E o ganhador do livro é….

…. Carla C.! Lembram do post “Os prejuízos da literatura ruim”? Eu disse que o melhor comentário ganharia um livro. Os comentários foram excelentes, mas tive que escolher um  e foi esse da Carla: O que traz a literatura ruim? Ilusão. Ilusão de que se acrescenta algo para a vida. A boa literatura (sim, independente de preferências) alimenta a alma. Os bons escritores, geração após geração, escrevem para compartilhar ideias, sentimentos, construções. A boa literatura é arte. Arte de verdade. A má literatura existe apenas para fins mercadológicos. Seguem uma espécie de roteiro para conquistar em massa. É como uma … Continuar lendo E o ganhador do livro é….

Quantas páginas você lê por hora?

Quantas páginas você lê por hora? A velocidade de leitura tem a sua importância, pois quanto mais rápido você lê, mais livros e informação você terá acesso em menos tempo e…time is money! Fora que em concursos, quanto antes você ler, mais tempo terá para responder as questões e isso pode ser uma vantagem em relação a outros candidatos mais lentos. Agora, ler rápido e só passar os olhos pelas palavras sem reter nada não vale. A leitura tem que ser dinâmica, você tem que compreender e assimilar tudo o que está sendo lido. Faça um teste consigo mesmo, pegue … Continuar lendo Quantas páginas você lê por hora?

Vamos dar um rolezinho? ou “O dia seguinte”, de Moacyr Scliar

Fantástico conto de Moacyr Scliar (Porto Alegre, 23 de março de 1937 – Porto Alegre, 27 de fevereiro de 2011) que exemplifica bem a soberba da classe- média brasileira que não quer misturar-se com “os pobres”, quer manter seu “status” custe o que custar, até perder uma excelente empregada doméstica. Um texto que cai bem nessa época dos “rolezinhos“, leia, é curtinho: A televisão, como sempre, muito “educativa” tratou logo de criminalizar o que não é crime: se fosse reunião de jovens ricos seria chamado de “festa”, mas como é reunião de jovens pobres, o nome é “invasão”. O dia seguinte (Moacyr Scliar) Se há alguma coisa importante neste … Continuar lendo Vamos dar um rolezinho? ou “O dia seguinte”, de Moacyr Scliar

Biblioburro

 O leitor interessado em desbravar o mundo da literatura sempre vai encontrar uma maneira, ainda que não tenha um tostão no bolso. Com um pouco de boa vontade, pode- se desenvolver projetos simples e maravilhosos como esse, Biblioburro- Biblioteca Rural Ambulante, desenvolvido na cidade La Glória, na Colômbia, por Luis Soriano. Esse trabalho de distribuição de livros na zona rural e periferia das cidades deveria ser feito pelos governos, mas sabemos que na América do Sul isso ainda é utopia. Um singelo burrinho carregado de livros doados fazendo a alegria de adultos e crianças. Bonito, não?! Continuar lendo Biblioburro

Resenha: “Brooklyn Follies”, Paul Auster

Esse foi o primeiro livro que li de Paul Auster (Nova Jersey, Estados Unidos, 1947), ele é romancista, poeta, roteirista e diretor de cinema. Foi marinheiro, viveu três anos na França, onde trabalhou como tradutor, ghost writer e caseiro numa fazenda. Desde 1974 mora em Nova York e dedica- se exclusivamente à literatura. Brooklyn follies, 2006 (Loucuras do Brooklyn): um homem de quase sessenta anos, recém- divorciado após um casamento de mais de 30 anos com Edith, aposentado, era corretor de seguros, muda- se para o bairro do Brooklyn, pois busca um lugar tranquilo para morrer.  É o seu bairro de infância, no … Continuar lendo Resenha: “Brooklyn Follies”, Paul Auster

Os melhores livros de 2013…

…segundo o livreiro Nöel de Stanislas, da livraria Lamartine de Paris. São cinco dicas de literatura estrangeira (a maioria francesa) para que possamos expandir a nossa lista de leituras e nossos conhecimentos. E uma coisa rara: a maioria mulheres. Não sei se todos os livros (ou nenhum) foram editados em português. A lista dele ficou assim: 1. “A invenção das nossas vidas” (L’invention de nos vies), de Karine Tuil (Paris, 1972). 2. “Adeus acima” (Au revoir là-haut), de Pierre Lamaitre (Paris, 1956) 3. “O filho do desconhecido”, de Alan Hollinghurst (Gloucestershire, Reino Unido, 1954). Esse livro foi lançado em inglês em 2011, mas … Continuar lendo Os melhores livros de 2013…

Os prejuízos da literatura ruim

Esse post surgiu de uma discussão desagradável com uma pessoa lá no meu perfil do Falando em Literatura no Facebook. Obrigada, valeu um post! Eu defendo literatura de qualidade, isso é inegociável. Literatura boa não tem que ser “difícil” nem “chata”, judiação com a nossa querida literatura e seus escritores quem pensa assim. Pode ter livro considerado muito bom que eu, você, qualquer pessoa, pode não gostar.  Você não é obrigado a gostar de tudo, mas mesmo assim, esses livros irão te acrescentar muito mais do que qualquer best- seller água-com- açúcar, enlatados e afins. Mas agora eu não vou … Continuar lendo Os prejuízos da literatura ruim