Você já roubou um livro?

Eu nunca roubei um livro. Aliás, nunca roubei nada. Já fui roubada algumas vezes, isso sim. Quando eu tinha 11 anos , peguei uma caneta de quatro cores no escritório do meu tio e a levei comigo, “ele tem tantas, … Continuar lendo Você já roubou um livro?

Resenha: “A livraria”, de Penelope Fitzgerald

Depois de ter assistido o filme (leia a resenha aqui), fiquei com vontade de ler a obra que inspirou a diretora espanhola Isabel Coixet, “A livraria”. “A livraria” (1996) foi dividida em dez capítulos e é uma obra com fundo … Continuar lendo Resenha: “A livraria”, de Penelope Fitzgerald

Resenha: “Gente feliz com lágrimas”, do português João de Melo

A primeira resenha do ano! Essa obra eu comecei a ler em dezembro, pensei que conseguiria postar no ano passado, mas a resenha saiu agora. Por isso, este livro não está na minha Lista de vinte e quatro livros para … Continuar lendo Resenha: “Gente feliz com lágrimas”, do português João de Melo

Resenha: Orlando, de Virgínia Woolf

Embora diferentes, os sexos se confundem. Em cada ser humano ocorre uma vacilação entre um sexo e outro; e às vezes só as roupas conservam a aparência masculina e feminina, quando, interiormente, o sexo está em completa oposição com o … Continuar lendo Resenha: Orlando, de Virgínia Woolf

Resenha: “A queda”, de Albert Camus

 “A queda” (1956), do francês Albert Camus, pegou- me logo por causa da primeira frase do livro: Posso oferecer- lhe os meus serviços, meu caro senhor, sem me tornar inoportuno? (p.7) Um livro que começa dessa forma para mim é … Continuar lendo Resenha: “A queda”, de Albert Camus

Turismo literário em Madrid com guias brasileiros

O Falando em Literatura agora também oferece guias- turísticos em Madrid. Os passeios literários consistem em visitas às casas- museus de escritores, às bibliotecas e livrarias mais famosas da cidade, Real Academia Española, Casa del Lector, além de cafés literários, feiras de … Continuar lendo Turismo literário em Madrid com guias brasileiros

A culpa é de Nabokov (ou uma crítica da crítica)

Sim! É isso mesmo: a culpa é de Nabokov. Quem leu seu livro com as Lições de Literatura Russa que promoveu em conferências e lecionou nos Estados Unidos, logo entenderá minha sanha momentânea. Eu, como você também, deve escorregar, costumo … Continuar lendo A culpa é de Nabokov (ou uma crítica da crítica)

A livraria Lello no Porto, a do “Harry Potter”

Voltando das férias com novidades! Visita a uma das livrarias mais lindas do mundo e outra visita a uma das cafeterias mais lindas do mundo, que têm algo em comum, além da beleza, leia: A livraria Lello e Irmão (1919), na … Continuar lendo A livraria Lello no Porto, a do “Harry Potter”

Resenha: “O centro das nossas desatenções”, de Antônio Torres.

(…) Com sua numerosa Corte traz a Biblioteca Nacional, com mais de 14 mil livros, além de documentos, salvos do terremoto de Lisboa, em 1795. (p.68) Por que as pessoas nascidas na cidade do Rio de Janeiro são chamadas de … Continuar lendo Resenha: “O centro das nossas desatenções”, de Antônio Torres.

Dostoiévski & X-MEN: ou como os desenhos podem ser instrutivos- por Gerson de Almeida

A série X-Men na telona serviu para algumas coisas: 1º) rasgar a camiseta do Hugh Jackman e mandar hordas de marmanjos às academias; 2º) desgraçar o cabelo da lindona Halle Berry e levar a mulherada a fazer cortes esquisitos; 3º) … Continuar lendo Dostoiévski & X-MEN: ou como os desenhos podem ser instrutivos- por Gerson de Almeida

Dia Nacional do Livro no Brasil

O livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive. (António Vieira) foto: http://www.brasilescola.com Sabe qual foi o primeiro livro editado no Brasil? “Marília de Dirceu”, de Tomás Antônio Gonzaga em 1808, pela Imprensa Régia fundada por D. João VI, o rei de Portugal e do Brasil. Foi num dia 29 de outubro que o Brasil ganhou a sua primeira biblioteca em 1810, a Real Biblioteca Portuguesa no Rio de Janeiro, por esse motivo, hoje é comemorado o Dia Nacional do Livro desde 1966. Hoje essa biblioteca chama- se Fundação Biblioteca Nacional, … Continuar lendo Dia Nacional do Livro no Brasil

A Minha Biblioteca Ampliada

Minhas últimas aquisições literárias: Dostoievski e Guy de Maupassant em edições em espanhol, livros comprados na Casa del Libro (Madri): “La mansa” de Fiódor M. Dostoievski ( “krotkaya”, título original em russo), nas traduções em português ficou como “Uma criatura gentil”, “Uma criatura dócil” ou “A dócil”, é um relato de literatura fantástica. Veja edição da Cosac Naif, na Livraria Saraiva: Esta obra é uma pequena obra-prima. O pêndulo da narrativa opera segundo a lógica das transações de uma caixa de penhores: na primeira parte, a heroína se entrega, penhora sua pureza e um ícone da Virgem. Na segunda, resgata … Continuar lendo A Minha Biblioteca Ampliada

A minha biblioteca, com carinho

Na minha biblioteca só entra quem for escolhido a dedo. Primeiro, o tato e o contato visual: o título, o tipo de papel e capa, a fotografia e a biografia do autor; depois, o índice e o sumário. Por último, o questionamento: ” Que esse livro pode me trazer de bom?”. Se a resposta não for convincente, provavelmente ele acabará voltando para a prateleira da livraria. Na minha biblioteca entram também seres místicos, estranhos, que habitam em meio às letras, voam, têm alma e som: Na minha biblioteca também moram os Sonhos, três pedidos à lâmpada maravilhosa e…voilà! Essa é a … Continuar lendo A minha biblioteca, com carinho