Aniversário de Cora Coralina


Ela faria 120 anos ontem, uma leonina de 20 de agosto, que mostrou toda a sua força e sina de mulher na sua poesia:

Assim eu vejo a vida…

A vida tem duas faces:
Positiva e negativa
O passado foi duro
mas deixou o seu legado
Saber viver é a grande sabedoria
Que eu possa dignificar
Minha condição de mulher,
Aceitar suas limitações
E me fazer pedra de segurança
dos valores que vão desmoronando.
Nasci em tempos rudes
Aceitei contradições
lutas e pedras
como lições de vida
e delas me sirvo
Aprendi a viver
. *

Ana Lins dos Guimarães Peixoto, a Cora Coralina, nasceu em Goiás e a casa em que viveu durante muitos anos hoje é um museu. Casou com um advogado e foi morar no interior de Sao Paulo, onde teve os seus seis filhos.

cora

Obras de Cora Coralina

– Estórias da Casa Velha da Ponte
– Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais
– Meninos Verdes (infantil)
– Meu livro de cordel
– O Tesouro da Casa Velha
– Vintém de Cobre
– A Moeda de Ouro que o Pato Engoliu (Infantil)
– Cora Coragem Cora Poesia (biografia escrita por sua filha Vicência Bretas Than)

NÃO SEI…

Não sei… se a vida é curta…
Não sei…
Não sei…
se a vida é curta
ou longa demais para nós.

Mas sei que nada do que vivemos
tem sentido,
se não tocarmos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
colo que acolhe,
braço que envolve,
palavra que conforta,
silêncio que respeita,
alegria que contagia,
lágrima que corre,
olhar que sacia,
amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo:
é o que dá sentido à vida.

É o que faz com que ela
não seja nem curta,
nem longa demais,
mas que seja intensa,
verdadeira e pura…
enquanto durar.

* Poema 1 visto  no Flickr da Mariene Simoes

* Foto: vilaboadegoias.com.br

* Poema 2: www.opensador.info