Antônio Torres, el escritor que surgió del Sertão, por Ascensión Rivas

Antônio Torres, el escritor que surgió del Sertão Cada vez que me acerco a la Literatura brasileña encuentro algo que me sorprende, autores que desconocía y que me hacen ver que la realidad puede ser descrita desde puntos de vista … Continuar lendo Antônio Torres, el escritor que surgió del Sertão, por Ascensión Rivas

Um recado no YouTube pra vocês: oficina literária na próxima quarta!

Na próxima quarta- feira, dia 16 de novembro, os convido para uma oficina literária sobre a obra de Antônio Torres, escritor baiano, membro da Academia de Letras da Bahia e da Academia Brasileira de Letras, um dos meus escritores favoritos. … Continuar lendo Um recado no YouTube pra vocês: oficina literária na próxima quarta!

“Olhos nos olhos”, crônica de Ana Maria Machado

Estamos vivendo uma época insana,  pessoas  famosas, anônimas, influentes ou não, estão em pé de guerra para defender as suas ideias. Cadê a retórica, o bom papo, a lucidez? Essa crônica de Ana Maria Machado é bastante pertinente, nos convida … Continuar lendo “Olhos nos olhos”, crônica de Ana Maria Machado

Antônio Torres e a alegria

Três excelente surpresas, vamos lá! Quem me conhece sabe que o meu escritor brasileiro contemporâneo favorito é Antônio Torres. Era apaixonada por sua escritura muito antes de saber com detalhes quem era a pessoa por trás de “Essa Terra“. E acredite, … Continuar lendo Antônio Torres e a alegria

A ABL é branca e masculina desde 1897

Pesquisando a história da Academia Brasileira de Letras, constatei o seguinte: Dos 288 acadêmicos da ABL em toda a sua história, não existe UM negro, só alguns poucos mestiços, que para o padrão brasileiro nem são considerados negros. Índio nenhum, zero. Dos 288 acadêmicos da ABL  de toda a sua história, só ingressaram 8 mulheres. Dos 288 acadêmicos e acadêmicas da ABL, não existe, nunca existiu UMA ÚNICA mulher negra ou índia. Estatuto da ABL: Art. 2º – Só podem ser membros efetivos da Academia os brasileiros que tenham, em qualquer dos gêneros de literatura, publicado obras de reconhecido mérito ou, fora … Continuar lendo A ABL é branca e masculina desde 1897

Resenha: “Pelo fundo da agulha” de Antônio Torres

Pelo fundo da agulha (1ª edição em 2006, 4ª edição em 2014) é o terceiro livro da trilogia junto com Essa Terra e O cachorro e o lobo. A saga de Totonhim continua, o nordestino que foi embora para São Paulo aos … Continuar lendo Resenha: “Pelo fundo da agulha” de Antônio Torres

Resenha: “Um cão uivando para a lua”, de Antônio Torres

Até antes de ler “Um cão uivando para a lua”, o livro “Essa terra” era o meu preferido. Agora estão empatados, outro “livraço”* de Antônio Torres! O autor escolheu para a epígrafe do livro uma frase genial de William Faulkner: Entre … Continuar lendo Resenha: “Um cão uivando para a lua”, de Antônio Torres

Resenha: Meninos, eu conto, de Antônio Torres

“Meninos, eu conto” está “classificado” como literatura infanto- juvenil, mas é adequado para todas as idades. E atenção, professores: altamente recomendado para ler na escola! Antônio Torres (Sátiro Dias, antigo Junco, Bahia, 13-09-1940)  é um mestre do romance, mas aventurou- se … Continuar lendo Resenha: Meninos, eu conto, de Antônio Torres

Homenagens a Antônio Torres na sua terra natal

O clima festivo e cheio de emoções marcaram as homenagens ao escritor Antônio Torres no último sábado (26/04/2014) na sua terra natal Sátiro Dias (o antigo Junco, na Bahia). O escritor retornou ao Junco como imortal da Academia Brasileira de Letras. As fotos abaixo foram retiradas do Facebook do irmão do escritor, Tom Torres, do primo, Marcelo Torres, de Cristiana Alves, Doriane Doria e do Departamento de Cultura de Sátiro Dias: A sequência de fotos de Tom Torres, Antônio Torres reencontrando amigos e familiares, deitado na rede na varanda, rodeado pela família e ao som de uma viola. Uma das fotos mais bonitas … Continuar lendo Homenagens a Antônio Torres na sua terra natal

Discurso de posse de Antônio Torres, novo membro da ABL

Eu sou fã do escritor baiano Antônio Torres, que tomou posse ontem na Academia Brasileira de Letras. Reproduzo abaixo a notícia na íntegra, que a Academia publicou no seu site, a foto é do O Globo Rio, com Geraldo Holanda Cavalcanti, Antônio Torres e Nélida Piñón: Romancista baiano Antônio Torres toma posse na Cadeira 23 da ABL fundada por Machado de Assis “Aqui chega um baiano que está longe de representar a Bahia da grande oratória, que, no dizer de Jorge Amado, foi devidamente representado nesta Casa por seu antecessor, o nobre Otávio Mangabeira, como definiu o não menos nobre Luiz … Continuar lendo Discurso de posse de Antônio Torres, novo membro da ABL

Saia justa: discussão entre Rachel de Queiroz e Caio Fernando de Abreu

Uma entrevista/debate de Rachel de Queiroz no programa de televisão “Roda Viva”, da Cultura no dia 1º de julho 1991 (dia que faleceu o grande Paulo Mendes Campos) deu muito “pano pra manga”. Esse programa é genial, os entrevistadores eram também escritores (pelo menos nessa entrevista), inclusive o mediador, o jornalista Jorge Escosteguy (Santana do Livramento, 30 de novembro de 1946 – São Paulo, 17 de novembro de 1996) que faleceu precocemente aos 49 anos por causa de problemas cardíacos.  O entrevistado fica no meio de um palco circular e vai sendo “bombardeado” com perguntas sem nenhum tipo de censura. O programa ainda está no ar … Continuar lendo Saia justa: discussão entre Rachel de Queiroz e Caio Fernando de Abreu

Resenha: “Grande Sertão: veredas”, João Guimarães Rosa, no dia da morte do escritor

Eu quase que nada não sei. Mas desconfio de muita coisa.( p. 30) Eu também desconfio de muita coisa, até dessa incrível “coincidência”, postar ao acaso essa resenha (cheia de “anotamentos”) justo hoje: data do falecimento de Guimarães Rosa. A … Continuar lendo Resenha: “Grande Sertão: veredas”, João Guimarães Rosa, no dia da morte do escritor

O que é a imortalidade?

O que é a imortalidade? Um sopro que nos carrega para os confins da orfandade A imortalidade na visão do jornalista, crítico e poeta e também acadêmico da ABL, Ivan Junqueira (Rio de Janeiro, 3 de novembro de 1934). Ele ocupa a cadeira nº 37, foi o sucessor de João Cabral de Melo Neto. A IMORTALIDADE O que é a imortalidade? Um sopro que nos carrega para os confins da orfandade, onde o espírito se nega e de si já não recorda após a última entrega? Que luz é a que nos acorda quando a morte, em dada hora, bate à porta … Continuar lendo O que é a imortalidade?

O escritor baiano Antônio Torres é o novo imortal da ABL

O mestre Antônio Torres (Sátiro Dias, 13/09/1940) agora é imortal da Academia Brasileira de Letras. Ele vai ocupar a cadeira nº 23, que era antes de Luiz Paulo Horta e que também ocupou Machado de Assis, Jorge Amado e Zélia Gattai. … Continuar lendo O escritor baiano Antônio Torres é o novo imortal da ABL

Resenha: “O calor das coisas”, contos de Nélida Piñon

Falar em Nélida Piñón (Rio de Janeiro, 3 de maio de 1937) é falar em literatura de primeiro nível, ela escreve muito! O amor em todas as suas formas é o centro dessa obra. A escritora é filha de espanhóis da Galiza (Espanha), o … Continuar lendo Resenha: “O calor das coisas”, contos de Nélida Piñon

Resenha: “A história do amor de Fernando e Isaura”, Ariano Suassuna

Sou um escritor de poucos livros e poucos leitores. Vivo extraviado em meu tempo por acreditar em valores que a maioria julga ultrapassados. Entre esses, o amor, a honra e a beleza que ilumina caminhos da retidão,da superioridade moral, da … Continuar lendo Resenha: “A história do amor de Fernando e Isaura”, Ariano Suassuna

Dez possíveis candidatos à cadeira nº 10 da Academia Brasileira de Letras

Com  falecimento do escritor Lêdo Ivo, a cadeira número 10 da ABL ficou vaga. Possíveis candidatos? Quem você aposta? A minha lista de escritores brasileiros que têm mérito para tal honra, pois são gênios da palavra, da arte literária em prosa e verso: 1. Antônio Torres,  mestre em mostrar o nosso Brasil como ele é, numa linguagem que todos podem entender e sentir. 2. Manoel de Barros, o melhor poeta do Brasil atualmente (minha opinião). 3. Ignácio Loyola de Brandão, um maravilhoso contador de histórias. 4. Adélia Prado, porque ABL é muito machista e não dá destaque para as escritoras, Adélia … Continuar lendo Dez possíveis candidatos à cadeira nº 10 da Academia Brasileira de Letras