Resenha: “O que não me sai da lembrança”, de Antonio Miranda

Esta obra viajou do Brasil até Madri com uma curiosidade: meu tio é personagem neste livro de crônicas do baiano Antonio Miranda Fernandes (Baixa Grande, 21/11/1946). Antonio é multifacetado: ator, músico, redator, produtor de TV, publicitário e também foi bancário … Continuar lendo Resenha: “O que não me sai da lembrança”, de Antonio Miranda

Literatura contemporânea: “Variedades”, de Fabio Gorodski

Vou apresentá- los um autor brasileiro contemporâneo, que vive em Berlim: Fabio Gorodski. Aqui o blog do autor. Fabio Gorodski tem uma vasta formação musical, conhecimentos notados no conto “comprimidos” (p.13)  e já teve um poema adaptado a um curta- metragem, veja. Se … Continuar lendo Literatura contemporânea: “Variedades”, de Fabio Gorodski

E-book grátis: “Livro do desassossego”, de Fernando Pessoa no seu 127º aniversário

Hoje é o dia de dois Fernandos que nasceram em Lisboa: Santo Antônio ( nome de batismo “Fernando”) e Fernando Pessoa. Ambos fizeram e ainda fazem milagres. Pessoa andando pelo bairro do Chiado em Lisboa Fernando Pessoa faria hoje 127 anos, faleceu … Continuar lendo E-book grátis: “Livro do desassossego”, de Fernando Pessoa no seu 127º aniversário

Fernando Sabino, o rei das crônicas

Nasci homem e morri menino. (Fernando Sabino) Hoje, Dia das Crianças no Brasil,  nasceu o mineiro Fernando Sabino (Belo Horizonte, 12 de outubro de 1923 – Rio de Janeiro, 11 de outubro de 2004) ele foi escritor e jornalista. Ontem completou 9 anos do seu falecimento, um dia antes de completar 81 anos, depois de lutar contra um câncer de esôfago. Fernando Sabino é o rei das crônicas, mas também nos deixou contos, algo de literatura infantil, um livro epistolar junto com Clarice Lispector, “Cartas perto do coração” (2001), sua grande amiga, e os romances “O homem nu” (1960), “O Encontro Marcado”(1956), “O Menino no Espelho” (1982) e “O Grande Mentecapto” (1979), que virou filme, … Continuar lendo Fernando Sabino, o rei das crônicas

Resenha: “Em busca da felicidade”, coletânea de contos portugueses

Ser feliz é estar distraído. Dulce Maria Cardoso O livro “Em busca da felicidade” é uma coletânea de dez textos escritos por escritores portugueses e angolanos: Dulce Maria Cardoso, João Tordo, José Luís Peixoto, Lídia Jorge, Maria Antonieta Preto, Maria … Continuar lendo Resenha: “Em busca da felicidade”, coletânea de contos portugueses

Moacyr Scliar

O médico e escritor Moacyr Jaime Scliar (Porto Alegre, 23/03/1937) está passando por uma fase complicada de saúde, está internado no Hospital das Clínicas em Porto Alegre. Scliar é o sétimo ocupante da cadeira nº 31 da Academia Brasileira de Letras, com mais de 70 livros publicados e muitos prêmios literários. Também é colunista da Folha de São Paulo. Foto: Folha de SP Uma entrevista concedida ao programa Roda Viva da Tv Cultura, de 17 de agosto de 2010, programa que o escritor se declara  fã e que sente muita alegria em participar. Um dos jornalistas  na “roda” é o escritor … Continuar lendo Moacyr Scliar

“A Última Crônica”, Fernando Sabino

Vale à pena ler: A caminho de casa, entro num botequim da Gávea para tomar um café junto ao balcão. Na realidade estou adiando o momento de escrever. A perspectiva me assusta. Gostaria de estar inspirado, de coroar com êxito mais um ano nesta busca do pitoresco ou do irrisório no cotidiano de cada um. Eu pretendia apenas recolher da vida diária algo de seu disperso conteúdo humano, fruto da convivência, que a faz mais digna de ser vivida. Visava ao circunstancial, ao episódico. Nesta perseguição do acidental, quer num flagrante de esquina, quer nas palavras de uma criança ou … Continuar lendo “A Última Crônica”, Fernando Sabino

Carlos Heitor Cony

Uma das personalidades da literatura brasileira mais interessantes que existem na atualidade é o carioca Carlos Heitor Cony. foto: Folha de SP Cony passou a ser conhecido do grande público brasileiro, quando a apresentadora do Mais Você, Ana Maria Braga, lia suas crônicas ao iniciar o programa. Ainda não terminei de ler o livro “Quase memórias (quase novela)”, o que é um mal sinal, pois quando demoro demais para ler um livro é porque não está conseguindo prender a minha atenção. Estou lendo a versão em espanhol (prefiro ler o original, também é verdade; as traduções geralmente são muito ruins) “Casi memorias (casi … Continuar lendo Carlos Heitor Cony