Resenha: “Peces que llueven del cielo”, de Carla Guimarães


Carla Guimarães é uma soteropolitana que mora na Espanha desde 2001. Jornalista, dramaturga e escritora (em espanhol).  “Peces que llueven del cielo” é o seu segundo romance. O primeiro, “Los últimos dias de carnaval”, esgotou na Espanha, estou esperando a segunda edição.

Eu entrevistei Carla para a Revista BrazilcomZ de abril e ganhei o livro da autora autografado no dia 22 de março (obrigada, Carla!). O lançamento oficial aconteceu no dia 3 de abril em Madri. Carla tem uma história de vida, de imigração interessantes, quem quiser pode ler lá na BrazilcomZ (capa Chitãozinho e Xororó).

O nome do livro é uma adaptação de uma expressão que a mãe de Carla usava para referir- se a algo impossível, “Quando chover peixes do céu” e trata da história da transição de uma menina à adolescência nos anos 80, mesma época que o Brasil saiu da ditadura.

A narrativa acontece em espaços diferentes. Um deles é o de Sérgio, o mesmo nome do pai da escritora e que também coincidem com a mesma profissão: agrônomo, uma profissão que podia (ou pode ainda?) ser perigoso pelo interior do nordeste. Sérgio percorre a geografia da Bahia por causa do seu trabalho, vai conhecendo personagens interessantes, até um bandoleiro.

A narradora- personagem ainda menina enfrenta as dificuldades e medos próprios da idade, a descoberta do mundo e dos próprios sentimentos, a “selva” que pode ser a escola, o primeiro soutien, a primeira comunhão e a forte relação com os avós. Com o avô sonha reiteradamente, e dessa forma, interage com ele através em um mundo onírico muito palpável, quase real. E o dom da escrita transgressora, a liberdade do pensamento que a fez ter problemas na conservadora escola de freiras que estudava. Também conta sobre o primeiro beijo, o primeiro amor e fala também de perdas.

O livro é um passeio pelos costumes, religiosidade, gastronomia e geografia da Bahia. Carla apresenta ao leitor espanhol parte da idiossincrasia de um povo de uma forma muito fidedigna, inclusive com suas mazelas, as enchentes e a seca, por exemplo, além de questões familiares, os dramas e amores.

A autora, como os que nasceram nos anos 70, viveram a infância/adolescência em plena transição da ditadura à democracia. Foi na escola que a personagem encontrou um panfleto curioso, “Diretas já!”, que pedia que o novo presidente fosse eleito por voto popular e não pelo Congresso. É incrível e estranho pensar que o nosso país viveu uma ditadura, parece distante, mas é muito recente historicamente. Pelos últimos acontecimentos no Brasil, infelizmente, deu para constatar que muitos brasileiros são simpatizantes desse regime que não respeita as liberdades e pluralidade de opiniões. Lamentável!

No final do livro está escrito assim (livre tradução):

“Esta primeira edição de Peces que llueven del cielo, de Carla Guimarães, terminou- se de imprimir na cidade de Madri, onde quase nunca chovia, à terceira semana de fevereiro de 2016- Continuamos acreditando que o Brasil é um país de futuro”.

Acabei de ler esse parágrafo dia 12 de abril em Madri, “a terra que nunca chove”, mas chovia a cântaros e eu não estava (não estou) tão otimista quanto ao futuro (próximo) do país. A prosperidade, paz, honestidade parecem muito distantes. No próximo domingo, no Congresso Nacional, acontecerá a votação pelo Impeachment da presidente Dilma Rousseff. Tanto se ficar, como se tiver que deixar o cargo, vejo a união muito difícil, o país está fraturado. Acho que nunca tive tanto medo do presente e do futuro do nosso país.

Coincidentemente, essa obra retrata um momento parecido ao que o Brasil passa atualmente, com diferenças, claro, mas a sensação de incerteza e convulsão política é a mesma. Impeachment de Collor, será o de Dilma também?

Ediciones Ambulantes é uma editora que nasceu em 2011 na Espanha. Eles editam autores brasileiros em espanhol e também literatura sobre o Brasil.

Mas, falando em literatura…a narrativa corre fácil, gostosa, sensível, desses livros que não dá vontade de parar de ler até o final. O livro deixa uma mensagem de que nada é impossível, inclusive “chover peixes do céu”. Recomendo!

CeqTxWyWAAARcBv

Guimarães, Carla. Peces que llueven del cielo. Ambulantes, Madri, 2016. Páginas:  258