“O tempo envelhece depressa”, Antonio Tabucchi

Perguntei- lhe por aquele tempo, de quando éramos ainda realmente jovens, ingénuos*, arrebatados, patetas, incautos. Alguma coisa ficou, a juventude não- respondeu. (p. 11) O escritor italiano morava em Lisboa e era apaixonado pela língua portuguesa. Tabucchi morreu no ano passado de câncer. Conheci a obra de Tabucchi depois de sua partida no ano passado (Vecchiano, Pisa, Itália 24/ 09/ 1943 – Lisboa, Portugal 25/ 03/ 2012). O primeiro livro que li foi Requiem: uma alucinação, uma obra muito interessante, sobrenatural, mística. Fiquei com vontade de conhecer mais e comprei “O tempo envelhece depressa”, um título que me identifico muito, porque ultimamente é uma preocupação e luta constantes … Continuar lendo “O tempo envelhece depressa”, Antonio Tabucchi