Resenha: Admirável mundo novo, de Aldous Huxley


“Admirável mundo novo” foi publicado em 1932 e começa com um longo prefácio escrito em 1946, onde o autor tenta justificar suas falhas artísticas. Pensou em reescrever, corrigir, mas acreditou que perderia a essência da obra. Contudo, não deixou de sentir uma espécie de remorso artístico, deve ter recebido críticas ruins na época. E vai levar outra aqui. Agora entendo o porquê desse livro ser tão popular: é um tremendo besteirol! Literatura besta mesmo. Huxley deveria ter reescrito.

Sempre prefiro ler o prólogo no final, não gosto quando o autor tenta explicar, justificar, prevenir o leitor do que virá. Acho uma perda de tempo falar no início sobre personagens e fatos ainda desconhecidos. Para mim, um posfácio faz mais sentido. Mas, de todas as formas, é interessante ler o pensamento do autor sobre a sua própria obra. No entanto, leia depois de terminar.

Meu espírito já estava amarrando para ler este livro. “Surpreenda- me!”, pensei. Não surpreendeu, meu faro me dizia que devia ser ruim. Acertei. Quando li logo na terceira página do primeiro capítulo “ovo bokanovskiano” pensei em desistir, mas segui, mesmo ferindo o meu bom gosto literário.

A história começa num laboratório de manipulação genética, onde produzem óvulos de homens e mulheres para que sejam padronizados, o “Processo Bokanovsky”, o verbo é “bookvskizar”. Ai, Pai, esse livro não é sério:

-Noventa e seis gêmeos idênticos fazendo funcionar noventa e seis máquinas idênticas.

Eu costumo colocar a página nas minhas referências, mas o PDF lido não vinha numerado, uma falha grande da editora “Escrytos”.

Detectando que era não é um livro sério, nem sequer bem escrito, tentei me divertir com o que imaginou um homem de 38 anos, no princípio do século XX.

Nesse período da pós- guerra mundial, época da publicação, o acesso aos livros e às notícias não devia ser muito fácil. Mas deviam saber o que os nazistas faziam com os prisioneiros, eles já barbarizavam desde a I grande guerra. O desgraçado do médico Josef Menguele, por exemplo, o que fugiu para o Brasil, viveu e morreu no litoral de São Paulo, fazia experimentos terríveis com os prisioneiros no campo de concentração na II Guerra, o monstro usava gêmeos para provas genéticas muito cruéis. Quem sabe pode ter surgido desses casos, de algum precedente, a semente desse livro…ou nada a ver, quem sabe?

Sinceramente, não considero mérito nenhum Huxley ter criado esse mundo com clones humanos. Creio que a humanidade imagina esse tipo de coisa desde o princípio da Idade Moderna.

Este livro é ruim em 1937 ou 2018. É uma obra supervalorizada. Também é certo que não é o tipo de literatura que gosto, um livro muito desgostoso pra mim, que preguiça de livro! Vai ver é manjar para você. Não me leve a sério, é só a minha opinião.

Falando em opinião, essa será a base das resenhas em 2018. Já não vou escrever posts didáticos desmembrando a obra, descrevendo personagens e tudo mais, não vou fazer análise textual, porque não vou mais mastigar pelos demais, ler por quem não lê e vem aqui só para copiar resenhas para a escola. Quero influenciar (ou não) leituras e não dar leituras prontas. Acredite: tenho motivos sólidos.

Não recomendo esse livro, mas se você quiser ler só para contrariar, então lá vai…

A edição que comecei em espanhol (foto) foi substituída por uma portuguesa, um ebook, que você pode comprar aqui na melhor livraria online de Portugal, Wook.  O e- book é bem acessível, custa €3,99 (cerca de 16 reais).

26195921_1184382081664147_626662719178770417_nHuxley, Aldous. Un mundo feliz, Random House Mondadori, Barcelona, 2009. Páginas: 255

Anúncios

O livro mais misterioso do mundo


“Na primavera de 1912, o comerciante de livros antigos Wilfrid Voynich se deparou, perto de Roma, com um manuscrito que pelo seu aspecto parecia livro de fórmulas mágicas usadas por antigos feiticeiros, escrito em uma linguagem estranha que, até hoje, ninguém conseguiu decifrar.

Manuscrito-Voynich-15-983x1024.jpg

Durante os últimos cem anos o seu texto vem sendo estudado exaustivamente por cientistas, linguistas e especialistas em criptologia, tanto civis quanto militares, mas tudo foi em vão. O alfabeto utilizado continua sem ser identificado e o conteúdo do livro permanece sendo um mistério. Um século de fracassos alimentou a teoria de que o livro não é mais que um sofisticado engano, uma sequência de símbolos aleatórios sem nenhum sentido. No entanto, segue exatamente a Lei de Zipf, segundo a qual a frequência de aparição das diferentes palavras que formam o idioma respeita umas normas rígidas, aparecendo a palavra utilizada com mais frequência exatamente o dobro de vezes que a seguinte mais frequente, o triplo que a seguinte e assim, sucessivamente. Esta lei, promulgada na década de 1940 pelo linguista George K. Zipf, da Universidade de Harvard, aparece em dois idiomas conhecidos. Não é provável que o autor do Manuscrito Voynich conhecera a Lei de Zipf, enunciada muitos séculos depois, e portanto, que a aplicasse em uma língua inventada por ele.

manuscrito de voynich (7).jpg

Uma das teorias mais recentes sobre estre misterioso livro é a apresentada pela doutora Edith Sherwood, que acredita que se trata de uma obra de Leonardo da Vinci realizada quando este contava com oito ou nove anos de idade. A doutora mostra a semelhança entre a escrita do manuscrito e a do menino Leonardo, que se conserva em outros documentos.

Ocultas em ilustrações do livro, aparecem numerosas assinaturas com a palavra ‘Vinci’, ao estilo que aparecem nas obras de Leonardo. Em um dos desenhos se vê uns edifícios que podiam ser do povoado de Leonardo, assim como um castelo de planta quadricular com prismas nos muros de proteção. Curiosamente, o único castelo com estas características que existe no norte e centro da Itália estão muito perto do povoado de da Da Vinci.

Em uma das páginas com tema astrológico, a doutora Sherwood inclusive identifica a data de nascimento de Leonardo, mostrando no centro do desenho em questão uma palavra que, com a ajuda de um espelho, mostra claramente seu nome (é conhecido o grande fascínio que Leonardo Da Vinci tinha pela escrita especular). São tantos os detalhes que apontam à possibilidade de que Leonardo da Vinci seja o autor desse misterioso livro, que se faz necessária uma investigação a respeito”. (“El manuscrito Voynich”, prólogo da editora Sírio, 2013.)

descifran.voynich4


Um livro em um idioma indecifrável? A doutora americana crê que pode ser de Leonardo Da Vinci criança… mesmo tendo sido um gênio, não creio. Pode ter sido um engano do livreiro, pode ter sido algum pirado apaixonado por Da Vinci ou pode ser que nem faça referência ao Leonardo. A mais exótica das hipóteses: pode ter existido algum povo com um idioma que desconhecemos e que foi extinto?

Se você tiver instinto de detetive e quiser tentar decifrar esta obra, clica abaixo, a réplica é bem acessível:

https://rcm-eu.amazon-adsystem.com/e/cm?ref=qf_sp_asin_til&t=falandoemlite-21&m=amazon&o=30&p=8&l=as1&IS1=1&asins=B0774Z12KS&linkId=933f5df3a345e025c51eeab454c72b8f&bc1=FFFFFF&lt1=_top&fc1=333333&lc1=0066C0&bg1=FFFFFF&f=ifr

I Congresso Internacional Nélida Piñón em Salamanca (Espanha)


No ano em que a Universidade de Salamanca completa o seu oitavo centenário, (pense…800 anos!), será celebrado o “I Congresso Internacional Nélida Piñón na República dos Sonhos”. O Congresso tem a colaboração da Academia Brasileira de Letras e o “GIR ELBA” (Estudos de Literatura Brasileira Avançados). Será celebrado de 12 a 14 de novembro de 2018 na “Hospedería Fonseca”, Calle Fonseca, 2- Salamanca, Espanha.

Atenção às datas:

Entrega de resumos: até o dia 8 de abril de 2018.

Apresentação das comunicações completas: 13 de maio de 2018.

Para pagar a matrícula: até 30 de agosto de 2018 (80 euros para comunicantes e 60 euros para estudantes).

As comunicações podem ser escritas em português ou espanhol.

As linhas de pesquisa são muito interessantes, você pode ler todas no seguinte link junto com todas as informações: clica aqui.

É uma excelente oportunidade para falar sobre literatura brasileira na Espanha, conhecer gente interessante, além de uma belíssima cidade, Salamanca, que é ÍNCRÍVEL!

UPDATE: a data para a entrega dos resumos foi adiada, veja aqui a nova data, clica.

Cartel-N--lida-alargado1-1024x392