“Eu me chamo Antônio”, um bom legado de 2013

A internet ajuda a lançar nomes na música e também na literatura. Surgiu em 2013 uma maneira criativa e inusitada de se fazer versos desenhados em guardanapos. “Antônio”, nome fictício de Pedro Gabriel (1982), nascido na África e radicado no Brasil desde os 12 anos é o responsável por essa revolução literária na internet. Quem já não viu um guardanapo de “Antônio”?  Pedro é assíduo frequentador do bar Lamas no Rio de Janeiro e começou a desenhar em guardanapos apoiado no balção e acompanhado de um chope. Seus versos desenhados têm sacadas, jogos de palavras com muito sentimento, que conquistaram … Continuar lendo “Eu me chamo Antônio”, um bom legado de 2013

Feliz Aniversário, de Clarice Lispector

Nesse Natal, desejo a todos os leitores que me acompanharam nesse ano, muita leitura, além de saúde, paz, prosperidade e amor verdadeiro! Que as relações familiares sejam, efetivamente, de amor e interesse mútuo, não só por convenções sociais, como nesse texto da Clarice: Feliz Aniversário A família foi pouco a pouco chegando. Os que vieram de Olaria estavam muito bem vestidos porque a visita significava ao mesmo tempo um passeio a Copacabana. A nora de Olaria apareceu de azul-marinho, com enfeite de paetês e um drapeado disfarçando a barriga sem cinta. O marido não veio por razões óbvias: não queria … Continuar lendo Feliz Aniversário, de Clarice Lispector

O peru de Natal, Mário de Andrade

O Peru de Natal O nosso primeiro Natal de família, depois da morte de meu pai acontecida cinco meses antes, foi de conseqüências decisivas para a felicidade familiar. Nós sempre fôramos familiarmente felizes, nesse sentido muito abstrato da felicidade: gente … Continuar lendo O peru de Natal, Mário de Andrade