O último poema de Carlos Drummond de Andrade


Carlos Drummond de Andrade (Itabira, 31 de outubro de 1902 – Rio de Janeiro, 17 de agosto de 1987) escreveu seu último poema no dia 31 de janeiro de 1987, “Elegia a um tucano morto”, que conta a história real de um tucano que Pedro Drummond ganhou da esposa no dia do seu aniversário e que sofreu alguns “acidentes”.

carlos-drummond

O ilustre avô escreveu “Elegia a um tucano morto” e presenteou ao neto num almoço. Veja o poema recitado por Pedro, o neto do grande poeta, além de contar a história real do tucano:

http://youtu.be/bbYTioVMSoE

O poema, que é triste, pessimista, belo, mostra a fragilidade da vida:

Elegia a um tucano morto
Ao Pedro

O sacrifício da asa corta o voo
no verdor da floresta. Citadino
serás e mutilado,
caricatura de tucano
para a curiosidade de crianças
e a indiferença de adultos.
Sofrerás a agressão de aves vulgares
e morto quedarás
no chão de formigas e de trapos.

Eu te celebro em vão
como à festa colorida mas truncada
projeto da natureza interrompido
ao azar de peripécias e viagens
do Amazonas ao asfalto
da feira de animais.
Eu te registro, simplesmente,
no caderno de frustrações deste mundo
pois para isto vieste:
para a inutilidade de nascer.

 Andrade, Carlos Drummond de. Farewell (1996). In: Poesia completa.
Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar, 2002, p.1413