O imigrante e a perda de identidade

Ser imigrante não é fácil. Você pensa o contrário? Então vou te contar um pouco. Você chega em outro país com idioma, costumes, tradições, clima, geografia, idiossincrasias que não são os seus. E vai ter se adaptar, ou isso, ou … Continuar lendo O imigrante e a perda de identidade

Resenha: A hora do diabo, de Fernando Pessoa

A música, o luar e os sonhos são as minhas armas mágicas. (Fernando Pessoa, p.44) Este livro, “A hora do diabo”, são folhas soltas escritas por Fernando Pessoa, fazem parte do espólio do autor depositado na Biblioteca de Lisboa. Foram organizadas pela … Continuar lendo Resenha: A hora do diabo, de Fernando Pessoa

Fernando Pessoa: 125 anos do seu nascimento

Hoje completa 125 anos do nascimento do gênio português Fernando Pessoa. Ele que também era António (Fernando António Nogueira Pessoa) nasceu em Lisboa no dia de Santo Antônio, 13 de junho. Se você é um jovem leitor, coloque como prioridade os livros de Fernando Pessoa, conheça a obra de um dos maiores escritores da língua portuguesa. Os poemas são maravilhosos (ele assinava com heterônimos, como se criasse personagens para suas histórias em versos), também era filósofo. Suas reflexões filosóficas, confissões, visões de mundo, pequenas crônicas, onde podemos saber um pouco mais do mundo interior do escritor (isto é, se não … Continuar lendo Fernando Pessoa: 125 anos do seu nascimento

Os heterônimos de Fernando Pessoa

Sinto todo o meu corpo deitado na realidade, Sei a verdade e sou feliz. (“O guardador de rebanhos”, Alberto Caeiro) Fernando Pessoa (Lisboa, 13/ 06/1888- Lisboa, 30/11/ 1935) considerado um dos maiores poetas do mundo, era tão vasto, que não podia ser um só,  então ele criou alguns heterônimos , que são autores fictícios para assinar seus poemas. Seus heterônimos têm personalidade própria, como se realmente fossem autores independentes. Os personagens criados por Pessoa são Ricardo Reis, Alberto Caeiro e Álvaro de Campos. Fernando Pessoa na Baixa de Lisboa, onde costumava passear e tomar um café na cafeteria “A Brasileira” … Continuar lendo Os heterônimos de Fernando Pessoa

Fernando Pessoa

Autopsicografia (Fernando Pessoa) O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração. “Autopsicografia” é um poema memorável, que toca à perfeição; mas isso nao é tão incomum na obra de Fernando Pessoa, que é imensa e intensa, original e genial. Muito sobre ela já foi … Continuar lendo Fernando Pessoa