A carta- despedida do poeta suicida Vladimir Maiakovski


O poeta e dramaturgo Vladimir Maiakovski (Georgia – antes Rússia-, 07/06/1893- Moscou, 14/04/1930) escreveu uma carta-despedida e suicidou- se com um tiro.

maiaVladimir Maiakovski

Transcrevo a carta*:


A todos

Ninguém é culpado da minha morte e, por favor, nada de fofocas. Ao defunto não lhes gostava.

Mãe, irmãs e camaradas, sinto muito, este não é o caminho- não recomendo a ninguém- mas não tenho outra saída.

Lília, ama- me.

Camarada governo: minha família é Lília Brik, minha mãe, minhas irmãs e Veronika Vitodóvna Polánskaia. Se lhes fazes a vida suportável, obrigado.

Os poemas inacabados dá- los aos Brik. Eles os decifrarão.

Como se costuma dizer:

“Acabou- se”,

o barco do amor

   se arrebentou contra a vida cotidiana.

Estou em paz com a vida, não vale a pena recordar

sofrimentos,

desgraças

   e mútuas ofensas.

                                                        Sejam felizes.

                                                       Vladimir Maiakovski, 12-4-1930

Amigos do VAPP não penseis que sou frágil. De verdade, não podíeis me ajudar. Cumprimentos.

Dizer a Yermilov que me arrependo  de haver tirado a nota, era necesario haver lutado até o final.

                                                                                                          VM

Sobre a mesa há 2.000 rublos, para pagar os impostos.

O resto cobrar ao Giz.


Sobre as pessoas e coisas citadas na carta:

Lília Brik foi a amante de Vladimir durante muito tempo. Lilia, seu marido e Maiakovski formavam um complexo triângulo amoroso.vladimir_mayakovsky_and_lilya_brik                                                                           Lília e Maiakovski em 1915

tresOssip Brik, Lília e Vladimir, um trio amoroso que escandalizou a sociedade da época.

Verónika, outra amante, também era casada, nunca deixou o marido. Conviveu com o poeta durante o seu último ano de vida. Maiakovski parece que gostava de mulheres casadas.

VAPP era um organização de escritores proletários.

Giz era uma editora.

O poeta, tal como uma prostituta, deve ser capaz
de transar com qualquer palavra. (Vladimir Maiakovski)


  • Carta retirada do prólogo do livro “Cómo hacer versos”, de Vladimir Maiakovski, Mono Azul Editora. Livre tradução.

O “barco do amor” que se arrebentou, pode ter sido a causa do suicídio? Política, amor, nunca ficou claro qual foi a sua motivação. Ele tinha apenas 37 anos.