O dia em que me tornei espanhola ou a fábrica de fazer espanhóis

Esta é uma das crônicas que ficaram nos rascunhos sem postar. Escrevi no dia 14 de novembro de 2019, depois da cerimônia de juramento da nacionalização espanhola. Eis: Uma mulher multinacional, agora eu tenho três nacionalidades, além da permissão de … Continuar lendo O dia em que me tornei espanhola ou a fábrica de fazer espanhóis

Em quantos países se fala o português?

Se você tem o português como idioma nativo, você deveria saber responder esta pergunta: em quantos países o português é falado? Soube responder? Parabéns! Já você que pensa que a nossa língua é coisa só de portugueses e brasileiros: aprender … Continuar lendo Em quantos países se fala o português?

Manuel Bandeira e Drummond no Parque dos Poetas em Portugal

Alguns sonhadores pensaram que seria uma boa ideia criar um parque onde a poesia fosse a grande atração. E realmente foi uma excelente ideia! Alguns dos idealizadores do parque:  Isaltino Morais, presidente da Câmara de Oeiras (1985-1989), o poeta e escritor David … Continuar lendo Manuel Bandeira e Drummond no Parque dos Poetas em Portugal

Resenha: “O seminarista”, de Bernardo Guimarães #RevisitandoOsClássicos #1

“Crescent illae, et vos crescentis, amores” (“As árvores hão de crescer, e com elas haveis de crescer vós, meus amores” – Virgílio citado na p. 88) Aqui começa uma série: Revisitando os Clássicos Brasileiros. O que significa? São livros que … Continuar lendo Resenha: “O seminarista”, de Bernardo Guimarães #RevisitandoOsClássicos #1

Resenha: “Cada homem é uma raça”, Mia Couto

“-A minha raça sou eu mesmo. A pessoa é uma humanidade individual. Cada homem é uma raça, senhor polícia.” (Mia Couto) António Emílio Leite Couto, Mia Couto ( Beira, Sofala, Moçambique, 05/07/1955 ) é o escritor moçambicano mais traduzido e conhecido no mundo. Escritor … Continuar lendo Resenha: “Cada homem é uma raça”, Mia Couto

Resenha: A hora do diabo, de Fernando Pessoa

A música, o luar e os sonhos são as minhas armas mágicas. (Fernando Pessoa, p.44) Este livro, “A hora do diabo”, são folhas soltas escritas por Fernando Pessoa, fazem parte do espólio do autor depositado na Biblioteca de Lisboa. Foram organizadas pela … Continuar lendo Resenha: A hora do diabo, de Fernando Pessoa