Resenha: “Traições- Caderno de fofocas sobre mim mesmo, de Antônio Ramos

A vida não é o que a pessoa viveu, senão a que recorda, e como recorda para poder contá- la.

O livro de Antônio Ramos da Silva (São Paulo, 1976) começa com uma frase acima ( minha livre tradução ao português) do escritor colombiano Gabriel García Márquez. Muito, muito certeira, mas é a melhor coisa de todo o livro.

Essa é a minha resenha mais curta. Esse é o último livro de autores novatos que vocês verão aqui. A partir de agora, só consagrados.

“Traições- Caderno de fofocas sobre mim mesmo” (2014) é um diário estilo adolescente (o autor tinha 37 anos quando publicou). A linguagem é coloquial e o texto não é artístico, é um professor contando sobre o sonho de ser escritor. Ficou no sonho, desculpa Antônio. Não é sequer um livro sério, parece chacota:

Veja (p.12): “Mas, porém, todavia, contudo e no entanto, (…)

Poderia ter sido divertido, mas não teve nenhuma graça. Que papelão, professor!

Não perco mais meu tempo.

Não recomendo:


14446005_664215443734019_5458458312216290926_nSilva, Antônio R. da. Traições- Caderno de fofocas sobre mim mesmo, Chiado, Portugal, 2014. Páginas: 99

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.