Você já roubou um livro?

Eu nunca roubei um livro. Aliás, nunca roubei nada. Já fui roubada algumas vezes, isso sim.

Quando eu tinha 11 anos , peguei uma caneta de quatro cores no escritório do meu tio e a levei comigo, “ele tem tantas, acho que não tem problema”. A caneta era linda, nunca tinha visto uma daquelas, era novidade. Eu sempre fui louca por canetas. Aquela ficou queimando no meu bolso no caminho até a minha casa.  Não suportei: voltei por cima do rastro, suando, rezando para que ele não tivesse dado falta, queria colocar a caneta de volta no mesmo lugar. Consegui. Entrei e saí sem ninguém notar a minha presença.

Essa foi a minha única tentativa arrependidíssima de furto. É um sentimento péssimo, que jamais quis repetir. Ainda menina, aprendi a jamais querer nada dos outros. Se eu tivesse pedido a caneta ao meu tio, com certeza ele teria me dado. No entanto, esta é outra coisa que nunca aprendi: pedir.

Desde já, digo que roubar coisas de pequeno ou grande valor, é absolutamente reprovável. Roubar um livro é coisa ruim também, o dono da livraria não deve achar nenhuma graça; a biblioteca pública fica desfalcada e a biblioteca familiar, idem. Mas, esse é um tipo de furto moralmente menos daninho.

Uma vez, um aluno roubou um livro em cima da minha mesa. Era uma primeira edição de “Vergonha dos pés” , recém- lançada (1995), romance de estreia de Fernanda Young (1970-2019). Sorte que já tinha terminado de ler. A narrativa conta a história de Ana, uma estudante de Letras. Qualquer dia vou deixar uma resenha aqui. Pobre Fernanda, uma triste fatalidade tê- la perdido tão cedo!

“Vergonha dos pés” foi o primeiro livro de Fernanda, eu a acompanhava desde o início. Descansa em paz, Fê!

Eu vi de longe o aluno pegar o livro e colocar entre os seus livros didáticos doados pela escola pública. Sabia que era um aluno muito pobre e apaixonado por literatura, excelente leitor. Ele podia ter me pedido, mas como eu, podia ter dificuldades com isto, como eu. Eu não lhe disse nada até passar um mês:

– Gostou do livro?

– Que livro, pró?

O que você pegou em cima da minha mesa. Se terminou, passa para outro aluno, ok?

Ruborizado, pediu- me desculpas. “Eu só queria emprestado”.

Emprestei- lhe depois alguns mais. Sei que hoje, vinte e cinco anos depois, é escritor.

Lembro do conto de Clarice Lispector “Felicidade clandestina”. Vai ver este ex- aluno viveu a mesma felicidade que a menina do conto, quando teve entre mãos o tão sonhado “Reinações de Narizinho”. Ela não roubou, ela pediu e esperou pacientemente até consegui- lo. Quando quiser algo muito importante, peça. Ninguém é obrigado a saber o que é importante pra você.

Também lembro da obra “A menina que roubava livros” na Alemanha nazista, como condená- la? Há roubos que estão justificados. Lembra do ditado? “Ladrão que rouba ladrão…”

E você, já roubou um livro?

Comecei a pedir, antes tarde do que nunca: para mim é muito importante que você curta e compartilhe este texto nas suas redes sociais. Até breve!

Um comentário sobre “Você já roubou um livro?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.