Uma mulher apaixonada

Eu tenho um caso de amor e ódio com o passado: adoro relembrar as coisas bonitas e num apego desesperado, tentar revivê- las de alguma forma, nem que seja num mundo imaginário ou naquele estado de semiconsciência do mundo onírico. Às vezes é muito bom, mas às vezes provoca angústia, já que o passado vive no presente de outra forma, mesmo porque já não sou a mesma, o tempo é outro, não estou no mesmo lugar, nem com as mesmas pessoas. Na verdade, o passado é relativo, pelo menos o passado que nos marca, esse também vai conosco, vive no … Continuar lendo Uma mulher apaixonada