Nelson Rodrigues traduzido na Espanha


Uma coletânea de trinta e nove textos do pernambucano Nelson Rodrigues (1912-1980) foi publicada na Espanha em 2018, sob o nome: “No tengo culpa de que la vida sea como es” (“Não tenho a culpa de que a vida seja como ela é”). Com tradução do consagrado artista Pablo del Barco e prefácio do escritor e jornalista Manuel Jabois, ou seja, uma edição caprichada. O livro segue a linha editorial de um volume publicado no Rio de Janeiro em 2009, pela Agora Editora; na Espanha, a editora “Días Contados” abriu as portas ao nosso doce “Anjo pornográfico”, taxado em outras épocas como “obsceno” e “vulgar”. A coletânea reúne textos publicados originalmente no jornal “Última hora” entre 1952 e 1955.


Los lectores hispanos tendrán la oportunidad de leer en el idioma de Cervantes a uno de los más irreventes escritores brasileños: Nelson Rodrigues, que era un verdadero bocazas, vamos. Utilizó el idioma de la calle para expresar de forma fidedigna el arte del pueblo brasileño.


Nelson Rodrigues, jornalista e dramaturgo, já foram para o teatro, a TV e o cinema, como “A dama da lotação” e “Vestido de noiva”. E agora seus contos “viajaram” para a Espanha.

É uma satisfação saber que a nossa literatura foi bem tratada no exterior com uma obra assim. A pena é que ainda sejam muito escassas.

89_Portada.jpg

O fomento da nossa língua e literatura no exterior nunca foi prioridade dos governos brasileiros, em todos os tempos, em toda a nossa história. Parece que a ignorância faz pensar que não seja um bom negócio. Se o Brasil fosse um país comprometido com a Educação e a Cultura pensaria diferente e já teria um Instituto como outros países. Portugal, do tamanho da Bahia, fomenta o português através do Instituto Camões gerando negócios e empregos no próprio país e no exterior. É o nosso idioma? Sim e não. Eles puxam a brasa para a variante deles. Precisamos de um Instituto com o nosso sotaque e cultura.

A Espanha tem o Instituto Cervantes, que, com sua força, conseguiu ultrapassar o português em número de falantes no mundo. Se o Brasil tivesse boa vontade estaríamos em melhor posição, o Brasil podería ter o segundo idioma ocidental mais falado do mundo, só atrás do inglês; mas o país está em franco retrocesso…e em todos os setores.

Se você quiser comprar o livro citado, ele está sendo vendido nas melhores livrarias da Espanha, é só clicar neste link.

Anúncios

A cultura dos macacos


Quanto mais eu vejo os resultados do que fizeram conosco, mais acho necessária a literatura, que descortina e faz pensar.

Digo “eles”, esses poucos que detém o grande volume de dinheiro e que manipulam “a massa” como bem entendem. “Massa” é uma expressão detestável. Massa não tem forma, é homogênea, sem vontade, sem importância, inanimada, tal como o poder pensa mesmo da sociedade. Massa serve para ser moldada. Nós temos que ter consciência de que somos parte desse processo “invisível”, cruel e imperceptível para uma grande parte da população mundial.

Li recentemente um livro sobre gestão de conhecimento de um cubano radicado nos Estados Unidos, um manual de como os empresários devem proceder para ter êxito no uso e organização do Conhecimento. Até isso (ou principalmente) os capitalistas selvagens conseguiram colocar preço. Eles decidem que tipo de Conhecimento interessa  e o que não. Mas veja: muitos usam a Filosofia para sustentar suas teorias, até o capital precisa das Ciências Humanas muitas vezes ridicularizadas e desvalorizadas por eles mesmos.

52816645_1206677996154425_197931987288195072_n

Empresários em suas escolas de negócios caríssimas, exclusivas para poucos, são programados para a desumanização. Pessoas são números ou siglas,  e são utilizadas para gerar  lucros. “Útil” é a palavra essencial. Um clássico. Desumanizam- se para que nada atrapalhe a sua escalada profissional. Se a mãe ligar: ignore; se o filho cair doente, outra pessoa deve resolver esse “percalço”. Responder amigos? Nem pensar. A história do “time is money” é levada a sério. Você pensa que o mundo é como é, tão violento e desigual, por acaso? Não, isso é trabalhado diariamente.

Este é um assunto complexo. Eu só vim para acender uma faísca, comece a pesquisar sobre o assunto: como o Conhecimento é gerido pelo poder.

Vou deixar um texto retirado deste mesmo livro e que ensina o valor do (mau) hábito. O autor foca como algo negativo, mas no sentido de que tal comportamento empresarial pode barrar a criatividade. Mas eu observei sobre outro ângulo: o do empregado e da passividade da população diante das injustiças. É um texto que serve para a vida de um modo geral:

“Um grupo de cientistas colocou cinco chimpanzés em uma jaula e no centro foi colocada uma escada e, sobre esta, uma penca de bananas.

Quando pela primeira vez um chimpanzé subiu a escada para pegar as bananas, os cientistas jogaram um jorro de água gelada sobre os macacos que ficaram no chão.

Passado algum tempo, quando um chimpanzé subia as escadas, os outros bateram nele.

Depois, nenhum macaco tentou mais subir a escada, apesar da tentação das bananas. Então, os cientistas substituíram um dos macacos.

A primeira coisa que o novo chimpanzé fez foi subir a escada, mas foi rapidamente retirado na base de murros pelos outros.

Depois de mais algumas porradas, o novo macaco não tentou subir mais as escadas.

Um segundo macaco foi substituído e ocorreu a mesma coisa. O primeiro macaco substituído participou com entusiasmo da surra ao novato.

Um terceiro chimpanzé foi substituído e os fatos se repetiram.

Os cientistas chegaram a ter cinco chimpanzés que, ainda que nunca receberam o jato de água fria, continuaram batendo em quem tentasse pegar as bananas. No final, nenhum macaco daquele grupo tentou comer as bananas.

Se fosse possível perguntar aos macacos o porquê de baterem em quem tentasse subir a escada, certamente a resposta seria:

Não sei! Aqui as coisas sempre foram assim!”

Esses macaquinhos fazem coisas mecânicas, repetitivas sem saber o motivo,  porque foram manipulados a fazer isso.

Não seja como esses macacos em nenhuma circunstância da sua vida, porque é perder- se de si mesmo, é não ter personalidade, isso sim é não ser ninguém.

Se te jogarem um balde de água fria para evitar que você suba em algum lugar, não desista, procure outro caminho, não se deixe intimidar. Eles são experts em bloquear o caminho dos macacos ou moldá- los de acordo às suas necessidades, por isso eles têm o poder. Macaco amestrado não pensa e obedece.

Sim, nós podemos fazer diferente e nadar contra a corrente.