos.
Así, grupos de miserables acudirán a la llamada de la revolución de Canudos, la cuidad donde se asentará esta comunidad de personajes que difícilmente desaparecerán de la imaginación del lector: el Beatito, el León de Natuba, María Quadrado..
Frente a todos ellos, una trama político- militar se articula para detener con toda su fuerza el movimiento que amenaza con expandirse.

Flipando estoy!

Fofoca literária: Mario Vargas Llosa e a ex de Julio Iglesias juntos?


A notícia hoje em todas as revistas e programas de fofocas na Espanha: Isabel Presley (64 anos, há 9 meses viúva de Miguel Boyer, político, economista e professor espanhol), a primeira esposa de Julio Iglesias, mãe do famoso cantor Enrique Iglesias, mantém uma relação estreita com o Nobel da Literatura Mario Vargas Llosa (79), que acabou de completar bodas de ouro com Patrícia Vargas Llosa e celebraram em Nova York junto com toda a família.

patricia-vargas-llosa--644x362Patrícia e Llosa (foto: Efe)

A Hola diz que Vargas Llosa está separado da mulher e que ambos mantém uma relação magnífica. Só que a mulher já saiu dizendo que ficou surpresa com as fotos e sentiu pena (veja as fotos da celebração dos 50 anos do casamento do casal).

Estranho é Vargas Llosa ter acompanhado a Presley em um evento benéfico no Palácio de Buckingham, a cara da Presley, que já foi casada com três milionários. Depois, já em Madri, foram fotografados saindo de um restaurante de braços dados. O novo casal (?) se conhece há mais de 20 anos, quando Isabel entrevistou Llosa para a Revista Hola.

Verdade ou mentira? Logo vamos saber.

10001433970295jpg

O coração é assim, não, quem manda nele? Eu admiro gente que tem coragem de assumir o que sente e enfrenta as suas consequências. Viva el amor!

Mario Vargas Llosa anuncia nome do seu novo livro


No último dia 25 de abril, o prêmio Nobel de Literatura, o peruano Mario Vargas llosa, foi entrevistado pelo diretor do El País, Antonio Caño, na FIE2015 (“Foro Internacional del Español “) e anunciou o nome do seu novo livro (ainda sendo escrito): “Cinco esquinas”.

llosa

“O jornalismo e a linguagem” foi o tema da entrevista, nela Llosa revelou que o seu primeiro trabalho, ainda muito jovem (com 15 anos) foi como jornalista. Ele pensava que podia ser o seu ganha- pão e continua sendo, já que nunca deixou de trabalhar para jornais. O escritor sempre conciliou a escritura de colunas, o fazer literário e também sua carreira como professor de espanhol. Llosa tem uma coluna no El País, escreve crônicas sobre temas variados da atualidade. Houve um debate sobre linguagem literária X linguagem jornalística. A clareza e a objetividade que o texto jornalístico exige impedem a boa qualidade do texto?

“Em certas épocas, a literatura e o jornalismo se confundiam”. (Mario Vargas Llosa)

Perguntado se a linguagem jornalística na Espanha é muito vulgar por se aproximar à linguagem do povo, Llosa afirmou que sim: “Não há palavras que não possam ser utilizadas em um jornal”.

Vargas Llosa acha que é impossível censurar e controlar a informação nas redes sociais, e que a hierarquia já não pode ser estabelecida, tanto em relação aos meios, quanto à qualidade da notícia. Ele acha a liberdade extraordinária, mas que também é perigosa, pois pode inventar e falsificar informações. Ele mesmo já foi vítima de textos atribuídos a ele e completamente falsos.

ajfnd

Mario Vargas Llosa

Antonio Caño dá um conselho aos jornalistas: que não escrevam como os políticos, que escrevam para serem compreendidos. Os políticos falam, mas não dizem nada. Foi então que Llosa lembrou de alguns políticos como Margaret Thatcher, que fazia discursos bem articulados, com uma linguagem cuidada e fundamentada em boas ideias.

cañoAntonio Caño, diretor do El País (jornal espanhol)

Mario Vargas Llosa lembrou de uma manchete de primeira página em um “jornal de prestígio brasileiro” (38:14), que escreveu o seguinte, depois que Hitler não respondeu a uma declaração de guerra que o Brasil fez ao ditador alemão: “O bárbaro teutônico mostrou- se cauteloso”. Citou isso para demonstrar que houve uma época em que o jornalismo usava uma linguagem elegante, sem xingamentos e nem baixo- calão. Fora o conteúdo da manchete com um pé na comicidade.

Ambos concordam que a informação hoje em dia é extremamente vigiada e divulgada, acham impossível a manipulação, controle, ocultação da notícia por parte dos governos, pois tudo é extremamente vigiado e divulgado. E isso é uma grande vitória da liberdade.

Llosa comenta sobre a democratização da informação e da cultura, “dessa extraordinária revolução tecnológica”, que hoje chega a todas as esferas sociais, mas que também traz o problema da superficialidade, da cultura deformada, cheia de clichês, pois falta espírito crítico e aprofundamento nas questões.

Vargas Llosa defende o livro, a leitura de livros, porque a imagem não produz o mesmo efeito positivo que a palavra escrita. O livro é uma forma de entretenimento mais duradouro, que forma cidadãos melhores.

Uma casa com livros possibilita muito mais a formação de crianças leitoras que uma casa sem livros.

(Mario Vargas Llosa)

Veja a entrevista completa (em espanhol):

Resultado do concurso e nosso poema coletivo


O nosso poema, o poema coletivo criado com a palavra mais bonita de cada um de vocês. Cada palavra e verso colocado na ordem exata dos comentários. Só não coloquei as repetidas. As palavras aleatórias colocadas em trios ganharam significados surpreendentes! A palavra vencedora é a que deu o título ao poema, mas poderia ser qualquer uma, porque todas estão carregadas de sentido! Mas nem precisava ser pelo sentido, mas pelo vocábulo em si, uma palavra bonita independente do seu significado. O último verso “compartilhar” quase foi o vencedor, mas no final decidi por Literatura. Veja se na Literatura não cabe isso tudo:

LITERATURA

Farfalhar, saudade, viagem

Veredas, mãe, efêmero

Despertar, girassol, perspicaz

Consciência, serenidade, solicitude

Solidariedade, libelinha, cativar

Sabor, limbo, humanidade

Diáfano, abraço, gentileza

Felicidade, persuasão, melancolia

Exprimir, desentristecer, calma

Pimpinela, compaixão, amor

Essência, dádiva, jaboticaba

Esperança, literatura, anátema

Amizade, remanso, pairar

Reverberar, conhecimento, intrinseca

Lágrima, sustentabilidade, infância

Compartilhar

167730__plant-stems-books-letters-background-vladstudio_p

Parabéns, Anna Lua! Escreva para falandoemliteratura@gmail.com, com seu nome completo e endereço para o envio do livro. Caso a Anna Lua não se manifeste até segunda- feira, dia 12 de janeiro,  meio- dia (hora brasileira), uma segunda palavra será escolhida.

Obrigada pela participação de todos!

Concurso: qual é a palavra mais bonita?


Vamos descobrir qual é a palavra mais bonita da língua portuguesa? A sua opinião vai ter prêmio: escolha a sua palavra mais bonita e escreva aqui nos comentários. A palavra que eu gostar mais (não vai ser sorteio) vai ganhar um livro em espanhol de Mario Vargas Llosa, “La verdade de las mentiras” (foto), que é uma antologia de ensaios sobre o fazer literário, excelente para estudantes da área de Letras e apaixonados pela teoria da literatura.

portada-verdad-mentiras_med

O resultado vai sair no dia 10 de janeiro. Boa sorte!

PDF grátis: “Cartas a um jovem escritor”, de Mario Vargas Llosa


Mais uma joia para o pessoal de Letras: “Cartas a um jovem escritor”, de Mario Vargas Llosa (Arequipa, 28 de março de 1936), prêmio Nobel de Literatura 2010. Este é um ensaio epistolar com tom autobiográfico, Llosa nos conta como nascem os romances, fala sobre temas essenciais: o estilo, a persuasão, o espaço, o tempo do narrador, a ficção, a autenticidade, enfim, tudo o que envolve o trabalho de criação da narrativa. Só um detalhe: está em espanhol, mas isso não é problema, não é pessoal?! A edição é da Ariel, editora de Barcelona, Espanha.

books

É só clicar aqui, o link te levará direto ao PDF.