Dez livros essenciais (que eu ainda não li)


Eu tenho uma lista de livros que eu ainda não li e que deixa- me bastante incomodada. São livros essenciais na biblioteca de qualquer bom leitor (leitor de qualidade e não de quantidade) e que eu necessito urgente eliminar dessa lista incômoda. Obviamente, o universo de excelentes e importantes livros é bem maior do que uma existência só pode abarcar. Escolhi alguns que estão na minha biblioteca e preciso devorá- los já!

  1. Dom Quixote de La Mancha, de Miguel de Cervantes Saavedra

Eu moro na Espanha, sou formada em Letras, mestre em Literatura, dona de um blog literário,  e ainda não li a principal obra do país que me acolheu e um dos livros mais importantes do planeta. Não é uma vergonha?! É! Por isso, esse é prioridade total e começarei hoje mesmo essa leitura.

12118924_530217887133776_4297109866246141397_n

Essa é uma edição espanhola da Anaya, capa dura, com ilustrações do premiado José Ramón Sanchez, ou seja, bem caprichada e muito barata, acho que custou menos de 10 euros. O Quixote talhado na madeira está sem o Sancho, que foi vendido sem o amigo. Fiquei com pena dele e o trouxe lá de Santiago de Compostela. Preciso achar o Sancho parecido.

2. Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust

Eu não posso negar a minha quedinha pelos franceses. “Em busca do tempo perdido” é uma obra extensa, mais de 3 mil páginas divididas em sete livros. Eu só li o primeiro, “Em busca de Swann” , “Pelo caminho de Swann” (há variações, depende da edição). É uma obra que estou impaciente para terminar. A foto é do segundo livro:

12032983_530217740467124_1307027619959064214_n

3. MacBeth, de William Shakespeare

O clássico dos clássicos, o maior escritor de língua inglesa. Como que a gente pode não ler esse cara?! Eu já li os sonetos, Hamlet e Romeu e Julieta. Tenho que ler a obra toda. Essa edição da Planeta é linda, ela está em um estojo e as ilustrações são de nada mais, nada menos que Salvador Dalí!

12049129_530217880467110_8586158195125452733_n

4. As mil e uma noites, vários autores

Quem nunca ouviu falar da Scheherazade? Não é aquela do jornal do SBT não, viu? Eu já li histórias dispersas, mas gostaria de entender melhor o conjunto da obra. Nem sei se é possível isso,  já que é uma antologia de contos populares da antiga Pérsia, os países árabes, Índia. Nesse livro é possível entender muito do se escreve hoje em dia, influenciou e influencia ainda muitos escritores.

12039430_530217900467108_3226593439752293980_n

5. Bel Ami, de Guy de Maupassant

É um autor que eu quero muito conhecer, vou começar pelo mais famoso e ir descobrindo a obra pouco a pouco.

12042902_530217793800452_2675859019107933857_n

6. Antagonia, de Luis Goytisolo

Eu conheci pessoalmente esse autor e tenho quase toda a sua obra autografada, menos esse da foto, seu livro mais importante, que ficou em casa porque é um calhamaço, mais de 1000 páginas. A crítica diz que é o “Proust espanhol”. Goytisolo é da Real Academia Española.

12049164_530217827133782_7200088555700339328_n

7. Retrato do artista adolescente, de James Joyce

Eu tenho uma relação amor-ódio com esse autor, porque não gostei do seu livro mais famoso, Ulisses e adorei o seu livro de contos Dublinenses. Eu quero ler o Retrato e reler Ulisses, acho que não era o momento de ter lido, tenho essa pedrinha no sapato.

12046676_530217723800459_4995212603892243660_n

8. Mrs. Dalloway, de Virgínia Woolf

Posso confessar? Então confesso: a literatura inglesa não me atrai. Já comecei a ler mil vezes os livros de Virginia e de outras escritoras inglesas e empaquei. É como uma necessidade imperiosa de conseguir fazer essa leitura, tenho duas amigas, a Fran do Livro & Café, que é especialista em Woolf, inclusive ela está promovendo uma leitura coletiva de “Orlando”, quem quiser participar  chega lá; e outra amiga, a professora doutora Rosângela Neres, que são fãs da autora. Que ela é boa, não tenho dúvida. Eu é que tenho uma barreira a ser vencida, nem sei qual. Vou ler.

12038478_530217833800448_4169259510432212623_n

9. Memorial de Aires, de Machado de Assis

Eu AMO Machado de Assis, mas envergonhada, confesso: não li ainda toda a sua obra. Falta esse, Memorial de Aires, faltam alguns contos, faltam todas as poesias, e alguns outros romances. Imperdoável!

1538724_530232377132327_6258690223512221813_n

10. Os paraísos artificiais, de Charles Baudelaire

Eu quero ler toda a obra desse poeta “maldito” francês, o livro abaixo está só para representar. As flores do mal é o seu livro mais conhecido, que eu já li, mas que quero fazer uma releitura “esquematizada” para poder fazer uma resenha aqui.

12109163_530232387132326_4096705276982070259_n


 

Esses livros todos juntos…não sei, deve dar umas cinco mil páginas (só Dom Quixote tem mais de 1300 páginas), não sei quanto tempo para ler isso tudo, mas vou tentar. Palavra de leitora. Tenho certeza que depois dessas leituras serei uma pessoa diferente. Acompanha- me?!

Anúncios

19 Comments »

  1. Desses eu li Dom Quixote (que gostei muito, superei um preconceito por imaginar que um livro de 400 anos em dois volumes não pudesse ser engraçado, reflexivo e de fácil leitura) e estou com problemas para terminar o Mrs. Dalloway, pois comecei a ler “Clarice,” de Benjamim Moser que me prendeu bastante, mas vou tentar terminar esse fim de semana próximo.

  2. Basicamente a minha lista rsrs
    Fernanda, trabalho numa biblioteca e como vivo cercada por livros, fico na maior ansiedade em qual ler. Antagonía ainda não conhecia. Os demais, sei que um dia vou ler. Ou não né? Vai que me apareça outro livro e aí esqueço de ler esses. Menos Joyce. Já me conformei que jamais vou ler um livro dele. Simplesmente não consigo!

    • Roseli, é uma imensidão de livros, a gente tem que colocar alguns objetivos, senão fica perdido mesmo. Eu quero terminar de ler o conjunto da obra de alguns autores, já consegui de alguns, como Antônio Torres, por exemplo; outra luta é pra terminar a obra de Saramago. Vamos indo até onde der…rsrsrs…Beijos!

  3. No caso das Mil e Uma Noites, se não ler a tradução de Jarouche Mamede, tem que ser preso. Não se preocupe em roubar os quatro volumes capa-dura entulhados de notas, com mais de uma versão de algumas histórias. É a primeira do Brasil direto do árabe. O Jarouche aproveitou tudo. Até as passagens eróticas que ele próprio confessa, no livro, ter pensado se traduziria ou não.

  4. Fantastica a sua lista. Como diz Milan Kundera, não um truque literária que nāo tenha sido explorado por Cervantes, meio genérico mas certamente válido. Já li em Português, alguns trechos em Espanhol e vários trechos de diferentes traduções em Inglês. Recomendo altamente as aulas do Professor Roberto Gonzáles Echevarría disponíveis no website da Yale Open Course, são 24 sessōes só em Don Quixote e Cervantes com as mais atualizadas discussōes criticas. Aqui está o link: http://oyc.yale.edu/spanish-and-portuguese/span-300

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s