Qual o futuro da nossa mente?

O cérebro é ainda o grande desconhecido da Ciência, que busca entendê- lo, melhorá- lo e fortalecê- lo. O livro do nipo- americano Michio Kaku, em uma linguagem bastante acessível, com muitas referências literárias e histórias interessantes, repassa as descobertas científicas na obra “O futuro da nossa mente” (minha edição é uma espanhola no finalContinuar lendo “Qual o futuro da nossa mente?”

Resenha: Flores tardias (Late bloomers), de Brendan Gill

Livro é uma coisa que me deixa muito feliz. Vou mostrar uma joinha que encontrei perdida “no tempo”. Nunca é tarde para tentar, recomeçar, ir atrás do que você deseja, e digo sem hipocrisia, eu acredito mesmo nisto. Não existe uma idade determinada para as coisas acontecerem, cada sujeito é único e tem seu tempoContinuar lendo “Resenha: Flores tardias (Late bloomers), de Brendan Gill”

Vinte e quatro livros para 2018

Numa tentativa de ser mais disciplinada, listei vinte e quatro livros que eu tenho grande vontade de ler e resenhar neste ano que vai começar amanhã. Alguns deles não são nada populares no Brasil, inclusive nem têm edição brasileira, por isso mesmo o meu interesse. Vamos colocar no ar novidades e não livros mais queContinuar lendo “Vinte e quatro livros para 2018”

Resenha: “Fahrenheit 451”, de Ray Bradbury

451° Fahrenheit: a temperatura que o papel dos livros se inflama e queima. (epígrafe)   O americano Ray Bradbury (1920- 2012) foi romancista, contista, ensaísta, dramaturgo e roteirista, publicou “Fahrenheit 451” em 1953, livro considerado a sua obra- prima. Ray casou- se em 1947 com “Maggie” (Marguerite, falecida em 2003), o casal morava em LosContinuar lendo “Resenha: “Fahrenheit 451”, de Ray Bradbury”

PDF grátis: “O Zen e a Arte da Escrita”, de Ray Bradbury

Esta semana será dedicada ao escritor americano Ray Bradbury. Ray Bradbury, autor de “Crônicas marcianas”. Se você não leu o post de ontem: “Onze conselhos de Ray Bradbury para escritores novatos”, dá uma olhada, vale a pena! E vocês, leitores fiéis do Falando em Literatura, merecem um presentinho: PDF totalmente gratuito do livro “O ZenContinuar lendo “PDF grátis: “O Zen e a Arte da Escrita”, de Ray Bradbury”

Alô, 2015?!

Chegamos, estamos aqui, aleluia! Alô, 2015?! Deixa conosco tudo e a todos que amamos, só leva pra longe a tristeza, a violência, as desavenças, as enfermidades, o desamor. Traz consigo o emprego que sempre sonhamos, a casa que merecemos, a saúde que nos torna fortes e felizes, o amor que nos faz imortais. Afasta oContinuar lendo “Alô, 2015?!”

Escritores em topless

Pois é, nossos literatos também tinham seus momentos de descontração e lazer, onde apareciam “descamisados”, muito diferente do que estamos acostumados a ver. Veja: O grande escritor americano Mark Twain, que parecia tão formal, nos deixou esse registro fotográfico em 1883.  Ernest Hemingway adorava ficar sem camisa, são muitas fotos do escritor de “O sol tambémContinuar lendo “Escritores em topless”

A primeira escritora clássica do nosso século?

Meu presente do Dia do Livro foi “O pintassilgo”, tradução literal de “The Goldfinch”, de Donna Tartt, ainda não saiu tradução em português no Brasil, nem em Portugal. A edição em espanhol da Lumen chama- se “El jilguero”. Essa obra ganhou o Prêmio Pulitzer de Literatura 2014: O absurdo não liberta, prende. (Albert Camus) AContinuar lendo “A primeira escritora clássica do nosso século?”

Fernão Capelo Gaivota, Richard Bach

“Não acredite no que os teus olhos te dizem. Eles só mostram limitações. Veja com o seu entendimento, descubra o que você já sabe, e encontrará a maneira de voar.” (p. 107) Foto: Fernanda Jimenez Richard Bach (Oak Park, Illinois, 23 /06/ 1936) escreveu em forma de parábola uma história de um bando de gaivotasContinuar lendo “Fernão Capelo Gaivota, Richard Bach”

Leituras

Estou a ler vários livros ao mesmo tempo e não estou concentrando- me em nenhum deles. Ando dispersa. Hoje vou fincar o pé e tentar terminar o surpreendente livro, ” Comer, rezar e amar”, da Elizabeth Gilbert. A autora foi entrevistada no programa da Oprah Winfrey e a partir disso fiquei interessada. O título deixaContinuar lendo “Leituras”