Resultado do sorteio: “Pseudopoesia”, de Alves Rosa


Muitos compartilharam em posts fechados, não posso ver quem são, obviamente esses não entraram no sorteio. Um número foi gerado aleatoriamente no site http://www.random.org. Veja a lista de quem participou e o seu número:

1. Tania Ziert Balão

2. Anilda Neves

3. Marli Camargo

4. Rebeca Xavier

5. Niza Freire

6. Natasha Maya Ferreira

7. Aline Nery

8. Professora Ana Cruz

9. Yanara Rackel

10. Bárbara Tomé

11. Silvana Vidal Santos

12. Tiago Aires

13. Erisvaldo Carvalho

14. Ita Santos

E o ganhador é:

livroQuem disse que o número 13 não dá sorte?! Parabéns, Erisvaldo Carvalho! Veja o livro que você ganhou:

10245463_503840393082860_4848802897592139928_n

Você tem até quarta- feira (3 de junho) para entrar em contato e fornecer seus dados para o envio. Caso Erisvaldo não se manifeste, faremos um novo sorteio com os outros 12 participantes. Obrigada pela participação de todos!

Quem ficou com vontade de conhecer essa obra, leia aqui a resenha. Você pode comprá- la direto com o autor aqui.

Em breve, mais sorteio de um super livro!

Anúncios

Sorteio de Livro!


O poeta Alves Rosa vai fazer aniversário e quem ganha o presente é você! O livro “Pseudopoesia”, que já foi resenhado aqui (leia) pode ser seu. Eu gostei muito do livro, que é de poemas. Estamos precisando de poesia, não acha?! Mais poesia, por favor!

42751322


Para garantir a sua participação é bem fácil, veja:

* Marque três amigos e compartilhe o post no Facebook do Falando em Literatura referente ao sorteio desse livro.

O sorteio acontecerá no dia 31 de maio. Participe e avise os amigos. Sorteio válido somente para o Brasil e Portugal. Boa sorte!

“Multiculturalismo, fantástico poema de Pedro Lyra


Não é racismo preservar a própria cultura e defender os próprios costumes e estilo de vida no país em que nascemos. Quem chega é quem tem que integrar- se e não o contrário. Podemos aprender muito com o outro, com a diversidade, mas quem deve ditar as leis e regras não é quem chega. Os islâmicos que chegam aqui na Espanha, por exemplo, não podem exigir que se mude os cardápios das escolas porque seus filhos não comem carne de porco, sendo que a carne de porco na Espanha é o manjar mais apreciado. O “jamón serrano” é a estrela do país e todos os derivados desse tipo de carne; as islâmicas não podem usar véus e burkas em lugares que exigem cabeça descoberta por questão de segurança, de identificação. Só para citar alguns problemas que causam por aqui. Se eu for no Afeganistão com a cabeça descoberta, vestida como uma ocidental, mostrando braços e pernas, e abraçasse o meu marido, que será que aconteceria?! Seria presa ou apedrejada em plena rua. “Em Roma, como os romanos”. Se você quer viver como no seu país, não saia dele então, oras!

multiculturalismo1

(fonte: Alerta Digital)

Com o massacre dos trabalhadores da Charlie Hebdo em Paris, o ataque mais recente na Tunísia e tantos outros atentados terroristas dos radicais islâmicos, o poema de Pedro Lyra cai como uma luva. Para quem acredita que deve impor a sua cultura, religião e costumes no país alheio, que o recebe, está redondamente enganado. O poema é primoroso, não deixe de ler! “(A nossa tribo pode ser o mundo./Mas o mundo não é a nossa tribo.)”.

Multiculturalismo

Os povos

(e suas culturas)

são muito diversificados

e é preciso conviver com as diferenças.

Ele vem de uma tribo poligâmica

onde todos são de todos e não existe amor.

Traz os seus valores e você o acolhe em­ casa.

Alta madrugada, ele chama a sua mulher.

É a cultura dele.

– Você concorda?

Outro vem de uma tribo antropofágica

onde se deglute o capturado para a celebração.

Chega com alguns recursos e abre um restaurante.

No cardápio, seios de virgem fritos ao molho imperial.

É a cultura dele.

– Você é servido?

Outro vem de uma tribo milenária

onde se sangra criança em oferenda aos deuses.

Ele pega a sua filha, a sua, na saída da escola

e a arrasta para o sagrado terreiro dos sacrifícios.

É a cultura dele.

– Você acompanha?

Outro vem de uma tribo patriarcal

onde se mutila a menina à sombra das tentações.

Ele convoca a sua irmã, na caída da noite,

para o solene ritual da consagração.

É a cultura dele.

– Você aprova?

Outro vem de uma tribo misógina

onde as mulheres apenas cumprem o dever de existir.

Não têm rosto, não têm sexo, e se alguma responde à natureza

é contemplada de público com dezenas de pedradas.

É a cultura dele.

– Você atira a segunda?

Outro vem de uma tribo autoconcêntrica

onde o programa limita a renda a uma ração diária.

Descreve os seus métodos e lhe sugere uma campanha

garantindo que todos serão assim igualmente felizes.

É a cultura dele.

– Você adota?

Outro vem de uma tribo monolítica,

onde o governo administra os desejos das pessoas.

Ele aporta sorridente, com promessas de bem-aventurança,

e lhe propõe uma aliança para a universalização da empreitada.

É a cultura dele.

– Você adere?

O último vem de uma tribo eclesiástica

onde não se admite uma outra crença.

Ele confina o apóstata numa jaula de ferro

e banha o seu corpo com as chamas da sua ardente fé.

É a cultura dele.

– Você assiste?

Sim – é preciso conviver com as diferenças.

Mais – é preciso avaliar as diferenças,

as químicas reações na arena desse complexo caleidoscópio.

Que cada um se esparrame como puder

– em sua casa.

(A nossa tribo pode ser o mundo.

Mas o mundo não é a nossa tribo.)

(Para a 2ª edição de Protesto – Estados de Ser, Rio de Janeiro, Ibis Libris, 2014)

10970_10203530201148384_3298508476923609433_n

Pedro Lyra é doutor em Poética. Professor de Poética na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor-visitante em universidades de Portugal, Itália, França e Alemanha. Poeta, crítico e ensaísta. (Jornal de Poesia)

O livro que vai mudar a sua vida


Primeiro: vença a preguiça e a ideia de que “não gosta de ler”. Todo benefício exige um mínimo de esforço e vontade. Se você não gosta do que está recebendo e não faz nada, tudo vai continuar igual. Pensamento e ação!

original

Os livros são muito inspiradores e cheios de ideias que podem servir para você, podem indicar caminhos, despertar a sua criatividade e a sua vontade de desenvolver coisas, projetos, sonhos. Eles podem te dar a certeza do rumo que você quer dar à sua existência. Quem sabe, lendo Stephen Hawking, você descobre que quer cientista, físico e tentar descobrir os mistérios do Universo…ou lendo Fernando Pessoa descobre no mais profundo da sua alma que é  poeta; ou com Sigmund Freud, seria ele a despertar algo mágico em você? “Quero ser psicanalista!”. Ou qualquer obra que não tenha relação direta com nenhuma profissão: às vezes uma frase, um acontecimento, uma memória, podem mudar o seu “destino”. Mas se você não ler estará desperdiçando essa forma tão viável de descobrir, “de se encontrar”, de perceber aonde é o seu lugar no mundo.

originalii

Já leu alguma obra que mexeu contigo, que mudou algo na sua vida?

Abra um livro. Você pode estar ali: dentro dele.

Bem- vindo, Angola!


Bem- vindo pessoal de Angola, que está descobrindo a nossa página! Um prazer tê- los aqui, Angola é um país lindo, de gente encantadora e uma literatura forte. Uma das minhas poetisas favoritas é a angolana Ana Paula Ribeiro Tavares (Huíla, Angola, 30/10/1952).


10996150_413074548848111_1633806669464294902_n

Algumas obras de Ana Paula Ribeiro Tavares:

10360693_413074575514775_6442319564179447663_n

Ex- voto

O tempo pode medir- se 

No corpo

As palavras de volta tecem cadeias de sombra

Tombando sobre os ombros

A cera derrete

No altar do corpo

Depois de perdida, podem tirar- se 

Os relevos

(Ana Paula Ribeiro Tavares, in “Ex- votos”)


Esse foi o post nº 500! Viva! Quinhentas tentativas de levar a literatura para algum lugar do mundo. Tentaremos quinhentas mais!

É o silêncio…de Pedro Kilkerry


A Bahia é a capital cultural do Brasil. Respira talento nas mais variadas disciplinas, música, literatura, dança, artes plásticas, cinema, arte dramática, só para citar alguns dos grandes: João Ubaldo Ribeiro, Jorge Amado, Dorival Caymmi, Antônio Torres, Antônio Brasileiro, Juracy Dórea, Caetano Veloso, João Gilberto, Castro Alves, Glauber Rocha, Othon Bastos, Regina Dourado, Chica Xavier…

Pedro Kilkerry (Santo Antônio de Jesus, 10/03/1885 – Salvador, 25/03/1917), mistura de um irlandês com uma escrava baiana alforriada, foi um grande poeta, mas totalmente desconhecido na época, teve um reconhecimento tardio. Nunca publicou um livro, seus escritos foram dispersos em revistas e jornais da época, depois recolhidos por Andrade Muricy em “Panorama do movimento simbolista brasileiro” e foi objeto de estudo de Augusto de Campos. Poeta simbolista e moderno, usa “aliterações, homofonias, onomatopéias, no campo sonoro; palavras- chave e neologismos, no léxico; e, o que lhe dá uma feição muito atual, a capacidade de distanciar- se da matéria literária para poder referir- se a ela, metalinguísticamente:” (Bosi, 2004, p. 286)

kilkerry

É o Silêncio…

É o silêncio, é o cigarro e a vela acesa.

Olha-me a estante em cada livro que olha.

E a luz nalgum volume sobre a mesa…

Mas o sangue da luz em cada folha.

Não sei se é mesmo a minha mão que molha

A pena, ou mesmo o instinto que a tem presa.

Penso um presente, num passado. E enfolha

A natureza tua natureza.

Mas é um bulir das cousas… Comovido

Pego da pena, iludo-me que traço

A ilusão de um sentido e outro sentido.

Tão longe vai!

Tão longe se aveluda esse teu passo,

Asa que o ouvido anima…

E a câmara muda. E a sala muda, muda…

Àfonamente rufa. A asa da rima

Paira-me no ar. Quedo-me como um Buda

Novo, um fantasma ao som que se aproxima.

Cresce-me a estante como quem sacuda

Um pesadelo de papéis acima…

……………………………………………………………..

E abro a janela. Ainda a lua esfia

últimas notas trêmulas… O dia

Tarde florescerá pela montanha.

E ó minha amada, o sentimento é cego…

Vês? Colaboram na saudade a aranha,

Patas de um gato e as asas de um morcego.

 

A passagem do ano


Passar de um ano ao outro exige um ritual: ordenar a casa, limpar gavetas, deixar para trás tudo o que não serve, fazer a passagem leve e livre para as coisas “novas”. Renascemos das tristezas, das perdas, das injustiças, das solidões, do desamor, das doenças, da falta de dinheiro, das frustrações. O ser humano é forte, tem muitas capas. Tudo o que foi perdido já não se recupera, mas estamos vivos e seguimos adiante, porque esse é o nosso destino natural, sobreviver às dificuldades.

Abaixo um poema de Carlos Drummond de Andrade que pensou também nessas coisas e explica muito melhor que eu:

Passagem do ano 

O último dia do ano
Não é o último dia do tempo.
Outros dias virão
E novas coxas e ventres te comunicarão o calor da vida.
Beijarás bocas, rasgarás papéis,
Farás viagens e tantas celebrações
De aniversário, formatura, promoção, glória, doce morte com sinfonia
E coral,

Que o tempo ficará repleto e não ouvirás o clamor,
Os irreparáveis uivos
Do lobo, na solidão.

O último dia do tempo
Não é o último dia de tudo.
Fica sempre uma franja de vida
Onde se sentam dois homens.
Um homem e seu contrário,
Uma mulher e seu pé,
Um corpo e sua memória,
Um olho e seu brilho,
Uma voz e seu eco.
E quem sabe até se Deus…

Recebe com simplicidade este presente do acaso.
Mereceste viver mais um ano.
Desejarias viver sempre e esgotar a borra dos séculos.

Teu pai morreu, teu avô também.
Em ti mesmo muita coisa, já se expirou, outras espreitam a morte,
Mas estás vivo. Ainda uma vez estás vivo,
E de copo na mão
Esperas amanhecer.

O recurso de se embriagar.
O recurso da dança e do grito,
O recurso da bola colorida,
O recurso de Kant e da poesia,
Todos eles… e nenhum resolve.

Surge a manhã de um novo ano.

As coisas estão limpas, ordenadas.
O corpo gasto renova-se em espuma.
Todos os sentidos alerta funcionam.
A boca está comendo vida.
A boca está entupida de vida.
A vida escorre da boca,
Lambuza as mãos, a calçada.
A vida é gorda, oleosa, mortal, sub-reptícia.

Até o ano que vem, pessoal! Obrigada pela companhia nesse mundo mágico da literatura, que nos salva de um monte de coisas. Obrigada pelos comentários, pela partilha e troca de experiências. O ano de 2015 vem aí cheio de páginas em branco para desenhar a nossa história e cheia de páginas escritas de histórias fantásticas por seres humanos que fazem a diferença no mundo. A minha lista de livros resenhados em 2014 ficou assim (clica aqui) e a sua?

Vamos criar pensamentos e páginas felizes, menos sofrimentos imaginários e mais abraços. Feliz 2015!

destrua_este_diario_destrui_ao_n_18_blog_omg_a_boy