Resenha: “Gente feliz com lágrimas”, do português João de Melo

A primeira resenha do ano! Essa obra eu comecei a ler em dezembro, pensei que conseguiria postar no ano passado, mas a resenha saiu agora. Por isso, este livro não está na minha Lista de vinte e quatro livros para … Continuar lendo Resenha: “Gente feliz com lágrimas”, do português João de Melo

Xícaras literárias da Vista Alegre, porcelana portuguesa

A fábrica portuguesa de porcelanas Vista Alegre é uma das mais famosas e prestigiosas do mundo. A fábrica (1920) fica na cidade de Ílhavo (Aveiro) e suas peças estão espalhadas pelo mundo todo, expostas em museus e usadas pela realeza. No entanto, … Continuar lendo Xícaras literárias da Vista Alegre, porcelana portuguesa

Resenha: “Em busca do tempo perdido- No caminho de Swann”, Marcel Proust

(…) Mas, quando nada subsiste de um passado antigo, após a morte dos seres, após a destruição das coisas, apenas o cheiro e o sabor, mais frágeis mas vivazes, mais imateriais, mais persistentes, mais fiéis, permanecem ainda por muito tempo, … Continuar lendo Resenha: “Em busca do tempo perdido- No caminho de Swann”, Marcel Proust

Resenha: A hora do diabo, de Fernando Pessoa

A música, o luar e os sonhos são as minhas armas mágicas. (Fernando Pessoa, p.44) Este livro, “A hora do diabo”, são folhas soltas escritas por Fernando Pessoa, fazem parte do espólio do autor depositado na Biblioteca de Lisboa. Foram organizadas pela … Continuar lendo Resenha: A hora do diabo, de Fernando Pessoa

A favor da Nova Ortografia

A língua é um organismo vivo e muda com o tempo. O ranço dos puristas conservadores nunca impediu o curso normal dessas mudanças. O falar do povo, as demandas é que determinam o curso por onde ela deve seguir. O mundo globalizado e as facilidades de comunicação que a Internet nos proporcionou empurraram essa unificação da ortografia dos países lusófonos, que só vem a nos beneficiar. Por trás da Nova Ortografia há interesses financeiros e políticos, obviamente, mas isto não me interessa. Vou falar da minha experiência como professora de língua portuguesa num país de falantes espanhóis, crítica de literatura, … Continuar lendo A favor da Nova Ortografia

Gente linda é gente que lê

Quando andamos pela rua e vemos gente compenetrada com suas leituras, não dá vontade de ler também? “Ahhh…por que não trouxe meu livro!” Gente linda, é gente que lê no ônibus, no metrô, no banco da praça, no avião, embaixo de uma árvore, na sala de espera do médico, na cafeteria…gente que não pode andar sem um livro, gente que inspira! (Todas as fotos são minhas, cópias com créditos, ok?) O leitor e a bicicleta, Parque del Retiro, Madri Lendo em dupla, Parque del Retiro, Madri Leitor solitário, Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa Leitura e descanso, jardim do Museu do Prado, … Continuar lendo Gente linda é gente que lê

Sorteio de livro!

O livro a ser sorteado é um que a nossa parceira, a editora Planeta da Espanha, nos enviou: La más bella historia de amor de Paula Cortázar, de Antonio Gómez Rufo. O livro está escrito em espanhol. Sinopse (da Editora Planeta e minha livre tradução) Daniel, um soldado espanhol, regressa ferido do Afeganistão. Uma bomba deixou o seu rosto desfigurado, mas uma cirurgia estética o converte num homem de uma beleza perfeita, abrindo portas para viver uma vida diferente. Com o que ele não conta, nem Paula, sua namorada, é com a sucessão de surpresas e acontecimentos que uma sociedade … Continuar lendo Sorteio de livro!

“Requiem: uma alucinação”, do italiano Antonio Tabucchi

réquiem ré.qui.em sm (lat requiem) 1 Repouso. 2 Liturg Ofício que se faz pelos mortos: Missa de réquiem. 3 Cantochão ou música do ofício de defuntos. (Michaelis) Antonio Tabucchi (Vecchiano, Pisa, Itália 24/ 09/ 1943 – Lisboa, Portugal 25/ 03/ 2012) foi o italiano mais português que existiu (ele nacionalizou- se português). Tabucchi faleceu no ano passado … Continuar lendo “Requiem: uma alucinação”, do italiano Antonio Tabucchi

“A maior flor do mundo”, história infantil de José Saramago

E se as histórias para crianças passassem a ser de leitura obrigatória para os adultos? Seriam eles capazes de aprender realmente o que há tanto tempo têm andado a ensinar? (José Saramago) José Saramago escreveu essa linda história infantil (que ele disse que não sabia escrever), ” A maior flor do mundo” nos conta a história de um menino que não mediu esforços para salvar uma flor que estava morrendo e esse gesto foi enorme! Clique aqui para ler o livro na íntegra. Também fizeram uma animação com a história, que foi narrada pelo próprio José Saramago, mas eu gostei muito mais … Continuar lendo “A maior flor do mundo”, história infantil de José Saramago

Feiras de livros no mundo

Para quem adora visitar feiras de livros (eu! eu!) deixo aqui uma lista com as principais feiras do mundo: 1. Feira do Livro de Madri, acontece no Parque del Retiro, entre os dias  25 de maio al 10 de junho. Horario: segunda a sexta: de 11:00 às 14:00 e de 18:00 às 21:30 horas. A entrada é grátis. 2. A Liber, Feira do Livro de Barcelona, acontece de 3 a 5 de outubro de 2012. 3. Feira do Livro de Lisboa, Endereço: Parque Eduardo VII, de 24 de Abril a 13 de Maio. 4. Bienal do Livro de São Paulo, aconteceu de 09 a 19 de Agosto … Continuar lendo Feiras de livros no mundo

Os heterônimos de Fernando Pessoa

Sinto todo o meu corpo deitado na realidade, Sei a verdade e sou feliz. (“O guardador de rebanhos”, Alberto Caeiro) Fernando Pessoa (Lisboa, 13/ 06/1888- Lisboa, 30/11/ 1935) considerado um dos maiores poetas do mundo, era tão vasto, que não podia ser um só,  então ele criou alguns heterônimos , que são autores fictícios para assinar seus poemas. Seus heterônimos têm personalidade própria, como se realmente fossem autores independentes. Os personagens criados por Pessoa são Ricardo Reis, Alberto Caeiro e Álvaro de Campos. Fernando Pessoa na Baixa de Lisboa, onde costumava passear e tomar um café na cafeteria “A Brasileira” … Continuar lendo Os heterônimos de Fernando Pessoa

Uma flor, um livro…Dia Internacional do Livro

Hoje é um dia romântico e poético na Espanha: no dia Internacional do Livro e dia de São Jorge, a tradição é trocar flores e livros. Os amigos, namorados, maridos dão uma rosa às mulheres, e em troca, elas presenteiam livros aos meninos (um livro e uma rosa seria perfeito!). Esse dia começou a ser comemorado com a intenção de fomentar a leitura no mundo todo. É um dia jóia para comprar livros, pois as livrarias geralmente fazem boas promoções. O dia 23 de abril não foi aleatório: no dia 22 faleceu Cervantes ( foi enterrado no dia 23) e Shakespeare … Continuar lendo Uma flor, um livro…Dia Internacional do Livro

Resenha: “Claraboia”, de José Saramago

             Claraboia: s. f. Parte envidraçada de um telhado para entrar claridade. José Saramago (Azinhaga, 1922- Lanzarote, 2010) foi o único escritor em língua portuguesa a ganhar um prêmio Nobel de Literatura. Veja a sua obra completa e biografia no site da Fundação José Saramago, que é transcrito literalmente na orelha da edição póstuma de “Claraboia” e que vem com uma falha ao não citar a primeira esposa, Ilda Reis, mãe de sua única filha, Violante (só cita Pilar del Rio). Saramago casou- se com apenas 22 anos de idade (1944) e o casamento durou 26 anos, … Continuar lendo Resenha: “Claraboia”, de José Saramago

O melhor vem depois: “Claraboia”, José Saramago

Eis o primeiro livro de José Saramago, rejeitado pelas editoras e agora editado pela Caminho, aqui na mão, fresquinho. A sinopse (clique nas imagens para ampliar): Abertura do I capítulo: Na capa:Na contra- capa uma foto belíssima, a imensidão do céu que guarda as almas nos prédios onde se desenvolve o enredo: O livro chegou um dia depois do lançamento em Portugal, nota dez para a livraria Wook do Porto pela eficiência. O livro ainda veio com um brinde,  uma caneca super bacana: Na caneca vem um trecho do livro que fala da relação maniqueísta que todo mundo carrega consigo:  … Continuar lendo O melhor vem depois: “Claraboia”, José Saramago

A minha biblioteca, com carinho

Na minha biblioteca só entra quem for escolhido a dedo. Primeiro, o tato e o contato visual: o título, o tipo de papel e capa, a fotografia e a biografia do autor; depois, o índice e o sumário. Por último, o questionamento: ” Que esse livro pode me trazer de bom?”. Se a resposta não for convincente, provavelmente ele acabará voltando para a prateleira da livraria. Na minha biblioteca entram também seres místicos, estranhos, que habitam em meio às letras, voam, têm alma e som: Na minha biblioteca também moram os Sonhos, três pedidos à lâmpada maravilhosa e…voilà! Essa é a … Continuar lendo A minha biblioteca, com carinho