Fotos para ler: o mestre André Kertész


O fotógrafo André Kertész (Budapeste, Hungria, 1894- Nova York, 1985) foi um dos melhores fotógrafos que já existiu. Ele imigrou para Paris e depois para os Estados Unidos na época da grande guerra, ele era judeu.

Serviu, e serve, de inspiração para muitos outros fotógrafos. Separei uma série de fotos, todas de leitores. André os fotografava furtivamente em cenas do cotidiano e também foi pioneiro fazendo selfies. 

andre-5 (1)

andre3

Abaixo, um selfie de André.andre7

img_05

kertesz-on-reading-4

L26kertesz2

man-reading-with-magnifying-glass-new-york-1959

83eeb3b94e0913afeae40bf5149bdad0--august-sander-andre-kertesz

34c1813ef0a46d1352a330820fe36068

116225

É muito reconfortante, aquece o coração, observar que a leitura serviu de companhia para muita gente em situações muito desfavoráveis. E hoje, por mais tecnologia que exista, a melhor companhia continua sendo o livro.

Anúncios

Você sabe o que significa “serendipity”?


O termo “serendipidade” vem do inglês “serendipity”. A palavra foi inventada pelo escritor britânico Horace Walpole (século XVIII), ela apareceu em um dos seus contos.

O “serendipismo” acontece quando algo muito legal surge por acaso. Exemplo: um físico está estudando sobre a teoria de cordas e descobre um novo elemento químico, que não tem nada a ver com seu estudo inicial; você está procurando o fio do seu computador e encontra os seus óculos perdidos há meses; a moça cruzou a rua fugindo do ex- namorado e esbarra no seu novo amor. A história está cheia de casos de cientistas que estudavam uma coisa e encontraram outra.

“Serendipity” está relacionada com acontecimentos bons e agradáveis, então é uma palavra feliz. Em espanhol, “serendipia”. Esse post surgiu, serendipitosamente, quando eu procurava ontem um romance clássico na livraria e encontrei esse de poesia contemporânea espanhola:

 

20292955_835630809925814_2228474037094248917_n

20376048_835630786592483_3204756588155701777_n.jpg“Descobrimento feliz e inesperado que acontece quando se está procurando outra coisa diferente”.

20374781_835630789925816_6829196623110258514_n“Eu me perdi./ No caminho/ descobri alguém.// Era eu.// Não tenhas/ medo de procurar respostas.// Porque, do contrário,/ terás uma vida/ cheia de perguntas.”

12279156_10205192228144605_8350898324068306919_n

David Sadness  (nome artístico de David Olivas) é um jovem fotógrafo e poeta de Albacete, Espanha.

O FOTÓGRAFO SEBASTIÃO SALGADO RETRATADO EM “O SAL DA TERRA”


Sebastião Salgado (Aymorés, Minas Gerais, 08/02/1944) formado em Economia, é o maior fotógrafo brasileiro da atualidade e de toda a história do Brasil, consagrado entre os melhores do mundo. Em 1969, exilou- se em Paris por causa da ditadura no Brasil. Ganhou o “Príncipe de Astúrias” na Espanha. O fotógrafo lançou o livro Genesis,  Como o próprio nome diz, é sobre a natureza mais selvagem e primitiva, que o fotógrafo registrou durante 8 anos em suas andanças pelo mundo. Seu filho criou o documentário “Sal da Terra”….

Continue lendo o texto original postado lá no PalomitaZ, na Revista BrazilcomZ (Espanha).

sebastiao-salgado21

 

 

 

71ª Feira do Livro de Madri 2012


No dia 25 de maio começará mais uma edição da Feira do Livro de Madri, que acontece no Parque del Retiro, região central da capital espanhola.

O fotógrafo espanhol Chema Madoz (Madri, 1958) criou o cartaz da feira esse ano. Ele tem um trabalho importante e muito premiado na área da fotografia conceitual. O fotógrafo utiliza objetos do cotidiano associando significados que vão além do seu uso habitual. Para o cartaz da Feira do Livro, ele utilizou os balões das histórias em quadrinhos saindo dos livros para dar a ideia de que os livros falam, dialogam com o leitor, uma explosão de vozes. “Para mim, os livros sempre foram uma caixa- negra da história do pensamento, que vão desenhando, com o passar do tempo, um magnífico mosaico da humanidade.” E acrescenta: “a leitura proporciona colocar- te em um ponto em que você pode ver a realidade através dos olhos do outro e isso sempre me pareceu um exercício interessante e enriquecedor.” Curiosamente, um dos livros preferidos de Madoz é “Memórias póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis.

O país convidado desse ano é a Itália, espera- se grandes nomes da literatura italiana contemporânea, além de uma homenagem especial ao escritor italiano Antonio Tabucchi, falecido recentemente.

C’est PARIS!


E pelo poder d’uma palavra
Recomeço a minha vida
Nasci para te conhecer
Para te nomear
(“Liberdade”, Paul Éluard)

Escadarias da Catedral de Montemartre

Eu costumo dizer que cada cidade tem um cheiro, uma atmosfera. Se eu fechar os olhos e recordar Paris… Paris cheira à liberdade e à baguette recém saída do forno. Paris desprende cultura (híbrida), mas tem algo muito próprio, uma cidade com encanto. Da minha recente viagem a Paris, trouxe mais de 5000 fotos. Subi na Torre Eiffel, naveguei num bateau mouche pelo Rio Sena, fiz um passeio num ônibus turístico por toda a cidade, andei num carrinho muito engraçado, que cruzou as ruas estreitas do bairro fervilhante de Notre Dame, estive no Museu das Armas e Hotel dos Inválidos, onde está a tumba de Napoleão Bonaparte, também vi a Monalisa no Museu do Louvre, passei pela Champs Elisèe e pelo Arco do Triunfo, fiquei um dia inteiro na Disney comemorando o aniversário da minha pequena e ainda fui à Catedral de Montmartre, que como se pode ver, lotada de gente:

O bairro de Montemartre é o mais alto de Paris. As vistas da Catedral de Montemartre são divinas. Você pode subir até a catedral em um funicular, ou se estiver com disposição, pode subir pela imensa escadaria.

Um pouquinho do interior da Catedral de Montmartre:

Nesse bairro também existe uma área dos cabarets, sex shops, uma zona de prostituição, onde também perambulam bêbados e vagabundos. Abaixo, uma foto do cabaret Moulin Rouge de 1889, que ficou popularmente conhecido por causa do filme Moulin Rouge:

Voulez-vous coucher avec moi, ce soir?

E não pense em fazer dieta em Paris, porque a baguette, os croissants, queijos e vinhos, além dos doces são irresistíveis:

Paris é cheia de gente em todos os lugares, a cidade é fervilhante, mas na Torre Eiffel você vai encontrar milhares de pessoas, turistas do mundo todo, além dos vendedores de souvenirs com réplicas da Torre. Subir pelo elevador para ver a incrível paisagem parisina em 360º exige paciência e resistência física para aguentar a longa espera, no meu caso,  mais de duas horas:

Pelo alto e agora vista do chão:


A Torre Eiffel pode ser vista também do rio Sena, recomendo o delicioso passeio de bateau mouche, que percorre o rio Sena por cerca de uma hora:

A Catedral de Notre Dame, fica num bairro que leva o mesmo nome, é um dos mais movimentados, com skatistas fazendo apresentações, com bares de moda, barcos cruazando o rio Sena e uma vida noturna bem agitada:

E para finalizar por agora ( terá a segunda parte), a grande Edith Piaf, Sous le ciel de Paris ( o vídeo tem fotos bem interessantes, de Paris antiga):