Ruas de outono


Ana Carolina, cantora brasileira, Ruas de Outono”:

Nas ruas de outono
Os meus passos vão ficar
E todo abandono que eu sentia vai passar
As folhas pelo chão
Que um dia o vento vai levar
Meus olhos só verão que tudo poderá mudar

Eu voltei por entre as flores da estrada
Pra dizer que sem você não há mais nada
Quero ter você bem mais que perto
Com você eu sinto o céu aberto

Daria pra escrever um livro
Se eu fosse contar
Tudo que passei antes de te encontrar
Pego sua mão e peço pra me escutar
Seu olhar me diz que você quer me acompanhar

Compositores: Ana Carolina e Antonio Villeroy

Bookmark
Anúncios

O olhar do imigrante


O olhar do imigrante percebe as coisas totalmente diferentes dos locais. Tem coisas que sao naturais para eles, mas que para mim sao estranhas, esquisitas ou fora de lugar. Por exemplo…as maes espanholas têm o costume de dar o lanche pros filhos na porta da escola, quando a criança sai do portao. Tiram das suas bolsas sanduíches de salame, presunto e afins, frutas cortadas, biscoitos e sucos de caixinha, e os pequenos começam a comer ali mesmo, de pé, amontoados na calçada.

Sempre achei estranho e até engraçado isso. Por que nao vao para suas casas e comem sentados na mesa tranquilamente? Talvez porque suas maes o levem para os parques depois da escola. Mas aí penso…por que nao vao ao parque, sentam num banco para que seus filhos comam mais comodamente?

Hoje mesmo com o vento gelado, e todas na porta da escola ao invés de irem com suas crianças pra suas casas quentinhas.

Mas nao…elas estao ali exigindo que os filhos abram a boca e comam tudo o que trouxeram com uma urgência, como se as pobres crianças estivessem mortas de fome. Ou entao querem mostrar às amigas quem tem o lanche melhor. Nao sei…vai entender…