Hoje é o aniversário do escritor francês Albert Camus


Hoje é o dia do nascimento do escritor francês Albert Camus ( Mondovi, Argélia [colônia francesa]7 de novembro de 1913 – Villeblevin4 de janeiro de 1960). Ele era filósofo, dramaturgo e jornalista. Aos 44 anos ganhou o Prêmio Nobel de Literatura (1957)  por sua importante produção literária, que com seriedade clarividente ilumina os problemas da conciência humana em nosso tempo”.Camus seguia a linha de pensamento do Absurdismo, que é a tendência humana a buscar significado inerente à vida e a incapacidade para tal feito, o Absurdo surge por essa natureza contraditória.  O escritor morreu por causa de um acidente de carro que aconteceu no dia 4 de janeiro de 1960, às 13:55, ele viajava no banco de passageiro dianteiro, sem cinto de segurança, da cidade de Lourmarin a Paris.

Por ironia do destino (ou absurdo!), Camus soltou a frase “Morir en voiture est une morte imbecile” (“Não conheço nada mais idiota que morrer em um acidente de automóvel”), disse isso quando soube da morte de Fausto Coppi, um ciclista famoso atropelado por um carro uma semana antes do seu acidente. 

albert_camus620

P1170804

Camus

As obras mais famosas do pensador são “O estrangeiro” (romance), “A peste” (romance) e “Calígula” (teatro). Trecho de “O estrangeiro”:

A não ser por estes aborrecimentos, não me sentia muito infeliz. Todo o problema, ainda uma vez, estava em matar o tempo. Acabei por não me entediar mais, a partir do instante em que aprendi a recordar. Punha-me às vezes a pensar no meu quarto e, na imaginação, partia de um canto e dava a volta ao quarto, enumerando mentalmente tudo o que encontrava pelo caminho. A princípio, isto durava pouco. Mas a cada vez que recomeçava, era um pouco mais longo, pois lembrava-me de cada móvel e, para cada móvel, de cada objeto, de todos os detalhes e, para os próprios detalhes, de uma incrustação, de uma rachadura, de um bordo lascado, da cor que tinham, ou de sua textura. Tentava, ao mesmo tempo, não perder o fio deste inventário e fazer uma enumeração completa. De tal forma que, ao fim de algumas semanas, conseguia passar horas apenas enumerando o que se encontrava no meu quarto. Assim, quanto mais pensava, mais coisas esquecidas ia tirando da memória. Compreendi, então, que um homem que houvesse vivido um único dia, poderia sem dificuldade passar cem anos numa prisão. Teria recordações suficientes para não se entediar. De certo modo, isto era uma vantagem.

800px-20041113-002_Lourmarin_Tombstone_Albert_Camus

Túmulo de Albert Camus, Cemitério de Lourmarin, Lourmarin, França. RIP.

Anúncios