Os principais erros dos escritores novatos

“Ninguém nasce sabendo. Todos aprendem a ler e a escrever na escola, inclusive nos ensinaram as regras básicas de redação. Como na caligrafia e na gramática, no início da narrativa é comum cometer falhas muito elementais. Com o tempo, você vai aprendendo a escrever com poucas falhas ortográficas e o mesmo pode acontecer com o estilo do seu texto. Observe estes três erros ao escrever aos que todo narrador caiu quando iniciou suas escrituras  e comece a detectá-los: Erro #1: excesso de advérbios acabados em “-mente” Que simples é abusar dos advérbios terminados em “-mente”. É cômodo, prático, eficiente… e feio. Delatam duas características principais … Continuar lendo Os principais erros dos escritores novatos

Português de Portugal X Português do Brasil (4)

Apesar de Margarida Rebelo Pinto escrever em um português mais “neutro”, digamos assim, sem tantas expressões lusas, retirei alguns vocábulos do seu livro “O dia em que te esqueci”, que seriam escritos diferentes em português brasileiro: Portugal   X    Brasil 1. Piroso – brega 2. Pilinha- pintinho (pênis) 3. Espaguerte- espaguete 4. Alcunha- apelido 5. Forreta- pão- duro 6. Pucarinho- na cara-de-pau, na ponga (ser hospedado e alimentado na casa de alguém grátis, por exemplo) 7. Jeans ruços- jeans velhos, desgastados 8. Engodo- isca, armadilha 9. Bonomia- humildade Você pode consultar outras listas aqui, aqui e aqui.   Continuar lendo Português de Portugal X Português do Brasil (4)

Mude de ideia

“Idéia” ou “ideia”? No Brasil, a grafia pedia o acento agudo, mas ele caiu com a última reforma ortográfica que entrou em vigor em janeiro de 2009. A regra é simples: Não se usará mais acento agudo nos ditongos abertos “ei” e “oi” de palavras paroxítonas, como “assembléia”, “idéia”, “heróica” e “jibóia”. Portanto, mude de ideia. Continuar lendo Mude de ideia

Polén

A primavera na Espanha, sem dúvida, é a época mais bonita do ano por suas cores e temperatura agradável; contudo, as alergias provocadas pelo pólen suspenso no ar é um desagradável inconveniente dessa colorida estação do ano. O pólen que fecunda e dá vida às flores, também faz com que muita gente passe mal com as alergias respiratórias e cutâneas. Inclusive há gente que anda pelas ruas com máscara para evitar o pólen. Esse ano a cidade de Madri está coberta com tulipas no centro da cidade e no Jardim Botânico: A palavra pólen (do grego “pales” = “farinha” ou … Continuar lendo Polén

Reforma Ortográfica no Brasil

O objetivo* do Acordo Ortográfico que entrou em vigor no Brasil em janeiro desse ano, é padronizar a língua. Na prática, isso é possível? Oralmente, impossível. Ortograficamente, mais ou menos, o que acaba ficando tudo na mesma, porque se duas formas gráficas sao aceitas(BR)/aceites(PT), entao o que muda na prática afinal?Alguns poucos acentos e muito dinheiro gasto com as novas ediçoes corrigidas. Perguntei  recentemente à uma amiga professora de português no Brasil como andava a nova ortografia na sua sala de aula. E ela me respondeu: “Que nova ortografia?!” Choque. Quase 9 meses que o Acordo está em vigor e … Continuar lendo Reforma Ortográfica no Brasil

“Coito”

Minha filha de seis anos: “Mãe, que significa coito?” ” (…) “- susto! “Aonde você ouviu essa palavra filha?” “Quando os miúdos brincam de “apanhada” (esconde- esconde) eles gritam “coito” quando estão salvos.” Ufffffff… Coito no Brasil é usado  para referir- se ao ato sexual; já em Portugal, vocês já viram… a palavra “coito” (ou “couto”) é usada também  numa brincadeira infantil com o significado de refúgio, local privado, proibido passar… Continuar lendo “Coito”

Para quê os homônimos e os parônimos?!

É curiosa essa nossa língua portuguesa, complicada muitas vezes, mas só porque querem. No último livro do Saramago, “A viagem do elefante”, eu notei a palavra “espectadora”  numa frase que fazia referência à “rainha catarina”, escrita assim mesmo em minúscula: “(…) ela participa regularmente nas reuniões de estado, onde nunca se comportou como passiva espectadora“. (p.28)* Falando nele, adoro Saramago justamente porque ele é um transgressor das regras gramaticais, como no caso do nome da rainha citado acima, e dos seus diálogos que não têm pontuação e não fazem falta. Isso prova que há um excesso de regras desnecessárias. Eu … Continuar lendo Para quê os homônimos e os parônimos?!

Saramago no Brasil e a reforma ortográfica

José Saramago vai estar no Teatro Folha em São Paulo, na próxima sexta- feira, para uma entrevista (entradas esgotadas). Ele é defensor da nova reforma ortográfica da língua portuguesa, acredita que a diversidade enriquece o idioma. (Folha) Acredito que muitos … Continuar lendo Saramago no Brasil e a reforma ortográfica

O português do Brasil e o português de Portugal

Brasil / Portugal desporto / esporte touro / toiro café-da-manhã / pequeno- almoço calcinhas / cuecas camiseta / t- shirt camiseta / camisola meias / peúgas trem / comboio ônibus / auto- carro café-com-leite (xícara) / meia de leite xícara / chávena café / bica café / cimbalino (Porto) chamam- no pela marca copo de café- com- leite/ galão sonho (padaria) / bola-de-berlim alô / está lá- estou celular / telemóvel privada / retrete descarga / autoclismo acostamento / bermas desenho animado / banda animada gol / golo goleiro / guarda- redes gramado / relvado centavos / centimos açougue / … Continuar lendo O português do Brasil e o português de Portugal

A transformação dos pronomes o(s)/a(s) em lo(s)/la(s)

Os verbos terminados em -r, como amar, o pronome adequado a ser utilizado seria o lo (amá-lo, amá-las, é um exemplo,) com supressão do -r. Nos verbos conjugados acabados em s, como amas, fica também lo (tu ama-lo, nós amamo–lo, tu faze–la), igualmente sem o -s. Se a forma verbal tem z no fim, este desaparece e utiliza-se à mesma lo (trá-lo). O que se passou realmente foi a transformação de lo em o, e não o contrário, dado que as formas mais antigas são lo, la, los, las, que transformaram- se em o, os, a, as, devido ao fenómeno fonético … Continuar lendo A transformação dos pronomes o(s)/a(s) em lo(s)/la(s)