O último texto de Moraes Moreira

Provavelmente 2020 seja um dos piores anos da nossa história. Fora a tragédia mundial da pandemia do Covid-19, hoje recebemos a triste notícia do falecimento do baiano Moraes Moreira (1947-2020), que dispensa apresentações, todo brasileiro o conhece. https://youtu.be/WjYPXN7A8Bc Na sua última atualização no Instagram, no dia 18 de março, o artista disse que estava noContinuar lendo “O último texto de Moraes Moreira”

Como eu vim parar na Espanha

Eu nunca pretendi sair do Brasil, mesmo com um pai estrangeiro. Depois do acidente (1996), o medo de viajar, ainda que de carro ou ônibus, impediam- me de conhecer o meu próprio país. Viagem internacional era impensável! No entanto, tudo mudou inesperadamente. Eu não acreditava em destino. Hoje, acredito que é impossível fugir do queContinuar lendo “Como eu vim parar na Espanha”

Resenha: Becos da Memória, de Conceição Evaristo

A última resenha do ano! Aviso: este é um LIVRAÇO! Pode haver poesia na favela? Claro! O olhar de Conceição Evaristo (Belo Horizonte, 29/11/1946) não me deixa mentir. Há muita beleza triste, dolorida e comovente na favela. A sua prosa afiada, que acerta na forma e conteúdo, conta a realidade sem apelar ao dramatismo barato.Continuar lendo “Resenha: Becos da Memória, de Conceição Evaristo”

Resenha: “Uma furtiva lágrima”, de Nélida Piñón

Este é um dos melhores livros escritos em português. “Uma furtiva lágrima”, de Nélida Piñón é comparável ao “Livro do desassossego”, de Fernando Pessoa. Narrar é prova de amor. O amor cobra declarações, testemunho do que sente. Fala da desesperada medida humana. Como amar sem os vizinhos saberem? Sem tornar pública a paixão que alberga osContinuar lendo “Resenha: “Uma furtiva lágrima”, de Nélida Piñón”

Resenha: “Ciranda de pedra”, de Lygia Fagundes Telles

Tenho uma leve lembrança da novela “Ciranda de Pedra”, que passou na minha infância (1981), mas nada significativo em relação ao enredo, só lembro do rosto de Lucélia Santos; portanto, essa obra era como uma desconhecida para mim. Sei que a novela da Globo foi um tremendo sucesso, foi reprisada e ganhou um remake emContinuar lendo “Resenha: “Ciranda de pedra”, de Lygia Fagundes Telles”

Resenha: “O seminarista”, de Bernardo Guimarães #RevisitandoOsClássicos #1

“Crescent illae, et vos crescentis, amores” (“As árvores hão de crescer, e com elas haveis de crescer vós, meus amores” – Virgílio citado na p. 88) Aqui começa uma série: Revisitando os Clássicos Brasileiros. O que significa? São livros que eu já li há muito tempo e tenho vontade de reler. O tempo, a experiênciaContinuar lendo “Resenha: “O seminarista”, de Bernardo Guimarães #RevisitandoOsClássicos #1″

O que você sabe sobre Antônio Torres? Quiz!

O baiano e imortal das academias baiana e brasileira de Letras, Antônio Torres, é o tema do quiz dessa semana. Antônio Torres Flipoços 2013. Teste seus conhecimentos, divirta- se! Clique aqui!

Quando você foi ao cinema pela primeira vez?

Cinema é magia, principalmente os antigos de bairros tradicionais, aqueles onde o pipoqueiro te conhece pelo nome. Cinema faz parte da nossa história pessoal, um memorial de emoções. Você lembra do primeiro filme que viu no cinema? Eu lembro: “Bernardo e Bianca”. Ele estreou no Brasil no dia 22 de julho de 1977, eu tinhaContinuar lendo “Quando você foi ao cinema pela primeira vez?”

Resenha de filme: “Sete homens e um destino”

Por Gerson de Almeida, colaborador Eu já tinha cantado a pedra no século passado, mas me tacharam de maluco e temi que minha mãe tivesse que passar pelo constrangimento de ir me visitar no jardim do Juliano Moreira, porém anteontem, extasiado, voltei à carga: Taranta é um aprendiz de feiticeiro que deu no pé daContinuar lendo “Resenha de filme: “Sete homens e um destino””

Literatura contemporânea: “Variedades”, de Fabio Gorodski

Vou apresentá- los um autor brasileiro contemporâneo, que vive em Berlim: Fabio Gorodski. Aqui o blog do autor. Fabio Gorodski tem uma vasta formação musical, conhecimentos notados no conto “comprimidos” (p.13)  e já teve um poema adaptado a um curta- metragem, veja. Se não contei mal, o livro é composto por 39 contos. “Variedades: uma narrativa e vários episódios”,Continuar lendo “Literatura contemporânea: “Variedades”, de Fabio Gorodski”